(Review 265) - O lado mais sombrio (Splintered, #1)

em 20 de febrero de 2019

Título original: Splintered
Autor: A. G. Howard
Editora: Novo Conceito (Brasil) / Amulet Books (USA) / SM (Espanha)
Páginas: 368
Ano de Publicação: 2013 (EUA) / 2014 (Brasil)
Gênero: Retelling Juvenil / Fantasia
Saga: Splintered
1. O lado mais sombrio (Splintered) 
1.5 A mariposa no espelho (The moth in the mirror)
2. Atrás do espelho (Unhinged)
3. Qualquer outro lugar (Ensnared)
3.5 Sussurros no país das maravilhas (Untamed)
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob 


Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e dos animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da sua família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico "Alice no país das maravilhas". Mas, talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer. Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real - o superprotetor Jeb -, mas assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas. Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa...


Minha opinião:

O lado mais sombrio é a primeira parte de uma trilogia que promete trazer ao leitor uma versão mais gótica e mais sombria do País das Maravilhas e da própria história de Alice, tudo contado através das aventuras vividas por sua descendente, Alyssa Garner.

Quando Alyssa descobre que sua mania de escutar vozes dos insetos e das plantas pode ser na verdade algo ligado às criaturas desse reino mágico, no início ela reluta, mesmo após as visitas de um ser misterioso e atraente que, em forma de mariposa, insiste em contatá-la. Porém, aos poucos ela se dá conta de que aceitar a loucura de que o País das Maravilhas na verdade é real pode ser a única chance de salvar sua mãe, Alison, de passar o resto da vida em um manicômio, um destino que parece perseguir todas as gerações de mulheres da família, desde Alice. Com a ajuda da mariposa Alyssa consegue entrar pela toca do coelho, da mesma maneira que um dia sua ancestral o fez. E à partir de ali ela é tragada ao misterioso País das Maravilhas, um reino que logo ela descobre ser muito diferente da história doce de Lewis Carroll e bem mais perigoso do que ela poderia imaginar. O problema é que seu melhor amigo e paixão secreta desde sempre, Jeb, também acabou entrando no reino junto com Alyssa, e agora ela terá que lutar não apenas para sobreviver e quebrar a ancestral maldição que acompanha as mulheres de sua família, mas também proteger Jeb, um mortal que não foi convidado para ser parte de um reino mágico onde, até os mínimos detalhes, contam. 

O lado mais sombrio tinha tudo pra ser a leitura do mês. Eu adoro a história de Alice, é um dos meus clássicos favoritos. E essa ambientação mais sombria que a trama prometia me atraía e me deixava imensamente curiosa. Infelizmente, apesar da ambientação assombrosa que a trama realmente apresenta, houveram certos empecilhos que deixaram a leitura cansativa e muito chata. 

Como pontos positivos tenho que destacar a originalidade da autora. A. G. Howard não apresenta apenas um País das Maravilhas bizarro, mas ela também muda bastante a trama, consegue inserir diversos mistérios e conflitos que deixam o leitor entusiasmado para descobrir o que virá. Tudo é muito inesperado e, quando pensamos ter descoberto todas as jogadas de mestre de Morfeo, a autora muda tudo de novo, lançando uma reviravolta que mexe com o destino de todos os personagens, tornando todas as certezas em fatos incertos outra vez. Eu adorei toda essa loucura que a autora conseguiu transpor em seus personagens. O gato, o chapeleiro, as flores falantes, o rei de copas, o coelho branco, a Rainha, todos esses personagens clássicos são renovados aqui, recebem uma nova versão sem perder os contornos do clássico que os fez famosos. Eles mantém as características do livro de Alice no país das maravilhas, mas ao mesmo tempo aqui parecem ser ainda mais excêntricos e malucos, de uma maneira que entusiasma mas também nos deixa cheios de temor ao pensar no que eles são capazes de fazer, neste relato bem mais mórbido do clássico de Alice.

A ambientação como já disse é majestosa, uma ambientação realmente de luxo, rica em detalhes que fazem o leitor se sentir imerso naquele lugar maluco e imprevisível. Eu gostei porque a autora não exagera nos detalhes, mas ao mesmo tempo consegue fornecer o suficiente ao leitor para que possamos visualizar tudo aquilo. 

A narrativa também é boa. Embora as primeiras 200 páginas tenham sido de altos e baixos para mim, nas últimas 100 páginas a autora alcança um ritmo que conseguiu me prender e até mesmo de certa forma me conquistar em detalhes que, antes, não haviam me chamado a atenção.

Os personagens, no geral, são ótimos, à exceção da protagonista Alyssa e de seu pseudo namorado Jeb. 
Eu amei os secundários, porque eles trazem intriga e magia à trama, são excêntricos e cativantes, e parecem sempre ter mais de uma carta na manga para surpreender o leitor. 

Morfeu, um dos três protagonistas da história foi meu favorito. Ele é astuto, pretensioso e simplesmente brilhante em suas jogadas. é o tipo de personagem que não passa indiferente pois exala um magnetismo e um carisma que nos convida à amá-lo mesmo quando sabemos que suas intenções são bem suspeitas na maioria das vezes. Morfeu foi a razão do porquê não abandonei essa leitura. Esse personagem, cada vez que aparecia, dava um fôlego renovado à história, e por causa das constantes surpresas e reviravoltas relacionadas à ele, eu acabei me apegando à trama e querendo saber o que aconteceria. 

Infelizmente não dá pra dizer o mesmo dos outros dois protagonistas, Jeb e Alyssa. 
Jeb é um sujeito tonto e sem sentido, com zero carisma, é o tipo de personagem que gosta de bancar o herói, na maioria das vezes menosprezando a inteligência de Alyssa, a garota que aparenta amar. É aquele tipo de amor onde o sujeito se sente no poder de tomar todas as decisões, porque não considera a outra parte capaz o suficiente. Então teremos em grande parte da história Jeb agindo como um sabe-tudo e como um machão disposto a sair nos pontapés com qualquer um que represente uma ameaça em seu domínio sobre Alyssa. 

Alyssa é outra decepção. Frágil, insegura e dependente de Jeb, ela não sabe pensar ou agir por si mesma. Durante 80% da leitura, Alyssa simplesmente atua como a típica donzela em apuros, esperando pelo cavalheiro que virá resgatá-la. Ela é volúvel, fraca, apática e se deixa influenciar por qualquer um. E o que mais me molestou foi sua submissão à Jeb, permitindo que ele tomasse as rédeas de várias situações onde ficava claro que ela deveria atuar. 

Eu não sei o que  autora quis demonstrar com a relação de Alyssa e Jeb, talvez era pra parecer doce o eterno herói sempre em resgate da mocinha, mas pra mim apenas soava como uma relação tóxica onde uma das partes simplesmente exerce poder e domínio total sob a outra parte. Jeb na sinopse é descrito como super protetor. Acho que isso é pouco, pois Jeb está além de super protetor, sendo simplesmente um tipo pedante, arrogante.

O protagonismo forçado de Jeb tornaram a história muito ruim pra mim e, ao final, apesar dos pontos positivos, a leitura foi "ladeira abaixo" durante toda a primeira metade. 
Como disse, lá pelas últimas 100 páginas há reviravoltas que me fizeram gostar um pouco mais do que estava lendo, mas mesmo assim, o estrago já estava feito e, ao encerrar o livro (aliás, agradeço que a autora nos trouxe um final bem fechadinho) o único sentimento que senti foi de alívio por haver finalmente encerrado a história.

Vou continuar lendo os outros livros? Com certeza não! Acho que há outras leituras que me agradarão muito mais do que insistir em uma história que, aparentemente, não mudará em quando às atitudes de seus personagens.

Concluindo...

Essa é uma opinião pessoal minha, por isso, se a história te chama a atenção e está na tua listinha, não deixe de dar uma oportunidade. Pode ser que o que não funcionou pra mim, funcione para outros muitos leitores porque, aliás, esse é um livro com valoração razoavelmente boa no Goodreads e no Skoob. Portanto, meu conselho é: não crie expectativas demais, vá com calma e desfrute desse mundo mágico criado pela autora, pois há pontos positivos bem surpreendentes que, ao fim das contas, podem conquistar um leitor.



"Logo atrás o relógio do Coelho Branco faz tique-taque cada vez mais alto, mais do que os passos da marcha de mil soldados de cartas do baralho".

Anita Grace Howard escreveu seu primeiro livro, O Lado mais sombrio, enquanto trabalhava em uma biblioteca escolar. A autora espera que seu intrigante e psicodélico tributo à Lewis Carroll inspire os leitores a se interessarem pelas histórias que ela aprendeu a amar na infância.
A. G. Howard vive atualmente em Amarillo, Texas.

Web Page Oficial: http://www.aghoward.com/

Twitter: A. G. Howard








Nos lemos, 

Alice

18 comentarios:

  1. Olá, Alice.
    Eu comprei esse livro por causa da capa e acabei gostando bastante da história. E diferente de você não engoli o Morfeu hehe. E se você gostou dele acho que você deveria ler o segundo porque a história puxa mais para o lado dele no segundo livro. Mas enfim, cada um tem um gosto hehe.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  2. Oi, Alice

    Eu também não engoli a Alyssa, como protagonista ela é sofrível e foi difícil acompanhá-la. Ao contrário de você, amei o Jeb e detestei o Morfeu, para mim ele foi um personagem extremamente mal executado e exagerado. Ok, tudo relacionado àquele lugar era exagerado, mas ele é pedante. Eu tenho os outros dois livros aqui, mas não sei se lerei. Já tem uns três anos que li esse primeiro e nunca mais peguei nos outros. Rsss

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar
  3. Olá, Alice.
    Então estou com medo de pedir esse livro, porque vi que no skoob algumas pessias também acharam o livro cansativo. Mas realmente a proposta da autora é boa.

    Acho que um dia vou dar uma chance. Sua opinião me ajudou muito.

    www.depoisdaleitura.com.br

    ResponderEliminar
  4. Sinceramente sempre li muitos elogios sobre a obra, mas sempre soube que não funcionaria para mim. Primeiro que não gosto de fantasia, as poucas que me interessam se tratam de distopias. Outro ponto e que a trama em alguns momentos se tornou uma leitura cansativa, e lenta, como você mesma mencionou. Por isso com certeza antes das 200 páginas com certeza já teria largado a leitura. Enfim, talvez futuramente mudo de ideia e resolvo dar uma chance a leitura. Mas por enquanto não tive interesse.

    ResponderEliminar
  5. Olá, tudo bem? Eu já vi falarem super bem dessa triologia e, realmente, pela premissa parece ser uma obra fascinante. É uma pena que tu não tenha gostado da obra, ainda assim talvez eu dê uma chance, se tiver a oportunidade. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderEliminar
  6. Olá,
    Eu torcia pela Alyssa, eu queria que tudo fosse bem, porque independente de qualquer coisa o que ela fez foi por amor, amor pela sua mãe, seu pai e por sua família. Eu respeito esse tipo de sacrifício. É uma aventura de tirar o fôlego, e um romance inesquecível.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderEliminar
  7. Olá

    Fiquei ansiosa para saber quais eram os pontos negativos lendo sua resenha, porque quero ler a série e quando fui lendo que a personagem principal - que corresponde a Alice - é fraca, submissa e dependente...algo que não parece em nada com a personagem original e nem com a versão dark de Tim Burton.

    Depois de sua opinião fiquei temerosa em ler essa série.

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Tenho esse livro na minha estante desde o lançamento, sempre tive juma certa curiosidade, mas nunca li. E eu sou apaixonada por fantasia, é meu gênero favorito. Acho que esta na hora de tirar a poeira e dar uma chance a ele hahaha

    Post maravilhoso

    bjsss

    ResponderEliminar
  9. Oi, tudo bem? Eu já li esse livro há muito tempo, mais de cinco anos, eu acho, e achei exatamente o que você escreveu. A protagonista parece uma barata tonta, enquanto o Jeb tá sempre como o herói, odiei demais essa relação, então não consegui gostar do livro. Acabei nem comprando a coleção pra continuar, hehe. Eu não sou fã da Alice, nem nada assim, mas quis conferir por causa da releitura. Adorei saber sua opinião :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. Oi
    pena que a leitura não foi boa para você, acontece isso, pelo menos teve alguns pontos positivos a respeito da leitura, já vi resenhas megas positivas dele.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Queria tanto conhecer essa saga, a tempos ela está na minha lista de desejos. Gosto da ideia da ambientação sombria que a história ganhou, então é uma pena ter se cansado com a leitura, mas que bom que a narrativa é boa e os detalhes são luxuosos. Ainda que os protagonistas não sejam dos melhores essa é uma história que quero conferir.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  12. Realmente essa saga apresenta uma proposta muito interessante e até mesmo um outro lado para o leitor, mas infelizmente parece não funcionar tão bem assim, né? O que é uma pena, essas capas sao lindas demais.

    ResponderEliminar
  13. Oi Alice, tudo bom?

    Comecei a ler sua resenha JURANDO que já tinha lido esse livro e terminei na dúvida se sim ou não kkkk Essa minha mania de só ler e nunca organizar minha booklist aff.

    Mocinhas mosca morta ODEEEEIO de mais, pelo amor de Deus, quer me perder é escrever alguém assim. Então entendo totalmente você não ter se encantado pelo livro.

    --
    Tiffannyk
    #thereviewbooks | @thereviewbooks
    http://thereviewbooks.com.br

    ResponderEliminar
  14. Oi, Alice. Ain, eu morro de vontade de ler esse livro, mas preciso levar em consideração a sua opinião sobre ele. Pretendo ler, mas agora não tão cheia de expectativas quanto eu estava. Me parece ser um livro que eu vá curtir apesar de alguns pontos e espero de verdade não achar cansativo.

    ResponderEliminar
  15. Oi, tudo bem?
    Vou seguir o seu conselho e não vou criar muitas expectativas com relação ao livro, tenho ele na estante e confesso que sempre me senti curiosa, pois assim como você amo o universo de Alice, que pena os protagonistas não funcionarem para você, e espero sinceramente não me decepcionar com a leitura.

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderEliminar
  16. Olá, tudo bem? Eu sempre tive curiosidade em ler essa série, mas como sempre vejo as opiniões divididas, ainda não tenho certeza se quero mesmo ler. A sua foi bem explicada nas questões que curtiu e não curtiu, me dando uma melhor visão sobre o enrendo. Tenho que pensar mais um pouco se arrisco ou não. Adorei suas palavras <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  17. Nossa, tenho muita vontade de ler essa série, acho as capas tão lindas *-*

    Beijos.

    http://palavrasdavanessa.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  18. Olá!
    Quando esse livro saiu eu fiquei mega empolgada com a leitura, mas depois de ler algumas críticas, fui desanimando e até hoje não peguei para ler. Que pena que a leitura não te prendeu, não foi superou as expectativas, e isso me deixa muito em dúvida se lerei rs' é sempre bom ler resenhas bem construídas, adorei!

    beijos!

    ResponderEliminar