(Review 241) - Cabeças de Ferro

em 21 de septiembre de 2018

Título original: Cabeças de ferro
Autor: Carol Sabar
Editora: Jangada (Brasil)
Páginas: 302
Gênero: Romance Juvenil / Mistério
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva

Nem em seus piores pesadelos, Malu imaginava que sua vida de universitária começaria tão tumultuada! Ela acaba de ser aprovada no concorridíssimo vestibular da "Universidade dos Cabeças de Ferro", e agora, com o apoio de Nicolas - que sonha ser muito mais que seu amigo -, prepara-se para encarar o temido trote da Engenharia. O veterano designado para aplicar o trote em Malu é ninguém menos que Arthur Cantisani, o seu sexy arqui-inimigo, responsável pela humilhação que ela sofreu aos 11 anos de idade, na frente de toda a escola. Inesperadamente, porém, quando o trote começa, Arthur despeja a gosma não em Malu, mas em outra caloura, que sofre choque anafilático! Veteranos e calouros fogem, deixando Malu, Arthur e Nicolas sozinhos na "cena do crime". Mas porque a garrafa de gosma despejada na garota era a única com conteúdo de cor diferente? E porque todas as outras garrafas desapareceram sem deixar rastro? Alguém estaria tentando ocultar provas? Os estudantes da Engenharia estariam na mira de um assassino? Envolvidos até o pescoço, Malu e Arthur, apesar de se odiarem, não têm outra saída, a não ser unir seus cérebros brilhantes para desvendar o que há por trás de tanto mistério. Com a mesma linguagem espontânea e divertida que conquistou tantos leitores, Carol Sabar agora conta uma história irresistível, cheia de suspense, romance e adrenalina.

Resenha: 


Cabeças de ferro é um juvenil divertido e gostosinho de ler, perfeito pra quando estamos à toa, em busca de uma leitura que nos faça sorrir em momentos inesperados com um toque de mistério pra nos prender na história tentando desvendar o final. 

A história nos narra a entrada de Malu na faculdade da UPN (Universidade Ponto sem Nó), uma instituição onde apenas os mais inteligentes conseguem entrar. Malu aprovou em primeiro lugar para o curso de engenharia e, no dia de seu temido trote, ela está duplamente apavorada pois além das brincadeiras nada agradáveis aplicadas pelos veteranos aos calouros, Malu deverá suportar ser alvo de ninguém menos que Arthur Cantisani, um ex-amigo, que foi o responsável por um dos maiores vexames que a garota passou na vida, quando ainda estava entrando na adolescência. 
Tudo se complica quando ocorre uma tentativa de assassinato em pleno trote. Alguém tinha a intenção de ferir Malu? Ou será que alguém estava tentando prejudicar Arthur? Pode se tratar de que ambos tenham sido apenas alvos aleatórios de uma espécie de psicopata que, por debaixo da fachada de bom estudante, está disposto a eliminar a concorrência na universidade?
Seja como for, agora Malu e Arthur se vêem no olho de furacão, tendo de prestar contas à reitoria da Universidade, aos amigos, à família e à policia sobre o que realmente aconteceu no trote de Engenharia.
Quando os dois decidem embarcar em uma investigação secreta, com o objetivo de limpar seus nomes, ambos se verão obrigados a esquecer as rivalidades do passado e atuar em equipe, para salvar seus próprios futuros na universidade. No meio de tudo isso ainda há Nicolas, o melhor amigo de Malu, apaixonado por ela e alguém por quem a garota não consegue definir exatamente oque sente. Enquanto Malu tenta desvendar um caso de tentativa de assassinato, ela também terá que escolher entre o ex inimigo bonitão e o melhor amigo leal, sabendo que no meio de tudo isso alguém com certeza sairá de coração partido. 

A premissa de Cabeças de Ferro me conquistou desde a sinopse. Adoro mistérios ambientados na universidade, todos os livros que li com temática semelhante me divertiram bastante e, apesar de não nutrir muitas expectativas com relação à Cabeças de Ferro (por conta de resenhas negativas que havia lido), o livro me surpreendeu positivamente, resultando em mais uma daquelas leituras inesperadas que ao finalizar nos deixam com um sorriso de satisfação no rosto.
Me lembro que uma das resenhas negativas que li apontava que a narração do livro era infantil,  juvenil demais para uma história ambientada em um ambiente universitário. 
Eu sinceramente não senti isso. Pelo contrário, aliás. Achei a narrativa super leve e divertida. Obviamente não dá pra ler o livro esperando aquela seriedade de um New Adult, até porque ele nem é um NA. Eu catalogaria Cabeças de Ferro como um chick lit juvenil, portanto, pra quem curte essas leituras mais levinhas, com umas piadinhas irreverentes no enredo e um toque de doçura típica de romances juvenis, Cabeças de Ferro é um livro que super recomendo. 

Os personagens são carismáticos, possuem um toque de deboche e descontração que encaixa com perfeição nesse ambiente universitário retratado por Carol Sabar. Aliás, eu adorei a ambientação de Ponto Sem Nó. Acho que nunca tinha lido nada ambientado em Minas Gerais e gostei bastante das descrições oferecidas pela autora. O ambiente da universidade, com suas festas e euforia, desperta nostalgia no leitor que já passou por isso. É tudo bem realista nesse sentido, e eu gostei de me ver transportada à essa realidade mais parecida com a nossa. 
Quanto aos protagonistas, teremos Malu, Arthur e Nicholas. Eu gostei da Malu, apesar de certas atitudes dela me tirarem um pouco do sério. Malu é inteligente, bem humorada, especial. Porém, é confusa e não sabe escolher com quem quer ficar. Então é aquele caso típico da protagonista que namora um, mas se sente atraída pelo outro durante quase toda a leitura. Isso cansa um pouco, porque parece que a garota está sempre dividida. 
Arthur, ao meu ver, é o melhor dos três protagonistas. Ele é mais coerente, e também mais interessante, possuí um charme e uma fragilidade que conquistam o leitor.
Nicolas, pelo contrário, foi o que menos simpatizei. Por mais que a autora ressaltasse na narrativa o quanto Nicolas é fofo, lindo e carinhoso, achei o personagem um verdadeiro porre de chatice. Seu personagem é necessário e fundamental, ele é parte do tal triângulo amoroso. Porém, comparado aos outros dois protagonistas, Nicholas não tem carisma e encanto pra prender o leitor na história.

Os secundários são bem legais também. Teremos as amigas de Malu, Clarissa e Angélica, que são simplesmente geniais. Ambas agregam um ar divertido à história, e eu gostei da amizade que une as três meninas. Além delas teremos todo o rol de alunos e professores de Ponto sem Nó, que estarão na trama em momentos necessários, desempenhando papéis cruciais no mistério desenvolvido por Carol Sabar. 

Eu li o livro em nada. Me durou 2 ou 3 dias apenas. Embora não seja exatamente uma história fenomenal, a narrativa da autora é encantadora. Eu gostei porque é um livro leve, despretensioso, que consegue captar o interesse do leitor até o final. É o tipo de história que, aliás, renderia uma boa adaptação pois possuí uma trama ágil e personagens com astúcia e carisma.

Fica a dica pra quem quer embarcar em um pouco de literatura nacional buscando uma história divertida que, apesar de sua ambientação comum, se torna uma leitura deliciosa pra qualquer momento. 

Carol Sabar nasceu em 1984, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Formou-se em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Juiz de Fora e trabalha na fábrica de meias da sua família. 
Carol é viciada em literatura desde a infância. Mas tem uma queda maior por "chick-lit", gênero em que se encontrou como escritora.

Web Page Oficial: http://www.carolsabar.com.br/

Twitter: Carol Sabar




Até a próxima, 



Ivy

22 comentarios:

  1. E a primeira vez que me deparo com a resenha desse livro, e gostei bastante da premissa da obra. Além de tratar do início da vida adulta com o ingresso na faculdade, ainda aborda um mistério do qual fiquei curiosa e louca para desvendar apenas ao ler a resenha. E possível notar que não este o ponto central, pois temos romance, intrigas, e todo um fundamento de faculdade. Eu particularmente senti interessada na leitura, por isso irei incluir na lista de desejados.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ivy.
    Acho que li uma ou duas resenhas desse livro e eram positivas. E até me interesso por ele, mas quero mesmo é ler Azar o Seu! da autora, que me parece ser bem mais divertido hehe. Acho que o povo tem mania de ler um gênero esperando outro e por isso o livro não agrada.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  3. A sinopse do livro também me interessa bastante, é um livro que tenho a maior curiosidade de ler. Eu adorei ver a sua resenha, acho que esse livro também pode me agradar muito. Eu não me interesso tanto assim por livros que se passem em universidades, mas tenho feito ótimas leituras com os últimos que eu li e acho que esse pode ser uma ótima leitura também.

    ResponderEliminar
  4. Nunca havia ouvido falar do livro e me deixa chateada que as pessoas falem mal de um livro quando procuravam algo nele diferente do prometido. Me parece uma leitura muito agradável.

    ResponderEliminar
  5. Oi Ivy, eu já tinha lida algumas resenhas bem positivas da obra e gosto de histórias despretensiosas, de leituras rápidas, às vezes é o que mais a gente precisa rsrsrs Gostei da premissa, vou adicionar na lista de leituras!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderEliminar
  6. Eu adoro um mistério, uma investigação, e não importa qual pano de fundo é usado. Já conheço o livro, mas não li ainda.
    Bjs Rose

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pela resenha Ivy! Já li Cabeças de Ferro e curti bastante. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderEliminar
  8. Acho que estamos tão habituados com livros que nos tocam e nos atravessam, que quando a leitura é só leve e nada mais, a gente fica meio infeliz com isso, né? Precisamos ir sem muita expectativa, e ai a leitura flui bem. Não conhecia a obra mas também sou apaixonada pelo contexto universitário.

    ResponderEliminar
  9. Oi, Ivy
    Eu sempre quis ler esse livro, ainda mais porque eu gosto da escrita da Carol, mas ainda não tive oportunidade. Eu amo histórias ambientadas em faculdade porque eu sempre me identifico, o que conta muitos pontos positivos. Espero ler logo!
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderEliminar
  10. Oi, Ivy! Tudo bom?
    Eu conheço o livro de capa, mas nunca tinha parado pra ler a sinopse. Gostei bastante da premissa! Essa coisa de mistério que envolve humor e personagens carismáticos tem tudo pra me ganhar; e se tem personagem debochado JÁ AMO.
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ivy!
    Já faz tempo que eu quero ler algo da autora. Ainda não tinha visto esse livro, mas adorei saber um pouco mais sobre ele. Essas leituras mais leves são ótimas para curar uma ressaca, né? Eu estava até precisando de um desses ultimamente... Vou deixar na lista!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderEliminar
  12. Oi Ivy!
    Eu nunca li nada da autora. Esse livro parece ser legal e despretensioso, mas confesso que tenho mais vontade de ler "Azar o seu". Depois dele, talvez dê uma chance a Cabeças de ferro sim!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderEliminar
  13. Oi Ivy!
    Tenho muita curiosidade em ler os livros da Carol, mas confesso que achei a premissa desse meio louca hahaha. Não sei se minha experiência seria tão boa assim... Mas fico feliz que você tenha curtido e o livro tenha até te surpreendido ☺ Os Delírios Literários de Lex

    ResponderEliminar
  14. Oi Ivy! Eu gostei tanto desse livro, achei a narrativa deliciosa e a história bem descontraída. Estou torcendo para que a Carol traga novos livros em breve. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    Já faz muito tempo que esse livro está na minha lista de leitura, fiquei bem animada a lê-lo depois de Azar o Seu que é da mesma autora, e foi uma leitura bem divertida. Pela sua resenha, percebi que a escrita da Carol continua cativante, engraçada e só de se passar em Minas já me anima ainda mais.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  16. Olá Ivy, apesar de gostar de livros com uma carga dramática maior, eu curto estas leituras mais leves, divertidas e com um mistério que prende a atenção. Achei super original a ideia do nome do livro que remete a CDF e o nome da universidade é hilária. Acho que vou curtir a leitura, não conhecia o livro ou a autora, mas vou procurar.
    Bjos
    Vivi

    ResponderEliminar
  17. Olá, tudo bem Ivy?

    Eu já li algumas resenhas sobre "Cabeças de Ferro" e parece ser uma boa leitura, gosto dessa carga dramática e por passar no meu estado natal me cria ainda mais interesse e curiosidade, sem contar que é da minha conterrânea. Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    ResponderEliminar
  18. Eu também adoro histórias ambientadas em escolas e universidades. faz tempo que não leio nada assim hahaha.. Acho que os últimos que li foram Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara e Shift. Gostei do enredo, dos personagens e do mistério envolvendo os personagens. Apesar de imaginar o final, fiquei com vontade de ler. OUTRO LIVRO QUE VC RESENHA E QUE VAI PRA MINHA LISTA ahuhauhauhauh

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  19. Olá!
    Não conhecia o livro, mas super adorei a premissa. Ele me lembra "Um de nós está mentindo" que também uma base parecido. Irei colocar na lista. Não gostei muito da capa, poderia ter sido melhorada. Adorei a resenha, parabéns.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  20. Olá, amei saber que o livro é ambientado aqui em Minas. Já fiquei super curiosa para saber quem armou essa tentativa de assassinato no trote. Ótima resenha.

    ResponderEliminar
  21. eu achei interessante a ambientação da trama ser em Minas Gerais. Porém, ando desanimada com leituras joviais, mesmo que a premissa pareça ser promissora...
    sobre essa questão de criticas, não me baseio mto nas opiniões dos outros pq posso curtir mto algo que geral não gostou, e vice e versa... enfim... fico contente que a leitura tenha sido proveitosa pra vc...
    abração... ^^

    ResponderEliminar
  22. Olá, tudo bem? Já conhecia o livro por nome, mas confesso que por ele andar na linha do chick-lit quase não me desperta o interesse. Gostei de você falar que ele é leve, bom para se ler em momentos para relaxar. Romances de modo geral quase não fogem do clichê, o relevante é quando são bem escritos. Quem sabe num futuro próximo eu o leia?! Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderEliminar