(Review 282) - O Chamado do Cuco (Cormoran Strike #1)

em 13 de mayo de 2019

Título original: The Cucko´s Calling (USA) / El Canto del Cuco (Espanha)
Autor: Robert Galbraith
Editora: Rocco (Brasil) / Mulholand Books (USA) / Editorial Planeta (Espanha) 
Páginas: 448
Ano de Publicação: 2013 (EUA) / 2013 (Brasil)
Gênero: Mistério / Suspense / Intriga
Saga: Cormoran Strike
1. O Chamado do Cuco (The Cucko´s Calling) 
2. O Bicho da Seda (The Silkworm)
3. Vocação para o Mal (Carrer of Evil)
4. Branco Letal (Lethal White)
5. Sem Título
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva

Quando uma modelo problemática morre numa queda de uma sacada da Mayfair coberta de neve, supõe-se que ela tenha cometido suicídio. O irmão, porém, tem suas dúvidas e pede ao detetive Cormoran Strike para rever o caso. Strike é veterano de guerra - ferido física e psicologicamente - e sua vida é uma confusão. A investigação lhe dá um salva-vidas financeiro, mas tem um custo pessoal: quanto mais ele mergulha no complexo mundo da jovem modelo, mais sombrias ficam as coisas - e mais perto ele chega de um perigo terrível. Um mistério elegante e emocionante impregnado da atmosfera de Londres - das ruas silenciosas de Mayfair aos pubs entocados do East End e à agitação do Soho - O Chamado do Cuco é um livro extraordinário. Apresentando Cormoran Strike, este é o primeiro romance policial de J.K. Rowling, escrito sob o pseudônimo de Robert Galbraith. O Chamado do Cuco entrou na lista de mais vendidos da Veja, Época e O Globo.


Minha opinião: 

Eu adoro livros de suspense, e quando soube que Robert Galbraith era nada menos que o pseudônimo da diva JK Rowling quis conferir esse thriller policial. Mas, o tempo foi passando, e O Chamado do Cuco foi ficando na lista dos eternos pendentes. Até que a Rocco começou a anunciar o lançamento do quarto volume da saga, Branco Letal, e eu decidi aproveitar a oportunidade de conhecer finalmente o detetive Cormoran Strike.

A história está toda ambientada em Londres, nos tempos atuais, e Cormoran Strike, um ex-soldado que lutou no Afeganistão até perder uma perna, agora ganha a vida como detetive particular. A vida não está nada fácil para Strike. Afundando em dívidas, ele acaba de sair de um relacionamento bem tumultuado com Charlotte, e ainda tem que lidar com a curiosidade das pessoas acerca de sua relação  (inexistente) com o pai celebridade da música. 
Quando ele contrata uma nova assistente, Robin Elacott, ele nem tem certeza de que a moça suportará tantas dificuldades. A empresa de temporários a enviou sem aviso, e Strike sabe que não há muito a se fazer, a não ser tentar manter as distâncias e não permitir que Robin se torne imprescindível demais.
Certo dia, um rico advogado aparece no escritório de Strike. John Bristow tem certeza de que sua irmã adotiva, Lula Landry, foi assassinada. A famosa modelo sempre foi instável, e a polícia e a imprensa já determinaram que Lula provavelmente se suicidou. Mas Bristow não está satisfeito e quer provar que todos estão errados. 
Conforme Strike começa a investigar a morte de Lula, ele vai descobrindo pontos que não se encaixam, verdades ocultas e uma porção de celebridades egoístas que parecem pensar apenas em si mesmos. 

Enquanto a gente vai acompanhando a investigação de Strike, o leitor fica sempre na dúvida de se Lula se suicidou ou não. É que é tudo bem nebuloso sobre a morte da garota e as informações vão sendo acrescentadas bem à conta gotas. 

Eu vou confessar que apesar de ter gostado do livro e principalmente do desfecho inusitado do caso, achei a história bastante densa. 
Não é o tipo de suspense onde cada hora acontece algo diferente, onde transbordam revelações e reviravoltas. Na verdade, achei que a história demora bastante pra engrenar. 
Galbraith toma seu tempo para ir conduzindo a trama e às vezes eu me via um pouco frustrada pois sentia que nada acontecia depois de muitos capítulos. O ritmo melhora consideravelmente à partir da metade, mas até lá acaba sendo um livro que exige paciência do leitor, pois se nota que a autora se preocupa bastante em apresentar-nos cada personagem, elaborando muito bem o perfil de cada um, especialmente de seu protagonista.

Strike é bem diferente do que imaginava. Ele não é o detetive sarcástico e nem charmoso, na verdade é muito ao contrário. Ele é bem anti herói, todo quebrado por dentro e por fora, cheio de facetas e com uma história de vida bem dura e esquisita. Eu gostei dele por ser assim, diferente. E conforme os capítulos passam, a gente sente que conheceu bem o personagem e acaba gostando dele. 
Quanto à Robin, fiquei um pouco decepcionada pois esperava conhecê-la muito mais. Sabemos que ela está na cidade vivendo com um namorado chato e que apesar das dificuldades adora investigar e ajudar Strike, mas ela acabou tendo bem menos destaque do que eu achei que merecia. Queria mais cenas de Robin e queria ter visto ela interagir mais, tomar parte da investigação por completo ao lado de Strike, mas isso ainda não ocorreu nesta primeira parte (como se trata de uma série, acredito que a autora vai deixar pra focar mais em Robin nos livro seguintes).

O mistério está bem conduzido, aliás, me impressionou bastante porque a autora conseguiu pegar um caso relativamente simples e óbvio e transformá-lo em um suspense bem fora dos padrões, inesperado. Me surpreendeu bastante e o desfecho foi muito bom. Apesar de ter sido uma leitura parada e até mesmo densa, o desfecho consegue deixar o leitor com vontade de seguir acompanhando a série e conhecer melhor Strike e Robin. 

Eu só espero que no próximo livro tenhamos um mistério mais ágil. Nesta primeira parte achei compreensível a história mais parada porque a autora quer nos apresentar seus personagens, nos permitir saber mais de suas vidas e dramas e também nos dar o tempo para nos acostumar com a história. Mas, para a segunda parte, acho que será necessário um pouco mais de agilidade e surpresas, já que até aqui se trata de uma série com casos onde os detalhes principais se apresentam de maneira sutil e o romance é praticamente nulo. 

Eu gosto dessa ambientação cinzenta e fria de Londres. Acho que para suspenses, o estilo londrino, as descrições e clima combinam perfeitamente porque conferem uma aura ainda mais sombria. Galbraith é precisa nas suas descrições, permitindo que o leitor possa conhecer muitos detalhes, mas sem nos deixar sobrecarregados de informações. 

Um dos pontos positivos do livro é com certeza as descrições da autora sobre o mundinho das celebridades. Eu adorei as caracterizações de cada personagem, temos as super modelos confiantes, os estilistas gananciosos, o artista rebelde, e aqueles que rodeiam estas figuras, sempre exalando futilidade e intrigas. A autora retratou super bem esse universo dos famosos e ricos, e foi interessante conhecer de maneira sutil um pouco da relação complicada entre artistas e a grande mídia, sempre voraz por informações e escândalos. 

Concluindo...

O chamado do Cuco é um livro pra ser lido sem pressa, pois traz uma trama que se desenvolve devagar, onde as respostas para o mistério estão nos pequenos detalhes, que o leitor vai analisando conforme Cormoran Strike adentra no mundinho exclusivo das celebridades da moda e da música. A ambientação é boa, e o retrato que a autora traça das celebridades atuais é bem fiel, isso traz todo um diferencial à esta primeira parte, porém, como leitora, fica a expectativa para que os próximos volumes da saga sejam mais intensos e ágeis pois como leitora achei que faltou emoção, aqueles momentos de pavor e choque fundamentais para prender completamente nossa mente numa trama de mistério e crime.

*** Para quem curte comparar adaptações com seus livros, a série já ganhou adaptação para a TV britânica e estreou em 2017 sob o nome Strike, tendo o ator Tom Burke na pele do personagem principal. 


"Muito pouca gente respondia às perguntas que lhe faziam; menos ainda sabia organizar os pensamentos para que não fossem necessárias perguntas adicionais que lhe arrancassem informações. Strike estava acostumado a bancar o arqueólogo em meio às ruínas das lembranças traumatizadas das pessoas; ele fez de si confidente de bandidos; tinha atormentado os apavorados, molestado os perigosos e lançado armadilhas aos espertos".


"Os mortos só podiam falar pela boca dos que ficaram e pelos sinais que deixavam. Strike sentiu a mulher viva por trás das palavras que ela escrevera aos amigos; ouviu sua voz no telefone junto de sua orelha; mas agora, olhando a última coisa que ela vira na vida, sentiu-se estranhamente próximo a ela. A verdade entrava em foco pela massa de informações desconexas. O que lhe faltavam eram provas".

A escritora britânica Joanne Kathleen Rowling nasceu na cidade de Yate, nas proximidades de Bristol, na Inglaterra, em 31 de julho de 1965. Ela se tornaria célebre pela criação do bruxinho Harry Potter, que lhe renderia sete volumes de uma série premiada e aceita quase unanimemente pela crítica e pelo público.
Desde cedo a autora cultivava o gosto da leitura, e vários escritores despertaram na menina o desejo de ser uma escritora. 
Foi uma longa jornada até que Harry Potter e a Pedra Filosofal fosse aceito pelo mercado editorial. A autora teve que realizar um ‘tour’ por diversas editoras, e em 1994 experimentou a miséria e um estado depressivo, até a Bloomsbury decidir lançar sua primeira obra como mais uma na galeria da literatura infantil. Quando enfim ele foi publicado, em junho de 1997, Joanne ministrava aulas de francês. O sucesso foi instantâneo, vieram os primeiros prêmios no campo dos livros para crianças. Ela conquistou até mesmo a premiação de Livro Infantil do Ano, concedido pelo British Book Awards.
Em 2001 ela se casou novamente, com o anestesista Neil Michael Murray, com quem teve dois filhos, David e Mackenzie, além de Jessica, do primeiro matrimônio. Em fevereiro de 2009, ela obteve das mãos de Nicolas Sarkozy, presidente francês, a divisa de Cavaleiro da Ordem da Legião de Honra.

Web Page Oficial: https://www.jkrowling.com/

Twitter: JK Rowling



UPDATE:

Hoje faleceu uma das últimas grandes divas do cinema. Ela foi uma atriz brilhante, foi uma cantora espetacular, encantou gerações enquanto dançava deslumbrante nos musicais da Hollywood dourada, era ótima comediante, conseguiu criar um círculo leal de amigos na meca do cinema, um lugar conhecido pela competição voraz. Num tempo onde sex-appeal, sobrenome famoso ou reality shows não alçavam ninguém ao status de "ícone" mas sim trabalho duro, talento e perseverança, ela foi uma das artistas mais versáteis e carismáticas, que se fez rainha tanto das telonas quanto também da própria TV, pois ela era assim: camaleoa, guerreira que sabia se adaptar à qualquer mudança. 
Aos 50 anos de idade decidiu abandonar as telonas para se dedicar à outra de suas paixões: os animais. Sua fundação arrecadou dinheiro em prol da defesa e dos direitos das várias espécies de animais, e ela é e será sempre um modelo para as futuras gerações por conta de seu caráter firme, talento infinito e simpatia. 

Doris Day foi mais que uma celebridade qualquer. Ela foi completa em tudo o que fez, uma artista verdadeira em todos os sentidos. Teve uma vida vibrante, sempre sorrindo, sempre confiante, e hoje, aos 97 anos, nos deixou.
Doris partiu mas seu legado lindo (dentro e fora das telas) com certeza perdurará.

Descanse em paz Doris Day querida, e muito obrigada por todos os anos onde gerações puderam ver esse sorriso sincero e esses olhos azuis tão doces pelas telinhas e telonas do mundo, vá com Deus e continue brilhando muito lá no céu.

 Imagen relacionada


Até a próxima, 



Ivy

19 comentarios:

  1. Olá! Gostei muito da sua resenha. Confesso que livros de suspense (assim como filmes), não são meus favoritos. Mas sempre tem algum que me surpreende e faz com que eu me prenda na leitura! Nunca havia ouvido falar nesse livro, e fiquei até curiosa pelo desenrolar da história, uma vez que os acontecimentos se dão de forma lenta. Quanto a Doris Day, uma pena eu ter conhecido-a numa ocasião tão triste. Sou apaixonada pelo cinema dos anos 50 e uma das minhas grandes inspirações é a Audrey Hepburn. Espero que ela descanse em paz :)

    Estante Bibliográfica > blog novo!

    ResponderEliminar
  2. Oi Ivy
    Eu não sou muito fã das obras da JK além de HP, eu acho que ela se excede demais em algumas coisas, principalmente Morte Súbita que deus me livre, mas que bom que você gostou, espero que seja menos densa a obra.
    Beijo!

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderEliminar
  3. Gostei da resenha Ivy. Ainda não li nada da autora, mas os seus livros de suspense muito me interessam. Percebi que esse livro é mais introdutório, mas não deixa de ter os seus encantos. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderEliminar
  4. Depois da Rocco ter anunciado esse lançamento eu estou mega curiosa para ler essa série, já estou quase me convencendo. Gostei de ver sua opinião sobre o primeiro livro.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderEliminar
  5. Olá, Ivy!
    Confesso que Suspense não é o meu gênero favorito, ainda mais quando a história demora para avançar no fatos, mas que bom que gostou mesmo assim!

    Até mais!
    Depois da Leitura
    Loja Depois da Leitura

    ResponderEliminar
  6. GENTE QUE RESENHA!
    Não sabia que JK tinha um pseudonimo e agora eu tô muito empolgada pra ler e já tô procurando pra comprar porque eu amo os livros dela.
    Achei legal tudo o que você falou sobre o livro, principalmente que ele é um livro pra se ler com mais calma, eu gosto de leituras assim. Adorei!!

    ResponderEliminar
  7. Olá, Ivy.
    Quando esse livro foi lançado eu li muitas resenhas comparando a história aos livros da Agatha e o detetive com o Poirot e quando eu li achei tão nada a ver as comparações que acabei decepcionada com o livro. Por isso optei em não ler os outros livros da série. Quando a atriz, eu não a conhecia porque não sou muito ligada em cinema, mas concordo sobre a observação de se ter talento para ser reconhecido. Outras épocas.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  8. Oi, Ivy!
    Não tenho muito interesse nessa série, mas eu quero muito assistir a adaptação.
    Sobre a Doris Day, eu só conhecia de nome mesmo... nunca conferi seu trabalho.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  9. Eu adoro o gênero, gosto de um bom suspense de arrancar o fôlego. Mas essa série nunca me chamou a atenção. Eu até tenho os dois primeiros livros, mas nunca parei para ler de fato.

    Tenha uma ótima noite.

    Abraços,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderEliminar
  10. Eu fiquei muito triste com a noticia da Doris, pois foi uma grande perda.
    Bom, eu não gostei dessa leitura. Infelizmente finalizei frustrada e nem sabia que era da JK na época que eu li. É bem como vc disse, tem que ser lido sem pressa porque demora para desenvolver

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ivy!
    Apesar de adorar thriller e suspense (além de amar a J. K), essa série não me chamou muito a atenção.
    Não sei porque.
    E a sua resenha me fez querer ler, por causa dos pontos positivos e por você falar sobre o desfecho, mas também me deixou com preguiça, por parecer que muitas vezes não sai do lugar, haha.

    Beijoooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderEliminar
  12. Olá

    Sou do grupo de Vingadores haha que detestou essa série haha e posso dizer que como escritora de suspense, a JK é uma maravilhosa autora de fantasia, porque ela peca fortemente em características do gênero como o clímax, o tempo de apresentação de fatos e a ausência de detalhes é essencial no suspense para construir a história com mistério e até entendo porque ela não quis usar o nome dela claramente na série.

    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Eu estou louca para ler os livros dessa série, o lançamento me chamou atenção para esses que eu via e não me interessava, aí quando fui ler as sinopses me perguntei por que nunca tinha parado para lê-las antes! Gostei da sua sinceridade e também de conhecer mais sobre esse volume.

    ResponderEliminar
  14. Então, estou com todos aqui pra ler. Sou a louca do thriller. E estou muito curiosa... só sem tempo de encaixá-lo entre as milhares leituras que faço. Mas, quero muito acompanhar. Sua resenha ajudou-me a decidir que preciso dar um jeito de começar essa série.
    Adorei seu post. E seu update foi bem propício, relembrando a diva Doris Day.

    Beijocas
    www.coisasdemineira.com

    ResponderEliminar
  15. Olá, pena que o ritmo da história não seja muito ágil, mas achei o perfil do detetive e o caso bem interessantes, quero muito ler esse livro e os outros da série, gostei de conferir suas considerações sobre a obra e espero que no próximo a Robin apareça mais.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Olá, tudo bem? Eu tenho curiosidade sobre esse livro, não por ser mistério, mas sim pra saber mais sobre esse "outro lado" da J.K.Rowling. Vejo as opiniões sobre a obra bem divididas, e não sei ainda se me arriscaria a ler algo, pois o gênero não é algo que curta muito.
    Adorei!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  17. eu tenho relações com esse livro kkkk, sou de lua, as vzs quero ler loucamente ai esqueço e passa tudo, ai vem a fase do nem quero kkkk. mas no geral adoro resenhas sobre ele, e achei bacana você deixar claro que a obra é bem produzida adoro quando a coisa parece simples mas o autor deixa crivel e incrivel <3

    ResponderEliminar
  18. Oi, Ivi! Tudo bem?
    Eu tenho muita vontade de ler esse livro, principalmente por ter sido escrito pela J. K. Rowling. Porém, venho enrolando e sempre passo outros livros na frente. Adorei ler sua resenha e fiquei ainda mais curiosa para ler. Mesmo que ele seja mais lento no início, gostei de saber que a autora desenvolve bem o protagonista e já fiquei interessada em conhecer mais a personalidade dele.
    Dica mais do que anotada e espero ler em breve.
    Beijos!

    ResponderEliminar