(Review 286) - Anjo Mecânico (As Peças Infernais #1)

em 24 de mayo de 2019

Título original: Clockwork Angel / Ángel Mecánico
Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record (Brasil) / Simon & Schuster (USA) / Destino (Espanha)
Páginas: 392
Ano de Publicação: 2010 (EUA) / 2012 (Brasil)
Gênero: Fantasia Juvenil
Saga: As Peças Infernais (The Infernal Devices)
1. Anjo Mecânico (Clockwork Angel) 
2. Príncipe Mecânico (Clockwork Prince) 
3. Princesa Mecânica (Clockwork Princess)
Valoração: 

Anjo Mecânico, volume inaugural  de "As Peças Infernais" conta como os antepassados dos protagonistas de "Instrumentos Mortais" se conheceram. E como existe muito mais mistérios entre eles do que se imagina. Através de Tessa Gray, uma jovem órfã de dezesseis anos, somos apresentados aos Caçadores de Sombras da Inglaterra vitoriana. Como seus representantes do século XXI, eles também combatem os elementos rebeldes do submundo - vampiros e lobisomens. E são eles que vão ajudar Tessa quando esta, ao sair de Nova York em busca do irmão, seu único parente vivo, é raptada pelas irmãs Black. Mas Tessa não é uma senhorinha indefesa. Dona do estranho poder de se transformar em qualquer um apenas tocando em algum pertence da pessoa, é um objeto valioso para o submundo. Ao lado do temperamental e misterioso Will e de seu melhor amigo James, cuja frágil beleza esconde um terrível segredo, Tessa vai aprender a usar seu poder e ganhar um lugar ao lado deles na batalha entre as trevas e a luz. 


Minha opinião:


Neste ano de 2019 decidi traçar uma meta particular. Com o lançamento do mega aguardado Rainha do Ar e da Escuridão (Livro III de Lady Midnight) me animei em levar adiante a meta de ler os livros da diva Cassandra Clare ambientados no universo dos Caçadores de Sombras.
Eu adoro o universo criado por ela aqui, mas demorei demais pra ler a série principal porque o triângulo Clary + Jace + Simon me tirava do sério (em especial Jace e seu comportamento bipolar) e, foi uma boa escolha dar um tempo e depois retomar, porque agora, após essa pausa, me sinto ainda mais apaixonada pela escrita de Cassandra e pelo universo criativo e alucinante que a autora conseguiu criar.

Favoritar um livro pra mim virou uma missão difìcil. Eu sou chata e além de tudo estou em plena uma ressaca literária onde quase nada me agrada, mas, Cassandra Clare é um gênio da fantasia juvenil e quando lemos seus livros, sentimos claramente o quanto a autora se sente à vontade escrevendo sobre seus caçadores de sombras. Cassie conseguiu criar um universo amplo, onde passado, presente e futuro se entrelaçam. Um mundo emocionante que atrai o leitor até para seus menores detalhes. Com certeza o maior trunfo de Cassandra não são nem seus personagens bem elaborados, nem sua trama carregada de ação e reviravoltas, e nem sua narrativa beirando a perfeição, mas sim essa ambientação, esse universo rico e sombrio, sedutor e misterioso que é o mundo onde se movem seus Caçadores de Sombras e as criaturas que cruzam seus caminhos. 

Encontrar com personagens da série principal foi também um presente. Ver um Magnus Bane do passado, assim como uma Camille que já anunciava que seria cheia de truques foi muito revigorante e, ainda mais foi conhecer os novos personagens, protagonistas absolutos de uma trilogia que desde já promete me conquistar em cheio e, quem sabe, me livrar de vez da ressaca literária.

Anjo Mecânico se ambienta numa Londres vitoriana, onde avanços como internet ou TV nem sequer existiam e os recursos para se investigar qualquer coisa resultavam mais lentos e escassos do que em tempos atuais. A autora é detalhista e consegue transportar o leitor para aquele universo do passado sem se tornar cansativa em sua narrativa. Cassandra mescla o real com o ficticio apresentando uma cidade de Londres antiga com toda a cultura e sociedade da época, retratando com exatidão os costumes e tradições daquela sociedade ao mesmo tempo em que insere a figura dos Caçadores de Sombras, dos bruxos, dos vampiros e seres subterrâneos com um toque tão único que o fantástico consegue encaixar perfeitamente com esses dados históricos reais inseridos pela autora. 
Eu particularmente adoro mistérios ou romances sobrenaturais ambientados em época vitoriana, acho que confere um charme enorme às tramas e aqui, cada lugar descrito por Cassandra acaba adquirindo um glamour ainda maior. 

Os personagens são melhor trabalhados do que em Instrumentos Mortais, se nota que a escrita de Cassandra evoluiu bastante entre uma série e outra, e senti que em The Infernal Devices a autora consegue fazer o leitor conectar mais com seus personagens, mexe mais com nossas emoções e parece deixar suas personalidades mais evidentes e mais magnéticas.
A protagonista feminina da história é Tessa Gray, uma garota de Nova York que acaba indo à Londres após um convite de seu único irmão, Nathaniel Gray, para unir-se à ele na cidade após a morte da tia Harriet, a única familia que restava a ambos.
Quando Tessa chega em Londres, ela é sequestrada por um par de irmãs bizarras e é mantida em cativeiro, sendo obrigada a desenvolver um poder que nem sabia que tinha, mas que as duas irmãs de alguma maneira sabiam. 
Tessa acaba sendo resgatada pelos Caçadores de Sombras, e sendo ela a única testemunha dos eventos e também uma possível vítima, é acolhida para viver no Instituto, junto aos caçadores.
O irmão de Tessa, Nathaniel, está desaparecido, e enquanto Tessa se une aos caçadores para investigar o que aconteceu com seu irmão e porque os sobterrâneos parecem persegui-la, além de qual a origem de seu poder, ela também deve estar preparada para lidar com descobertas que nem imaginava sobre si mesma e sobre sua família.

Claro que Tessa no meio de tudo isso vai acabar se apaixonando, e justamente por Will Herondale, um caçador de sombras com uma personalidade cheia de ironia e arrogância, que às vezes parece ser doce, mas na maioria das vezes pode ser ácido. 
Além de Will, há também o melhor amigo deste, outro caçador chamado Jem Carstairs. Sensível, discreto e gentil, Jem é o ombro amigo confiável, o porto seguro onde Tessa saberá se apoiar quando necessário.
Esse é basicamente o trio de protagonistas, e todos os três são muito bem desenvolvidos. Tenho meus sentimentos encontrados com Will, porque ele me lembra demais o Jace (Instrumentos Mortais), inclusive por conta dessa personalidade ácida e até grosseira dele. Ainda assim estou torcendo para que o personagem consiga se afastar desse estigma e mostrar facetas diferentes da de Jace. 

Gostei de Tessa. Ela é uma mocinha da época vitoriana então fica se debatendo entre os costumes (e o medo de escandalizar a sociedade) e o seu próprio ímpeto de lutar e salvar a si mesma e a Nathaniel. Tessa é um personagem rico porque ela manifesta vários sentimentos. Ela se apaixona pelo Will e gostaria de se declarar e assumir seus sentimentos, mas vai com cuidado porque na sua época sabe que aquilo pode ser além do que lhe convinha. Ela quer se defender dos perigos que a cercam, mas é esperta pra saber que não vai conseguir fazer sozinha e assume que necessita ajuda e abrigo. Eu gostei porque isso a faz humana, ela tem medo, sofre, sente vergonha, mas também quer sair chutando tudo se possível. 

Jem, o terceiro protagonista, é todo um doce de guri. É aquele segundo protagonista masculino que possuí o dom de ser encantador, compreensivo e leal, mas o que curto é que mesmo sendo assim ainda é capaz de lutar como um caçador durão e brigar como qualquer bad boy.

Os secundários são igualmente bem desenvolvidos, envolventes, carismáticos. Há o casal que administra o Instituto, Henry e Charlotte, que são maravilhosos, ganham o leitor com seus diálogos. Há Jessamine, a caçadora de sombras inconformada que só queria ser donzela e arrumar um bom marido, eu adorei Jessamine porque ela pode ser fútil e até um pouco mesquinha, mas quando precisa partir pro ataque, acaba fazendo mesmo que relutante, ela vive um conflito porque não queria ser caçadora mas, quando menos espera, tem que enfrentar monstros e salvar a própria pele. Temos também o rol dos subterrâneos encabeçados por Magnus e Camille, mas onde também conheceremos outros personagens, todos extremamente bem caracterizados, com diálogos inteligentes, que só enriquecem a trama.

Estou me tornando fã de Cassandra Clare e acho que isso vai ser meio que inevitável porque eu apenas acabei de terminar Anjo Mecânico e já sinto saudades. A autora sabe mexer com nossos sentimentos, e quanto mais leio suas obras, mais descubro porque é tão querida e consagrada, sua escrita é simplesmente mágica!

Concluindo...

Eu tentei não fangirlear demais nessa resenha sobre o quanto amei essa primeira parte de The Infernal Devices, mas acredito que deu pra notar que o livro se tornou meu queridinho e provavelmente minha melhor leitura de Janeiro. 
Se como eu, você está também relutando entre ler ou não ler, te aconselho: leia! 
A história é bem escrita, com diálogos carregados de brilho, ironia, adrenalina e sarcasmo e uma trama daquelas que prende o leitor e nos faz roer as unhas ansiosos pelo próximo livro.



"Seja como sejas - disse finalmente -, homem ou mulher, forte ou fraco, doente ou saudável, tudo isso não importa tanto como o que você tem no coração. Se você possui a alma de um guerreiro, você é uma guerreira. Todas essas outras coisas são tão somente o vidro da lâmpada, mas você é a luz, brilhando lá dentro".
Cassandra Clare nasceu em uma família americana no Teerã, Irã, e passou parte de sua infância viajando pelo mundo com sua família. Pelo fato de que sua família viajava muito, ela encontrou familiaridade no livros, e estava sempre com um debaixo do braço.
Após a faculdade, Cassandra viveu em Los Angeles e Nova York, onde trabalhou em várias revistas de entretenimento e tablóides. Ela começou a trabalhar em seu romance YA, Cidade dos Ossos, em 2004, inspirada na paisagem urbana de Manhattan. Passou a dedicar-se em tempo integral à escrever fantasia. 
Cassandra atualmente reside em uma antiga casa vitoriana em Nova York com sue noivo, seus gatos e lotes e lotes de livros. A série Mortal Instruments é sempre citada em várias listas de best-sellers. 


Twitter: Cassandra Clare



Nos lemos, 

Alice

12 comentarios:

  1. Alice, tudo bem?

    Que legal seu projeto, até hoje não li nada da Cassandra Clare. Estou fugindo de triângulo amoroso, viu. Não gosto de comprar mais o universo dela é melhor que os da Sarah J. Maas? rsrs. Pode deixar, vou dar um jeito de ler também!

    Até mais!

    Depois da Leitura
    Loja Depois da Leitura

    ResponderEliminar
  2. Oi Alice.
    Nossa, sua resenha ficou maravilhosa! É a primeira vez que consigo realmente entender de que forma este livro está inserido no universo de Instrumentos Mortais. Muito obrigada por me esclarecer.
    Eu tenho a série Instrumentos Mortais completa, na época de seu lançamento comprei para presentear meu filho que queria muito ler. Já assisti há umas três temporadas da série, mas nunca parei para ler os livros, um absurdo né? Assim que conseguir ler, parto para esta trilogia.
    Beijokas

    ResponderEliminar
  3. Oi Alice,
    O spin-off parece ser mais interessante que o original, já curti por causa do cenário desse. Eu até tentei ler Cidade dos Ossos uma vez, mas nem foi pra frente. Talvez futuramente eu olhe novamente. Mas gostei desse!

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderEliminar
  4. Olá, Alice.
    Eu estava lendo a série Instrumentos Mortais e fui ler essa. Nunca mais voltei para a original hehe. A trilogia é maravilhosa e nem parece ter sido escrita pela mesma autor. E foi o primeiro triângulo amoroso que realmente fiquei dividida até o final. Só uma dica. Quando for ler o terceiro livro não leia a arvore genealógica que tem no começo do livro porque tem spoiler.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  5. Oi, Alice! Tudo bom?
    Eu amo tanto essa série que até esqueço do ranço pela Cassandra Clare quando vou falar dela. TID é tudo de perfeito e impecável que essa mulher já escreveu, SAUDADES DO MEU WESSAM <3 ASJKFABUASGBASGUOBGASA
    Jem muito amor da minha vida pra todo sempre!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderEliminar
  6. Acho massa essas metas e resenhas que vocês fazem de série por aqui, eu já peguei várias dicas legais aqui!
    Mas então, eu tentei ler essa série e ela não rolou pra mim, pode ser porque eu não li Shadowhunters ou porque a escrita da autora não rolou mesmo pra mim, não sei, só sei que não deu pra mim, mas tudo bem, eu pretendo tentar ler de novo daqui um tempo pra ver se rola.
    Adorei sua opinião, espero que goste de todos os outros livros <3

    ResponderEliminar
  7. Oi, Alice!
    Menina, eu devorei toda essa trilogia em menos de três semanas! No final eu fiquei com uma ressaca braba que não queria chegar perto de nenhuma fantasia hahhahahha
    Eu gostei demais desse livro, principalmente porque é um ambiente novo. Também não curto aquele triângulo de Instrumentos Mortais.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  8. Oi Alice! Eu li este livro faz muito tempo e lembro que estava tão vidrada em Instrumentos Mortais que não me liguei muito nesta série. Eu pretendo reler para então seguir para os próximos volumes e espero gostar. Boa semana. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  9. Olá Alice, tudo bem?

    Essa é uma série que eu quero ler, só leio comentários positivos e a sua resenha não foi diferente....bjs.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Sinceramente os livros da Cassandra me cativam, mas nunca me despertaram interesse o bastante para eu poder ler a obra. E notório que a trama construída por ela e única e incrível capaz de fisgar o leitor, fiquei feliz em saber que sua escrita tem evoluído deixando a história ainda mais bem construída e desenvolvida. Os personagens também me chamaram a atenção, e gosto muito quando os secundários também tem seu papel na trama. Pretendo futuramente dar uma chance a essa série, espero não me decepcionar.

    ResponderEliminar
  11. Eu tenho muita vontade de conhecer a escrita da Cassandra, pois vejo muitos elogios. Fico um pouco perdida e desmotivada por conta do tamanho da série hahahaha, mas pretendo dar uma chance futuramente.


    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  12. Oi, tudo bem? Acho incrível quando estamos lendo uma resenha e é possível perceber o quanto a leitura valeu a pena. Quando a Arqueiro lançava os livros do James Patterson eu ficava ansiosa aguardando o próximo lançamento. Mas agora ele foi "substituído" pelo Harlan Coben haha Não conheço a escrita dessa autora mas já me conquistou pela história se passar numa Inglaterra vitoriana. É um dos períodos históricos que mais me chama atenção. Achei incrível sua resenha. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderEliminar