(Review 245) - O Coração da Esfinge (Deuses do Egito #2)

em 3 de octubre de 2018

Título original: Recreated
Autor: Colleen Houck
Editora: Editora Arqueiro (Brasil) / Delacorte Press (EUA)
Páginas: 368
Gênero: Fantasia Juvenil
Saga: Deuses do Egito (Reawakened)
O despertar do Príncipe (Reawakened) 
O coração da Esfinge (Recreated) 
A coroa da vingança (Reunited)

Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva

O Coração da EsfingeLily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido a sua maior aventura. mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar. Depois que Amon e Lily se separaram de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos - aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia à recorrer a energia vital dela. mais uma vez. Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos. Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar este objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso. Nesta sequência de O Despertar do Príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas. 

Resenha: 


Segundo volume da trilogia Deuses do Egito, esse livro eu queria muito ler e esperei pelo lançamento, pois, quem leu minha resenha sobre O Despertar do Príncipe, sabe o quanto eu amei Lily, Amon e aquela ambientação egipcia cheia de mitos e deuses, aventuras e maldições milenares.
Pensa numa série que começa de forma brilhante e a autora, em sua segunda parte, simplesmente decide mudar os rumos de tudo, criando um romance desconexo, absurdo e intragável, em forma não apenas de triângulo amoroso, mas sim de quarteto amoroso, arruinando tudo que ela havia criado? Yes, Colleen, you did it!
Eu demorei mais de 10 dias pra terminar O coração da Esfinge. Houveram pelo menos 20 momentos em que eu quis abandonar a leitura, pois todos os eventos me pareceram absurdos e patéticos. Colleen Houck achou que estaria surpreendendo o leitor trazendo uma reviravolta romântica de 180 graus à história. O resultado foi uma leitura horrível, daquelas que faz a gente suspirar de enfado e literalmente desejar estapear não apenas a protagonista tola, mas todos os outros coadjuvantes ao seu redor. 

Porque ainda assim dei 2 estrelas ao livro? Porque apesar dos apesares a ambientação continua sendo sublime. E a narrativa da autora, mesmo com os tropeços da trama, continua instigando o leitor. É um misto de amor e ódio que senti durante essa segunda parte.

Lily Young, a protagonista, que se tornou a queridinha do meu coração no primeiro volume, volta aqui praticamente em forma de aberração da natureza. Lily não está confusa, nem perdida, ao meu ver ela está descontrolada mesmo. Vai se lançando nos braços de cada um dos personagens masculinos da história como se não houvesse amanhã, ao mesmo tempo em que é capaz de jurar de pés juntos que faria "tudo" por seu primeiro amor, Amon. Se Colleen pretendia apresentar um caso raro de bipolaridade, conseguiu fazê-lo com maestria
E nem me diga que Lily ao fim das contas teve suas razões. Por mais que a autora tente emendar os errinhos e desvios de Lily, chega um momento em que fica dificil engolir a maioria das atitudes da garota e, todo o respeito que ela havia ganhado no primeiro livro, simplesmente pra mim se esvaiu nessa segunda parte catastrófica para a personagem.
Vi algumas resenhas literalmente descrevendo o comportamento de Lily como o de "um animal no cio". Antes de ler o livro achei que pudesse ser exagero, mas depois de terminar a leitura, só me resta concordar. Foi feio, desleal e bem vulgar a maneira como Lily age. Desncessário Colleen Houck, muito desnecessário.

Outro detalhe que já começa a me cansar até o infinito e mais além é esse clichê da eterna "salvadora do mundo". Lily, nessa segunda parte, adquire praticamente o status de um Messias, e a maneira como tudo ocorre, sempre tentando colocar a personagem no centro de tudo e todas as coisas, ficou cansativa, repetitiva e decepcionante. Eu preferia a Lily da primeira parte, uma garota normal que está apaixonada por um garoto só e age movida pela intensidade de seus sentimentos, e não porque tem super poderes e em suas mãos descansa a salvação de toda a humanidade. 

Me incomodou bastante a maneira como a autora banaliza sentimentos. Lily diz durante vários momentos que ama Amon. Mas a mesma garota é capaz de se lançar nos braços de pelo menos 2 ou 3 personagens diferentes enquanto a história ocorre. E após ter estado com cada um desses personagens, ela torna a repetir que ama Amon! Espera aí. "Amar" alguém é algo muito sério, profundo. Senti que a autora banalizou demais esse sentimento, inspirando seus leitores a pensarem no amor como uma coisa qualquer, que hoje se sente e amanhã não mais. Como uma peça de roupa que a gente quer e depois não quer. Tudo bem, Lily é jovem e a autora quer demonstrar que ela tem vários opções ao seu dispor? Ok. Mas então, não tente convencer o leitor sobre a história de um amor indestrutível e predestinado, pois um amor como esses jamais se abalaria diante do primeiro par de olhos sedutores como acontece com Lily durante 99,9% da trama.
Pior que isso são os outros personagens, ainda mais fracos. Todos são incapazes de resistir ao encanto e fascínio que Lily exala, ela é praticamente a Mata Hari do Egito. Fidelidade entre irmãos? Esqueça, Lily pode ter quantos ela quiser. Deuses resistindo à tentação? Até eles estremecem diante de Lily Young, uma pirralha que nem sabe o que quer!
No final, essa parte romântica que a autora queria forçar o leitor a aceitar me pareceu um circo bem bizarro. Há momentos que são tão absurdos que por mais que eu quisesse me conter, não pude ter outra atitude senão fechar o livro, respirar fundo e deixar a leitura para outro momento, pois era dificil digerir tudo de uma vez. 

E oque dizer sobre os deuses do Egito que, nessa segunda parte, estarão mais presentes? Melhor seria que tivessem permanecido ocultos como na primeira parte! Colleen nos apresenta os notórios ícones do Egito Antigo como personagens impotentes, falíveis, confusos e até mesmo infantis. Percebi que a autora tentou humanizar essas famosas figuras, num esforço talvez de tornar a história leve, mas outra vez ela acabou pesando a mão. 

Eu até quero ler a terceira e última parte dessa trilogia. Primeiro para ver como a autora resolverá a confusão que ela criou até aqui. E segundo porque adoro o personagem de Amon e quero conhecer o desfecho que Houck dará à ele. Porém, com certeza, na próxima vez irei com bem menos expectativas.

Em síntese, O coração da Esfinge foi pra mim uma leitura que fez uma série promissora decair completamente, em todos os sentidos. Confuso, contraditório e por certos momentos absurdo, foi uma continuação difícil de ler, tudo por causa da parte romântica onde ocorre uma reviravolta que faz o leitor desejar nunca ter aberto o livro. Enfim meus queridos, se quiserem ler procurem se focar na ambientação, em Amon e nas muitas intrigas e lendas da história, e tentem não se focar em Lily. Quem sabe assim a leitura resulte mais satisfatória do que foi pra mim. Boa sorte à todos.

" Há uma beleza no inesperado. E quanto mais eu sou parte de tudo isso, mais eu fico ansiando em ser "

Colleen Houck é antes de tudo uma leitora. Ela adora ação, aventura, ficção científica e romance, e seus livros favoritos incluem um pouco de cada um. Depois de obter um grau de associado da faculdade de Rick e transferir para a Universidade do Arizona, ela abandonou a escola para ir para a missão da igreja onde ela conheceu o marido. Colleen tem vivido no Arizona, Idaho, Utah, Califórnia e Carolina do Norte e agora está definitivamente resolvida em Salem, Oregon, com seu marido e seu gigante tigre branco de pelúcia.

Web Page Oficial: http://colleenhouck.com/

Twitter: Colleen Houck



Nos lemos,

Alice

12 comentarios:

  1. Oi Alice!
    Voce basicamente descreveu minha experiencia com o livro dos tigres, dessa autora kkkk. Eu sinceramente nao tive saco pra aturar a protagonista. Levei um volume e larguei la mesmo. Essa dai eu nem me animei, porque eu sabia que a formula ia ser parecida. Gente insistir em triangulo amoroso mal feito, nao da. Eu nao consigo levar. Esse lance de amor perfeito e pra sempre nao me desce. Com certeza nao e uma leitura que farei, mesmo que a ambientacao seja muito boa. Inclusive o fato de trazer mais da cultura e o que eu salvo do tigre, somente.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Oii Alice.
    Da Houck eu li A Saga do Tigre que não é exatamente ruim, contudo, não é boa também. E pelo visto a autora cai nos mesmos preceitos ao escrever esse livro entregando algo absurdo e totalmente fora do tigre. Eu não sei se leria esse livro (leia-se eu tenho certeza), e fico muito feliz em desalimentar minhas esperanças que poderia melhorar.
    Amei o post.
    Beijos.
    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderEliminar
  3. Olá, Alice.
    Eu tenho o primeiro livro aqui na estante, mas estou achando que não vou ler ele. Sua opinião é bem parecida com muitas que li desse segundo livro, o que me desanima para comprar os outros livros da série. Eu acho que tem muitos autores de forma geral banalizando o amor. O que era para ser algo bonito e sincero acaba virando titulo para pegação.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  4. Oi, Alice!
    Eu só li da autora A Maldição do Tigre e curti, mas não o suficiente para ler o restante da série e nem outros livros da autora.
    Eu não tenho problemas com personagens se envolver com várias pessoas, mas vamos ser coerentes. Se tu realmente ama alguém, tu não vai sair de jogando nos braços de todo mundo por aí né... Eu não sou a pessoa mais romântica do mundo, mas entendi sua revolta.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  5. Oi Alice, tudo bem?
    Menina, chocada com a informação de que a protagonista vai pulando de galho em galho.
    Que chato quando o autor mistura coisa demais e perde a consistência, né? Mas foi bom saber, uma série a evitar!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
  6. Oi Alice,

    Eu li a Maldição do Tigre, gostei muito do primeiro, mas já o restante foram uma negação...
    Quando li o primeiro livro dessa trilogia, nem fui com muita expectativa, mas confesso que adorei a história ( assim como na série do tigre) porem, 70% das resenhas que vi foram todas negativas, teve gente falando que a autora se perdeu totalmente nesse livro e que passaram muita raiva com a personagem.
    Se teve uma coisa que me fez desgostar dos livros dela foi esse triangulo amoroso horrendo que ela faz, que não trás nada de útil para a história. E pelo visto ela resolveu fazer pior com essa série.
    Fico com o primeiro livro e para mim a história se encerra ali.
    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderEliminar
  7. Olá, tudo bem? Caramba, é realmente uma pena que a série tenha se tornado péssima com este livro, é muito ruim quando isso acontece. A série me parecia ser muito boa. Adorei tua resenha sincera!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderEliminar
  8. Olá, que pena que esse segundo volume foi tão decepcionante para você, mas que bom que pelo menos a ambientação continua sendo interessante, ficarei na torcida para que o terceiro volume seja uma leitura mais agradável.

    ResponderEliminar
  9. Olá,
    Essa autora não me desperta o meu interesse não sei o motivo, mais não tenho vontade de começar a ler vou passar a dica tanto do livro quanto da autora

    ResponderEliminar
  10. Oi Alice, como você está?
    Vc teve a mesma opinião que a minha amiga. Dei este livro de presente, mas ainda não li o primeiro. Ela estava bem ansiosa, mas se decepcionou com a história. Apesar de não estar por dentro, deu pra sentir o que de fato incomodou vcs. É tão ruim quando isso acontece =/

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  11. Esta série eu não comecei a ler ainda, apesar de ter interesse. Fora que acho as capas lindas. Uma pena que para você a série tenha caído.
    Bjs, Rose

    ResponderEliminar
  12. Oi, tudo bem?
    Que pena que este livro te decepcionou. Acho péssimo quando o primeiro livro é bom e a continuação deixa a desejar. Pelo visto, a autora errou a mão mesmo.
    Eu confesso que nunca tive muito interesse em ler essa série, por não ser uma ambientação que desperte muito minha curiosidade. Saber que a autora errou tanto, especialmente nessa bagunça que fez na parte romântica, me desanima totalmente.
    No entanto, adorei ler sua resenha e espero que o terceiro volume seja uma leitura melhor.
    Beijos!

    ResponderEliminar