13 de diciembre de 2017

(Review 165) - La Leyenda de las dos Piratas

La Leyenda de las dos Piratas
María Vila
960 Páginas
 Aventura / Narrativa / Juvenil / Romance

Goodreads /Amazon / Casa del Libro 
★★★
*** Para leer esta reseña en Español, haz click AQUI
Londres, ano de 1579. Duas jovens aristocratas - a futura condessa, Inés Braukings e a princesa bastarda, Victoria Dudley - se rebelam contra a vida já planejada à elas desde o nascimento e decidem fugir em busca de liberdade. Para escapar para longe da jaula de ouro que o futuro parece reservar à elas, embarcarão no "El Miguel", um barco pirata comandado pelo habilidoso capitão Miguel Saavedra, amigo pessoal da rainha Isabel, que sequer desconfia das atividades criminosas de seu súdito. Quando a relação com o capitão e a tripulação do barco começar a se complicar, Inés e Victoria serão obrigadas a novamente se afastar e conduzir - com a ajuda da letal Shatidje - seu próprio navio. "La Leyenda de las dos Piratas" é uma história de aventuras, de duelos ao luar, de amores impossíveis, intrigas e mortes, amizades inquebrantáveis, ambientada em um tempo em que defender a própria honra era o que dava sentido a própria vida. 

 Resenha:


Essa será uma das resenhas mais dificeis que vou escrever. E é que falar do que com certeza foi a minha melhor leitura do ano será dificil de verdade, e ao mesmo tempo especial. Por um lado tenho orgulho, não apenas por poder dizer-lhes que li esse livro de mais de 900 páginas em um nada, mas de poder dizer-lhes que embarquei em uma história que me tragou de uma maneira tão especial que pude rir, chorar, me emocionar ao ponto de fechar os olhos e na minha imaginação, imersa nas páginas mágicas de Maria Vila, sentir até mesmo o salgado sabor das águas do mar ou o cheiro forte dos canhões em plena batalha, de tão real e presente que a história dessa autora novel se torna à medida em que vamos lendo. Me senti parte da tripulação da Black Shadow, aquele navio de destemidas mulheres diferentes entre si, e que conquistaram-me como se fossem minhas próprias amigas leais. 
Por outro lado sinto medo de falar deste livro. Pois queria poder expressar-lhes tudo o que ele me fez sentir e viver em pensamentos, queria poder convencer-lhes da magia de sua trama, queria poder falar por horas e horas de cada um dos personagens, porém, seria tirar-lhes em parte o prazer de descobrir por vós mesmos as surpresas reservadas na história além de que, jamais poderia expressar em palavras a profundidade de emoções que a história desperta. 

Primeiramente, La Leyenda de las dos piratas não é um livro feminista. Como bem disse sua autora, a história poderia ser mais bem descrita como "um canto à liberdade". É simplesmente uma história sobre acreditar no impossível, derrubar barreiras, insistir em nossos sonhos mais loucos, acreditar no poder do amor e mais que nada, é um manifesto sobre a amizade. Esse sentimento inabalável, que une pessoas de distintas raças, religiões, culturas. A verdadeira amizade, que é tão presente nas páginas desse livro que parece ser ela mesma um personagem à mais dessa história.

A trama é simples e ao mesmo tempo genial. Duas nobres da sociedade inglesa. Uma delas a filha de um poderoso general, Inés Braukings. A outra, a filha ilegitima da própria rainha Isabel, Victoria Dudley. Ambas unidas pela amizade e pelo sonho de liberdade, o desejo de conduzir as próprias vidas sem ter que atender às convenções da sociedade, poder navegar em mares desconhecidos e poder escolher seus próprios caminhos. É a partir daí que decidem fugir e embarcar clandestinamente em um navio pirata "El Miguel", conduzido por um jovem ambicioso, astuto e ardiloso, o capitão Miguel Saavedra. 

À partir desse ponto, já não quero falar mais da trama. Apenas posso dizer que junto ao sonho de ser pirata, Inés e Victoria deverão lidar com um sem fim de emoções e descobertas. Desde o primeiro amor até as primeiras decepções, a dor da perda, a morte, a desilusão, a dificuldade em guiar seu próprio barco, formar sua própria tripulacão e conhecer cada uma das destemidas mulheres que aos poucos de unirão para formar parte da Black Shadow, a temida frota pirata de mulheres que se converterão no terror dos sete mares.
Os caminhos de Victoria e Inés até a gloria serão tortuosos e duros, marcados pelo sofrimento e pela traição, mas com a ajuda de amigos leais, como Shatidje , a camareira turca disposta a embarcar no sonho de liberdade das meninas, elas conseguirão cumprir o sonho de ser livres, donas de si mesmas, além de que também poderão contar com outro navio formado por um grupo de homens valentes, com histórias e vidas que com o passar das páginas se tornarão histórias intimas ao leitor.

Os personagens masculinos são tão bem caracterizados quanto os personagens femininos. A autora atribuiu à cada personagem uma personalidade única, forte e marcante. Cada um possui um traço que encantará o leitor, em certos momentos nos fará odiá-los, para em outros momentos voltarmos à amá-los. 
Seja durante as batalhas mortais contra os soldados da coroa inglesa, seja durante as calmas vigilias noturnas diante do mar vazio, seja durante as acaloradas conversas ao redor da garrafa de rum, não importa o momento, o leitor se verá imerso, tragado, partícipe daquela aventura sem fim, imprevisível e apaixonante.

Falar de um a um dos personagens seria impossível. São demasiado apaixonantes para serem descritos em poucas palavras e são muitos para expor em apenas uma resenha. Com certeza alguns ganharam maior destaque, como o próprio capital Saavedra e seu contramestre Fred Stowe. e nossas meninas, doces e vorazes Inés, Victoria, Shadjine, Sinmonette, Claire, Emily, Bert, Bonny, Rosalyn, Jerusha e tantas outras, que entre ventos e tempestades, mares revoltos e águas tranquilas ensinarão ao leitor que sonhar com um mundo de liberdade e igualdade é possivel, basta lutar por isso e acreditar, sem desistir e sem se deixar abalar pela maré forte ou pelos naufragios da vida.

A ambientação merece uma menção. A autora teve um cuidado especial com a ambientação, nos descrevendo cada ilha, cada perigo, ao ponto de o próprio leitor conseguir visualizar os mares infinitos que rodeiam John´s Pipe, Burnmouth e tantos outros lugares que em uma primeira vista nos soarão estranhos, mas ao terminar o livro nos serão tão familiares como nosso própio lar. 

As mais de 900 paginas se tornam nada quando começamos a ler. Sem apenas dar-me conta já havia chegado ao epílogo. A história, uma trama tão envolvente e viciante se lê em nada e a narrativa maravilhosa de Maria Vila parecem poesia aos olhos do leitor. 

La Leyenda de las dos piratas não apenas se converte em minha melhor leitura do ano até agora, mas também em uma de minhas melhores leituras de toda a vida. Sentirei saudade de cada um seus personagens, de suas histórias e de sua coragem, lealdade e honra, de seus destinos impetuosos, dos duelos vibrantes, dos beijos roubados na escuridão e da crença inabalável de que não importa quantos dias de vida nos reste, o que importa é vivê-los intensamente, buscando o que por fim se tornará no nosso mais valioso tesouro.

"Lutamos para ser livres. Lutamos para poder viver sem ter que nos explicar por tudo... Lutamos" -- Inés encarava firmemente o mar, fixando os olhos em um ponto ao fundo do horizonte -- "Lutamos para não ter mais que esconder os nossos sentimentos, para deixarmos de nos sentir prisioneiras. Por fazer o que queremos e por escolher o que desejamos, e que apenas Deus nos julgue a partir de agora. Porque quando chegar o dia de amanhã e nos condenarem a forca ou nos sentenciarem a prisão, isso terá acontecido por escolha nossa, e apenas nossa. Não como consequência dos atos de um pai ou de um marido que decide nossos destinos, como se fossêmos apenas uma extensão de mais alguém".


Imagen relacionada

Imagen relacionadaMaría Vila é uma jovem autora espanhola que estréia no mundo da literatura com a sua primeira obra, publicada pela editorial Planeta de Libros (Espanha e Argentina) , La leyenda de las dos piratas.
Este primeiro livro fala sobre duas mulheres aristocratas em pleno século XVI que decidem ignorar seus destinos já tracados e fogem em busca de liberdade. A obra, com um marcado tom sobre o poder feminino, resulta ser uma apaixonante história de piratas cheia de mistérios e reviravoltas inesperadss. Aventuras em alto mar com as quais Vila conquista leitores nas livrarias espanholas, com o apoio da Planeta, uma das editoras mais conhecidas do mercado.
Twitter: María Vila

Nos Lemos....




Beijokas...


Alice

8 comentarios:

  1. Oi, Alice!
    Gente, comassim 900 páginas??? Eu até queria ler, mas essa quantidade me assustou de verdade. Mas você falou tão bem da história e de como se tornou um dos seus livros favoritos que estou tentada a dar uma chance.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário e ganhe prêmios maravilhosos

    ResponderEliminar
  2. Oi, Alice

    Deu pra ver realmente que foi um livro que mexeu com você. Essa sensação de descobrir um livro maravilhoso, que a gente considera nossa melhor leitura da vida é uma sensação única, né?
    Fiquei impressionada com a quantidade de páginas, 900! :o
    Eu adoro piratas, é uma vertente que me fascina, e gostei desse teor libertador da história.

    Ahhhh, e mudou o nominho do blog! *--*

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar
  3. Um dia reclamei de livros grandes, com muitas páginas, e minha mãe disse: "não importa o tamanho do livro, todos você só irá ler uma página por vez". E é verdade, né!? A gente não lê 900 páginas juntas, é uma por vez, assim como qualquer livro. Então, se o livro for bom, não vai fazer diferença se ele teve 100 ou 900 páginas. A experiência terá sido incrível. Se o livro for ruim, a gente pode abandonar se quiser, ou enfrentá-lo de qualquer forma. Desde que minha disse essa óbvia frase nunca mais nenhum livro me assustou. Enfrento qualquer um. Página por página!
    E lendo suas impressões me pareceu mesmo que esta é uma leitura incrível, que mexe com a gente e não deve ser deixada pra trás por conta do tamanho! A temática da liberdade me excita! Amei a dica, adorei conhecer seu blog! Parabéns!
    Beijoos

    http://www.aquelaepifania.com.br/

    ResponderEliminar
  4. Oi Alice.
    Menina... 900 páginas é muita coisa, e fiquei realmente impressionada que um livro deste tamanho tenha conseguido ser tão envolvente e tão tocante a você. Fiquei muito curiosa e espero que algum dia chegue por aqui, para que eu possa ter a oportunidade de ler. Adorei sua resenha. Apaixonante. Bjus
    www.docesletras.com.br

    ResponderEliminar
  5. Oi, Alice. Senti em mim tudo o que você sentiu com esse livro e mesmo eu, que não gosto do gênero, me vi com vontade e sentindo-me cativada pela obra. Eu adoro histórias de piratas, ela são muito envolventes e por isso eu tenho certeza que acabaria gostando, uma história a lá Piratas do Caribe, só que sem as tantas maldições. Será que alguma editora irá publicar o livro? É triste quando vemos um livro maravilhoso lá fora e ainda tão distante do Brasil. Vou torcer para que sim.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderEliminar
  6. Oi Alice! Caramba, mais de 900 páginas, que calhamaço! Interessante como o simples pode ser genial! Particularmente gosto bastante de histórias com piratas e é bom saber que a autora fala de temas tão interessantes com uma boa ambientação! Sei como é difícil falar de um livro que nos envolve tanto, mas a resenha ficou excelente!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderEliminar
  7. Oi Alice! Que livrão, mas eu leria sem dúvidas. Tenho acompanhado seus comentários sobre ele e fiquei super curiosa. Adorei essa dica.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  8. Amei sua resenha, por meio dela já fiquei muito curiosa para conhecer cada detalhe do livro, você conseguiu instigar o leito ao falar sobre os cuidados que a autora teve para detalhar os ambientes, além de deixar um ar de mistério sobre a história. Eu amo livros e filmes com piratas. Já quero ler. Estou te seguindo! Bjss

    www.historiasdaiza.blogspot.com

    ResponderEliminar