(Review 268) - Prisoner of Night and Fog (Prisoner of night and fog #1)

em 15 de marzo de 2019

Título original: Prisoner of night and fog
Autor: Anne Blankman
Editora: Balzer  + Bray (USA) 
Ano de Publicação: 2014 (EUA)
Gênero: Romance Histórico / Suspense
Saga: Prisoner of Night and Fog
1. Prisoner of night and fog 
2. Conspiracy of Blood and Smoke
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob


Na cidade de Munich dos anos 30, o perigo se esconde por trás dos becos escuros e os segredos parecem estar profundamente enterrados dentro da cidade. Mas Gretchen Muller, que cresceu como uma garota privilegiada dentro do Partido Nacional Socialista, conseguiu ser resguardada de todo o lado podre dessa sociedade, desde que seu pai a deixou sob a guarda e tutela de seu "Tio Dolf" e Gretchen se tornou uma de suas protegidas, sua mascote. Tio Dolf é ninguém menos que Adolf Hitler. E Gretchen segue à risca cada uma de suas ordens. Até o dia em que um charmoso repórter judeu chamado Daniel Cohen cruza seu caminho. Gretchen sabe que deveria desprezar Daniel, mas não consegue conter a curiosidade e acaba escutando a verdadeira história sobre como seu pai, um venerado mártir nazista, foi na verdade assassinado por algum companheiro desconhecido de dentro do próprio partido. Além disso, Gretchen não consegue evitar a atração que sente por Daniel, apesar de todas as coisas que a ensinaram contra os judeus. À medida que Gretchen descobre mais verdades sobre as pessoas que um dia considerou seus amigos, ela terá que decidir onde depositar sua lealdade. Será que ela irá preferir a segurança e o conforto de sua vida como a "garota propaganda do regime nazista" ou se atreverá a desenterrar a verdade mesmo que isso signifique matar a ela e a Daniel? Da autora Anne Blakman chega esta angustiante e comovente história sobre uma garota comum tendo que enfrentar a extraordinária decisão de renunciar à tudo que acredita e escutar seu próprio coração. 


Minha opinião:

Prisoner of night and fog foi um livro que me chamou a atenção de cara por sua protagonista: Gretchen Muller, uma jovem garota alemã considerada "símbolo da juventude nazista" cujo tutor é ninguém menos que o próprio Adolf Hitler, aqui na história chamado de "Tio Dolf". 
Essa bilogia fascinante nos conta a história de uma garota que representou por anos o ideal da raça ariana exaltada por Hitler e, ao se apaixonar pelo repórter judeu Daniel Cohen, terá que renunciar à todos os ideais que acreditava e ao próprio tio, a pessoa em quem mais confiou e o homem que praticamente idolatrou durante toda a vida. A história se inicia após Gretchen descobrir que seu pai, Klaus Muller, um suposto mártir nazista foi, na verdade, assassinado covardemente por um colega de partido e não defendendo Hitler bravamente como Gretchen acreditava. Juntos, Gretchen e Daniel decidem investigar os eventos que causaram a morte de Klaus, e no meio disso descobrem segredos do partido Nazista e do próprio Hitler que poderão abalar todas as certezas que Gretchen sempre manteve como verdades absolutas.

Obviamente, essa história possui grande parte de ficção. Os próprios personagens de Gretchen e Daniel na realidade nunca existiram, porém, o mais bacana é que junto com esses personagens fictícios, nos toparemos também com personagens reais, que fizeram parte desse período conturbado, entre eles o próprio Hitler, Eva Braun (que se tornaria sua esposa), Angela "Geli" Raubal, a verdadeira sobrinha de Hitler que foi inclusive considerada como "o amor de sua vida", e famosos oficiais nazistas considerados homens de confiança do entorno daquele que se denominava "Fuhrer" da Alemanha, pregando uma imagem de um homem que salvaria o país da vergonha e da miséria após a derrota na Primeira Guerra Mundial. 

Prisoner of night and fog mais do que uma história de amor, se mostrou um retrato preciso, consistente e angustiante do período dos anos 30, quando o Partido Nacional Socialista (Nazista) começa a emergir e a figura de Hitler vai ganhando destaque, se alçando como possível futuro chanceller da Alemanha. 
Através da escrita deliciosa de Anne Blankman o leitor poderá conhecer fatos verdadeiros que ocorreram neste período, os motivos da rápida ascensão de Hitler ao poder e um perfil bastante realista da personalidade de um dos homens mais cruéis da história. O que diferencia este livro de outros é que Hitler aqui, o "Tio Dolf" é um personagem constante, e não alguém longinquo, distante, apenas mencionado, e muitos dos eventos que ocorrem na trama envolvem ele diretamente. O leitor tem a chance de conhecer um Hitler que era extremamente carismático, que soube como ninguém influenciar multidões, manipulador, e até mesmo paranóico e emocionalmente instável, mas também o "Tio Dolf" em seu lado mais íntimo, ao redor da família e amigos, um homem que costumava chamar sua sobrinha Gretchen de "meu raio de sol" e gostava de música e artes, nadar no lago e se isolar em sua cafeteria preferida. Essa humanização da figura de Hitler trouxe uma perspectiva única, pouco vista, e oferece à trama um toque corajoso e original. 
Foi mega interessante conhecer esse lado mais pessoal do ditador, que foi totalmente baseado no perfil real dele, conforme a autora em sua "Nota da autora" ao final do livro deixa claro (aliás leiam a Nota da autora ao final do livro, é esclarecedor em muitos sentidos).
Além do próprio Hitler, há a presença de Geli Raubal, sua verdadeira sobrinha que após um romance polêmico com o ditador veio a se suicidar, aos 23 anos, em misteriosas circunstâncias em 1931 e Eva Braun, a melhor amiga da protagonista da história, que aqui é retratada como a adolescente ambiciosa e vaidosa que não tem a menor noção de politica, mas está encantada pelo carismático e experiente Adolf Hitler dos anos 30. Aliás, é muito complicado falar de Eva Braun porque através desse livro o leitor conhece uma garota sonhadora, que queria ser livre e independente como "Marlene Dietrich" e que gostava de ler revistas e seguir a moda. Quando lembramos de seu triste final ao lado de Hitler, sentimos uma emoção dividida, até mesmo uma espécie de lástima por ela, pois ao final de tudo, a gente constata que algumas pessoas ali, como Eva, Geli e outras mulheres em sua maioria, simplesmente se deixaram levar, iludidas por promessas vazias de um ditador extremamente astuto, inteligente e convincente. 

Aliás, em cada página e em cada capítulo é possivel ao leitor notar e constatar o profundo e impecável trabalho de pesquisa histórica desenvolvido pela autora. A cidade de Munich é descrita com perfeição e por diversos momentos a gente se sente tragado para aquela atmosfera de incerteza, inquietação e dúvidas do pós Primeira Guerra da Alemanha, onde o país começa a se dividir entre os ideais nazistas e o comunismo inspirado pela União Soviética. É um ambiente que parece nos prender, o leitor literalmente visualiza cada lugar tão brilhantemente descrito pela autora.

Não posso nem pensar em terminar essa resenha sem falar de seus personagens. O casal protagonista, Gretchen Muller e Daniel Cohen são maravilhosos. Eles realmente possuem uma química que nos faz desejar vê-los juntos pra sempre e torcer por eles até o final, e o romance se desenvolve de maneira realista, coerente, retratando bem os pensamentos e conflitos da "garota nazista" e do "judeu idealista" que derrubam aos poucos as barreiras de suas próprias crenças. 
Os outros personagens da trama são igualmente magnéticos e fascinantes, afinal, os outros todos são pessoas que existiram, que possuem uma verdadeira história e foi simplesmente brilhante como Anne Blankman conseguiu combinar a ficção criada por ela com a realidade dos fatos, permitindo que tudo se encaixasse de maneira certeira, sem gerar nenhuma incoerência. Desnecessário ressaltar que entre os personagens que mais se destacam está a figura de Hitler, que é retratado com um toque de veracidade tão grande que passamos a entender não apenas PORQUE Hitler foi eleito chanceller, mas COMO isso aconteceu: o sujeito era carismático e sabia usar as palavras à seu favor, enquanto buscava conquistar o povo, Hitler se apresentava como um homem racional e firme, jamais uma ameaça, e isso, somada à uma Alemanha em crise, buscando por um líder magnético, foi o espaço que Tio Dolf usou para vencer as eleições, com maioria esmagadora.

Os costumes da sociedade alemã da época, seus anseios e lutas são fielmente retratados e a trama em si se desenvolve em um ritmo tão gostoso que as páginas se passam sem que o leitor possa se dar conta. É aquele tipo de livro que a gente lê em uma sentada e que após terminar ainda permanecemos recordando, tentando digerir toda a riqueza de detalhes oferecida por essa história maravilhosamente envolvente.

Concluindo...

Não dá pra concluir em poucas linhas tudo o que senti lendo Prisoner of night and fog. É aquele tipo de livro que parece tornar o leitor parte da história, somos testemunhas e ouvintes, participantes de uma história que deixa marca, que faz sofrer e faz sorrir. Eu normalmente não me interesso muito por romances históricos porém, esse livro é tão absolutamente formidável que só posso aplaudir o talento da autora ao contar-nos uma história tão rica. Espero que alguma editora ainda traga essa bilogia ao Brasil, pois é uma obra que possui de tudo um pouco: fatos históricos verdadeiros, personagens intensos, suspense, romance e uma bela narrativa dinâmica que certamente irá conquistar muita gente.

"As lágrimas apertavam sua garganta. Ninguém foi capaz de salvar seu pai, mas ela podia ajudar a salvar outras pessoas, algum dia. Ninguém parecia entender suas ambições, apenas o Tio Dolf. Ele sim lutava com sua vida, assim como ela, sempre buscando algo maior, algo significativo."


"Lentamente ela voltou a colocar o telefone no gancho. Conseguia enxergar a verdade agora. O homem que ela mais amava, como um segundo pai, era também uma fraude. Ele beijava as palmas das mãos dela ao mesmo tempo em que incitava as pessoas a iniciarem uma guerra; bagunçava o cabelo dela e depois encorajava as pessoas a irem para a morte; o tio que havia brincado com ela, lutando com soldadinhos de brinquedo ao lado dela, enquanto ao mesmo tempo podia ser capaz de planejar a extinção de uma raça inteira".


Anne Blankman sempre se sentiu predestinada a se tornar escritora. Seus pais a batizaram de Anne justamente em homenagem à personagem Anne de "Anne of Green Gables". Anne crescceu em Nova York. Quando não está escrevendo, está geralmente lendo, brincando com sua filha, praticando corrida e caminhada com seu marido, trabalhando como bibliotecária ou tentando costurar (algo que ela ainda faz bastante mal). Se formou em Inglês e História no Union College, o que acabou sendo muito útil já que Anne escreve justamente romances históricos. 

Web Page Oficial: http://www.anneblankman.com/

Twitter: Anne Blankman


19 comentarios:

  1. Oi Alice,
    Acho bem bacana abordagens que cruzam a ficção com um tom real.
    Esse parece ter um tom polêmico. Espero conhecer algum dia.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderEliminar
  2. Tudo bem?
    Você conseguiu me prender completamente a resenha e me deixou bem curiosa.
    Adoro quando a realidade é a ficção ficam por uma linha bem tênue. Sempre desperta mais curiosidade.
    Espero poder realizar essa leitura.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Uau, que livro interessante Alice! Eu evito ao máximo qualquer coisa sobre o período da Segunda Guerra porque eu me sinto muito mal lendo algo do tipo, o emocional fica bastante abalado. Acho que não teria coragem de encarar essa obra apesar da grande maioria ser ficção. Espero que o segundo seja tão bom quanto.
    Beijo!
    http://www.capitulotreze.com.br

    ResponderEliminar
  4. Alice, achei a sinopse agoniante... eu tenho muita dificuldade em ler sobre nazismo, sobre guerra e temas mais pesados e reais. Imagino que desespero que não é sentir esse tipo de sentimento em meio a personalidades tão antagonistas. Nossa! Deve ser um livro e tanto, mas que confesso, não sei se eu daria conto!
    Adorei seu post. Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Cara, eu não sou muito chegada em romance histórico, mas adorei essa dica!! Meu deus, vamos fazer um pedido pras editoras trazerem esse livro pro Brasil para que eu possa ler!
    Deve ser uma baita leitura, teve uma vez que li um romance histórico sobre a época de Stalin, eu quase morri de chorar e fiquei até meio perturbada depois que acabei a leitura. Adorei essa dica, vou ficar de olho pra ver se alguma editora traz ele pra cá!!

    ResponderEliminar
  6. Oi Alice!
    Eu adorei a capa desse livro! E a proposta é bem interessante, sou gamada em leituras que se passam na II GM, ainda mais que nesse tem romance tbm, rs
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. OI Alice! Eu não conhecia o livro, mas achei que tem uma história bem forte, de conflitos, sacrifícios e dor. Achei a premissa muito interessante. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  8. Oi, Alice! Tudo bom?
    Como estudante de História e leitora eu sou duplamente interessada nesse livro. Tá na minha lista de desejados faz um tempo, só me falta uma promoção pra conseguir adquirir D:
    Parece impactante do início ao fim, realmente. Sua resenha só me deixou mais curiosa!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderEliminar
  9. Oiie.
    Adorei a resenha. Não conhecia essa obra, mas achei bem impactante. Sou apaixonada por livros assim, que sejam históricos com uma pegada mais densa.
    Adorei.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderEliminar
  10. Oi, tudo bem? Nossa, eu adoro qualquer narrativa que fale sobre a segunda guerra mundial e afins, esse tema sempre me atraiu bastante. Até hoje nunca li nada que fale sobre o Hitler e adoraria começar por este. Fiquei curiosa para saber como a ficção e a realidade se misturaram, acho que a autora teve mesmo bastante coragem em escrever sobre algo tão ainda recente na memória da sociedade e tão horrível. Obrigada pela dica :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Dificilmente me interesso por romances históricos. Mas admito que me atrai por conta do pano de fundo. Gosto dessa mistura de ficção e realidade, sem falar que sempre me interesso em pesquisar mais a respeito.
    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  12. Adorei seu esse seu artigo, realmente é um dos melhores blog que estou visitando. Suas postagens são excelente! Parabéns!

    Já até salvei em meus favoritos. ❤️ ..

    Meu Blog: Loterias Estaduais

    ResponderEliminar
  13. Oi, Alice!
    Gosto muito de histórias que se passam na Segunda Guerra. Bom, esse se passa um pouco antes mas quero ler assim mesmo. Só não curti muito essa capa, mas tudo bem...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  14. Olá, Alice.
    Eu gosto muito de livros que misturam ficção com realidade e também de livros que se passam durante a Segunda Guerra, por isso me interessei muito por esse livro. Mas pelo que vi não foi lançado por aqui, é uma pena.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  15. Boa noite Alice,

    Gostei demais da premissa desse livro e a sua resenha me deixou muito curioso, gosto do gênero.....bjs.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. Não conhecia o livro, mas simplesmente amei a premissa inovadora dele. Adoro essa junção de fator reais com ficção e saber que o trabalho de pesquisa histórica é profundo me anima. um livro formidável que faço questão de ler.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  17. Oi Alice!
    Confesso que apesar da resenha super positiva, o livro em si não chama minha atenção. Talvez a pegada historica não me prendesse tanto. E o fator do romance tambem me desanima.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  18. Oi, Alice!

    Que resenha maravilhosa essa sua! Bem completa e descritiva, me convenceu de primeira a conferir a obra haha. Eu tenho grande interesse em histórias que se passam na segunda guerra mundial/época nazista, e mesmo que essa em questão seja fictícia, só pela autora ter se baseado em fatos verídicos já vale bastante. Além disso, acho sensacional quando os autores realmente se dedicam em pesquisar sobre fatos históricos, a cidade ou a época onde a história é retratada. Isso torna a experiência mais crível e também criamos uma admiração maior pelo esforço do autor. Aliás, a premissa me lembrou um pouco do filme chamado Amor em tempos de ódio. Recomendo muito!!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  19. Olá, que bom saber da existência dessa obra, é legal a autora ter feito bem o trabalho de pesquisa sobre a época para tornar essa ficção mais real. Não sabia disso sobre a garota que havia se matado. Fiquei curiosa para fazer essa leitura também.

    ResponderEliminar