(Review 235) - Neve e Cinzas (Snow like Ashes #1)

em 6 de septiembre de 2018

Título original: Snow like Ashes
Autor: Sara Raasch
Editora: Harper Collins (Brasil) / Del Nuevo Extremo (Argentina) / Balzer + Bray (EUA)
Páginas: 320
Gênero: Fantasia
Saga: Neve e Cinzas
Neve e Cinzas (Snow like Ashes) ✔
Gelo e Fogo (Ice like Fire)
Geada e Noite (Frost like Night)

Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva

Neve e CinzasDezesseis anos atrás o Reino de Inverno foi conquistado e seus cidadãos, escravizados, sem família real e sem magia. A única esperança de liberdade para o povo do reino jaz nos oito sobreviventes que conseguiram escapar, e qus seguem esperando uma oportunidade para recuperar a magia de Inverno e reconstruir o reino. Meira, uma órfã desde a derrota de Inverno, passou a vida inteira como refugiada, criada por Sir, o general dos invernianos. Treinando para se tornar uma guerreira - e desesperadamente apaixonada pelo melhor amigo e futuro rei, Mather -, Meira faria qualquer coisa para ajudar o Reino de Inverno a retomar seu poder. Então, quando os espiões descobrem a localização de um medalhão antigo capaz de devolver a magia do reino, Meira decide ela mesma encontrá-lo. Finalmente ela está escalando torres e lutando contra soldados inimigos como sempre sonhou. Mas a missão não sai como planejado, e logo Meira se vê mergulhada em um mundo de magia maligna e poderes perigosos. De repente, ela percebe que seu destino não está, e nunca esteve, em suas mãos. A estréia de Sara Raasch é uma fantasia cheia de ação sobre lealdade, amor e a capacidade de determinar o próprio destino. 

Resenha:

Eu adoro fantasias que apresentam universos originais, inovadores, diferentes de tudo que li. Acho que na fantasia, a ambientação conta muitos pontos e se uma trama promete uma sociedade incomum e jamais vista, imediatamente me sinto atraída em ler.

Neve e Cinzas, primeira parte da trilogia da autora americana Sara Raasch, nos imerge em Primoria, um mundo vasto de magia e disputas, onde o poder reside nas mãos dos monarcas, através de um precioso objeto dado a cada um, os Condutores. 
Quando o Reino de Primavera atacou Inverno, os invernianos foram literalmente dizimados, a Rainha Hannah foi assassinada, o Condutor de magia da Rainha, um medalhão, foi rompido ao meio, e os poucos sobreviventes foram tomados como escravos de Primavera, conduzidos à capital Abril. Apenas 25 escaparam. Dezesseis anos depois, apenas oito destes vinte e cinco seguem com vida. Meira está entre eles. Ela é uma órfã, treinada por Sir para ser soldado e ajudar a recuperar as metades do medalhão, objeto necessário para que o príncipe Mather, outro dos sobreviventes, consiga tentar salvar o que resta de Inverno.
Meira é apaixonada por Mather desde sempre, mas ela sabe que uma relação entre eles está mal vista, afinal, ele é da realeza e se casará por aliança politica. Por isso, ela oferece à ele sua extrema lealdade e uma amizade profunda, guardando para si seu amor pelo garoto.
Desejosa em ser importante e fundamental à causa, Meira se arrisca em situações inesperadas, tudo à fim de ganhar o respeito de Sir e ajudar seu reino devastado. No meio dessas situações, a vida da jovem sofre um revés, e tudo que ela achou saber se torna uma enorme incógnita.

A premissa do livro é legal, mas convenhamos não é exatamente tão diferente de outras fantasias. A jovem que não é nada e de repente assume protagonismo. Já vi essa novela em Sombras e Ossos da Leigh Bardugo, A Rainha Vermelha da Victoria Aveyard e tantos outros inúmeros livros com a mesma pegada fantástica. Aliás esse detalhe da jovem apaixonada pelo melhor amigo também é situação corriqueira no gênero. E se o melhor amigo for o príncipe ou alguém com grande potencial para se tornar queridinho e herói, a situação é ainda mais clichê já que muita história juvenil segue esta premissa. Aí quer ver a coisa ficar ainda mais déja-vu? Insere então um triângulo amoroso na receita. 
Essa é uma das partes mais cansativas de Neve e Cinzas. Me deu nos nervos acompanhar Mather e Meira. 
A garota vivia babando por ele lá nos bosques onde cresceram, mas o rapazinho parecia nem notar sua devoção. Então, quando surge outro na jogada e a fila começa a andar, aí o cidadão decide lutar pelo amor da donzela, pois descobriu repentinamente que ama ela! Sabe aquela coisa de "só dá valor quando tá perdendo?", senti isso assistindo Mather e Meira, além da sensação de que já vi o mesmo filme em outros livros.
A outra ponta do triângulo é até que interessante, carismático, mas ainda assim não foi suficiente pra me fazer torcer por nenhum romance (ainda bem que o romance fica em secundário nesse livro, porque se tivesse destaque teria me incomodado bastante pois não curti nenhuma das pontas do dilema). 

Talvez, minha repulsa pelas situações românticas da primeira parte seja culpa de Meira mesmo. Eu não gostei dela. Ponto final. 
Chata, melindrosa, teimosa, birrenta, insuportável, a típica pirralha mimada que não aceita receber ordens e quer fazer sempre o que lhe dá na telha porque precisa aparecer mais que todo mundo.
Tá certo que a piveta evoluí e amadurece um pouco no final, mas até a dita transformação ocorrer, haja paciência!

Mather então ao invés de Rei do Inverno poderia se tornar futuro Rei da Apatia. Achei o personagem bem vazio, falta carisma nele nessa primeira parte (tá, já sei que na segunda ele melhora muito).

Pela resenha parece que o livro é tão mais ou menos né? Mas tem várias qualidades, eu garanto.

Aqui em Neve e Cinzas o vilão daqui é bem urgh. Bizarrão, perversão, aliás o sujeito me deu medo mesmo porque ele transpira maldade genuína. Ponto pra Sara Raasch, conseguiu construir um vilão convincente e que amedronta, que justifica todo o temor ao redor dele (Aliás todas as partes com ele e focadas no Reino de Primavera são bem alucinantes).

A escrita da Raasch é bem gostosa, nada de palavras rebuscadas, narrativa difícil. A narração de Sara é simples de entender, mesmo estando o leitor encerrado na cabeça confusa da Meira, já que tudo é narrado na primeira pessoa por ela. 
É uma primera parte de trilogia, portanto, até a metade do livro a coisa toda é muito introdutória, nos apresentando toda a história de Primavera / Inverno em sua guerra, os objetivos do grupo de Meira e mais adiante, nos apresentando um terceiro reino que entra na sopa, Cordell.

Em todos os três reinos apresentados, a ambientação é muito fascinante, gostoso de acompanhar as descrições da autora porque ela não se extende e nem se apressa demais. É tudo bem abrangente e o leitor consegue sentir, visualizar e discernir cada reino apresentado. 

O ritmo introdutório da primeira metade do livro pode ser cansativo e permanece até todas as informações serem passadas ao leitor, e depois tudo muda completamente. Batalhas, mortes, traições, reviravoltas, tudo acontece de uma vez na parte final de Neve e Cinzas e o leitor fica roendo as unhas, atormentado pra conhecer o desenlace de tudo aquilo. Houveram momentos em que senti angústia, queria que tudo se revertesse logo porque há cenas que partem o coração da gente.

A grande reviravolta da trama se revela perto do fim também mas, para o leitor já habituado com fantasia, não será novidade. Eu matei a charada antes que chegasse na metade, tudo conduzia àquele desfecho e no final acertei. Continuou sendo emocionante, mas não foi nenhuma novidade já que é o esperado. Até mesmo o triângulo amoroso já consigo deduzir para onde irão os tiros. É que a autora deixa sinais bem evidentes do que fará, além disso, o gênero de fantasia possui vários clichês e como disse, Neve e Cinzas adota alguns que dá pra prever logo. 

Mesmo com seus prós e contras eu recomendo Neve e Cinzas. Esses eventos da metade final do livro acabaram me ganhando e a construção dos mundos é tão mirabolante que os fãs de fantasia se deleitam lendo sobre aquele universo de Primoria. 
O final foi até que fechado, é aquele tipo de livro que deixa algumas pontinhas soltas para a sequência, mas ao mesmo tempo alivia o leitor oferecendo um final digno, e várias respostas esperadas ao longo da leitura. 
Enfim, foi uma primeira parte bacana, que apesar de possuir alguns poréns que fizeram a leitura demorar a me prender (Meira foi o grande porém), no final termina sendo um livro satisfatório que cumpre as expectativas do leitor.

" Assim somos todos nós, endurecidos demais pelo que deveríamos ser. Deveríamos ser uma família, não soldados. Mas tudo o que realmente nos conecta são histórias e lembranças do que deveria ser "

Sara Raasch sabe que estava destinada a uma vida literária desde os cinco anos de idade, quando seus amigos fizeram uma barraquinha para vender limonada e ela se intrometeu para vender seus livros ilustrados à mão. As coisas não mudaram muito desde então: seus amigos ainda olham desconfiados quando ela tenta desenhar qualquer coisa, e seu entusiasmo pela palavra escrita ainda a leva a atitudes extremas. Sarah mora em Manassas, Virginia.

Web Page Oficial: http://sararaasch.tumblr.com/

Twitter: Sara Raasch






Até a próxima, 



Ivy

22 comentarios:

  1. Oi!
    Gostei da resenha e de sua sinceridade. Esse tipo de história não me chama mais tanto a atenção, especialmente sabendo que tem tantos clichês assim do gênero, rs. Os Delírios Literários de Lex

    ResponderEliminar
  2. Oi, Ivy
    Eu já ouvi falar desse livro e assim como você eu fico achando muito do mesmo. Fantasia sempre tem que ter um reino que quer se reerguer, aí precisa lutar com outros e essas coisas. Isso é cansativo pra mim, não são todas as histórias que eu gosto que tenha essa pegada. Eu gosto mais de tramas políticas e jogos de poder do que essa guerra toda propriamente dita, por isso acho que não leria.
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderEliminar
  3. Olá, Ivy.
    Eu tenho essa trilogia aqui na estante e estava aguardando sua resenha sobre a história. Meio que desanimei em saber desse triangulo amoroso que lembrou o de A Seleção e Jogos Vorazes com o cara que resolve lutar pela garota depois que outro entra na jogada. Já estou bem cheia disso. Mas como já comprei a trilogia toda espero que pelo menos a fantasia valha a pena, mesmo que seja bem clichê hehe.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  4. Oi, Ivy!
    Antes eu tinha mais vontade de ler essa trilogia. Hoje, já não quero mais haha Mesmo com os pontos positivos que você deixou claro na sua resenha, acho que vou passar. Talvez mais para frente, quem sabe...
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderEliminar
  5. Quando o assunto é fantasia eu sou totalmente leiga, tenho me aventurado nesse gênero apenas esse ano então ainda to tateando no escuro pra entender o que realmente gosto, mas pra você que tem certa experiência, rs, essas questões devem ser realmente ponderadas com mais criticidade, como por exemplo o enredo meio clichê, super te entendo, apesar das suas ressalvas, eu realmente fiquei curiosa, mas com um pouquinho de medo de não gostar da protagonista.

    ResponderEliminar
  6. Hey Ivy! Tudo bem?
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, e confesso que adoro uma fantasia mesmo a premissa já tendo sido vista em outras leituras kkk
    Obrigada pelo comentário.
    Tenha um excelente final de semana!

    ~ miiistoquente

    ResponderEliminar
  7. Ainda que tenha alguns detalhes para aperfeiçoar, fiquei bem curiosa para ler essa série.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderEliminar
  8. Oi Ivy,

    Eu curti bastante o primeiro livro e por incrível que pareça o triangulo amoroso não me incomodou, pois enquanto lia não senti exatamente um romance entre uma das partes. Gostei muito do enredo da história, e apesar e ter vários pontos de outras fantasias, gostei no geral da trama.
    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderEliminar
  9. Tudo bem? Eu curti demais essa leitura.
    A jornada da protagonista não é fácil, e ela passa por diversos problemas e dificuldades, mas é no meio dessas adversidades que ela vai encontrar outros personagens que irão demonstrar para Meira que é necessário ter esperanças e lutar pelo que se acredita.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderEliminar
  10. Oi Ivy! Eu não sou tão contra triângulos assim, mas o fato de parecer mais do mesmo que me incomoda um pouco. De qualquer forma, o fato da escrita ser boa, já é um ponto positivo.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderEliminar
  11. Gostei da resenha Ivy. Apesar das suas ressalvas, me pareceu ser uma fantasia interessante. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderEliminar
  12. Hi, Ivy. Tudo numa nice?!
    Eu li esse livro e levei milênios para terminar exatamente quando o triângulo sem sal e sem graça começou. Acho que a estória nem precisava de romance. Mas enfim, fazer o quê. A escrita da autora é muito gostosa e essa foi a única coisa que me ajudou a continuar com a leitura. Talvez eu até leia o próximo volume apenas por causa disso. Mas eu não fui generosa como você, muitas coisas me incomodaram na estória e eu dei apenas duas estrelinhas.
    XO XO
    https://piecesofalanagabriela.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  13. Oi Ivy
    Antes de qualquer coisa preciso dizer que adorei a resenha, é bem completa e fala de pontos muito relevantes e esclarecedores, gostei mesmo. Quanto ao livro em si, fiquei bem interessada quando ele saiu mas depois fui perdendo o tesão. Li algumas resenhas criticando a protagonista, assim como a sua, e falando que a parte amorosa era um pé no saco, hahaha. Mas gostei de saber que a autora acertou na parte da fantasia e dos reinos, e principalmente no vilão (o que faz falta, porque muita gente tem decepcionado com isso ultimamente).

    Att.,
    Eduarda Henker
    Queria Estar Lendo

    ResponderEliminar
  14. Oi Ivy!
    Quase n vejo ngm falando sobre esse livro, mas está na minha lista, quero ler!
    Esses clichês desanimam né? Vou tentar n ir com tantas expectativas. Mas um vilão bem construído? Já quero!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderEliminar
  15. Oi, Ivy

    Eu ri no "piveta"! Hahahaha
    Não gostar da protagonista é preocupante, mas que bom que pelo menos você conseguiu extrair algo de bom da história. A parte da ambientação bem feita chama minha atenção, gosto quando os autores ficam contando a história do mundo que criaram... mas meu problema com as fantasias (e distopias) é a repetição dos elementos que estamos cansados de ver por aí.
    Honestamente, não vou ler. Mas torço para que os próximos lhe agradem mais!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar
  16. Oi Ivy, tudo bem?
    Amei a resenha sincera! A premissa eu achei super original, mas só pelo fato de ter uma protagonista birrenta e um mocinho que só dá bola quando tem concorrência, já não curti. Não tenho muita paciência pra esses elementos. :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
  17. Oi, Ivy!

    Adorei a sua resenha, muito esclarecedora e honesta. Fantasia não é um gênero que dou prioridade na hora da leitura, mas reconheço que alguns são muito bons, e o que os destaca é justamente a originalidade, o que pelo visto faltou um pouco em Neves e Cinzas. Tenho ranço de triângulos amorosos, e quando a protagonista não ganha o nosso carisma, a história também acaba por não nos conquistar por completo, por mais que tenha potencial. No momento eu não leria, mas é muito bom saber que a escrita da autora é boa e fácil de entender!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderEliminar
  18. olá...

    conheço a série de ouvir falar mas apesar de curtir fantasia, já ando meio saturada das histórias, tem um bom tempo...

    com relação a personagem... imaginei vc tendo raiva com ela enquanto fazia a leitura rsrs eu tbm teria abuso, detesto gente assim kkkkkkkkk
    triângulos amorosos sempre me dão ranço, salvo raríssimas ocasiões...

    bjs ^^

    ResponderEliminar
  19. Eu também amo fantasias e dificilmente não gosto de uma história.
    Porém lendo sua resenha, já pude perceber que me irritaria com as mesmas coisas que vc... esse comportamento da protagonista, por exemplo, é algo que me dá sono e faz abandonar a leitura ahahaha.. Mas por se tratar de uma trilogia, quem sabe isso não melhora? ALIAS ESPERAMOS NE? mesmo assim anotei a dica pq apesar de tudo eu gostei do enredo

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  20. Oi, Ivy.
    Eu tenho muita curiosidade com essa trilogia e gostei muito de poder ver a sua resenha sincera sobre o primeiro volume. Eu acho que vou gostar muito, mas os pontos que você ressaltou podem me incomodar um pouco. Olha, começo cansativo dá nos nervos, a leitura acaba que não flui e leva uma eternidade pra conseguir me envolver, mas quando acontece como você falou, de o o final ser tão interessante eu acho que a leitura vale a pena. Enfim, eu quero ler e espero gostar do livro.

    ResponderEliminar
  21. Olá
    Eu não leio muito livros de fantasias, mais estou curiosa para ler esse livro e saber mais sobre a guerra da primavera e inverno. É um saco quando a protagonista não agrada e ela que narra a historia já vou ler com esse pé atrás com a protagonista vou ler o livro assim que possível dica anotada

    ResponderEliminar
  22. Gosto muito do gênero, e assim como citado, também me irrita muito esses triângulos! Muito parecido com as outras distopias que você citou, e não parece trazer nenhuma novidade. Ao menos a parte de romance não é totalmente o foco da história. Deixei meio de lado por um tempo, mas vou anotar a dica para quem sabe um dia.

    ResponderEliminar