(Review 288) - Nossos dias infinitos

em 29 de mayo de 2019

Título original: Our endless days
Autor: Claire Fuller
Editora: Editora Morro Branco (Brasil) / Tin House Books (USA) 
Páginas: 336
Ano de Publicação: 2015 (EUA) / 2016 (Brasil)
Gênero: Suspense Juvenil
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva 

Todos os pais mentem, mas algumas mentiras são maiores que as outras. "Datas só nos fazem perceber quão finitos nossos dias são, quão mais perto da morte ficamos a cada dia que passa. De agora em diante, Punzel, vamos viver seguindo o sol e as estações" - Ele me pegou no colo e me girou rindo - "Nossos dias serão infinitos". Com aquela última marca, o tempo parou em 20 de Agosto de 1976. Peggy tinha oito anos quando seu pai a levou para viver em uma remota cabana no meio de uma floresta européia. Lá ele lhe disse que sua mãe e todas as outras pessoas do mundo morreram. Agora eles precisam viver da terra e sobreviver ao rigoroso inverno. Mas até quando a pequena Peggy vai acreditar na história de seu pai? Até quando você pode ficar são, quando o mundo está perdido? O que acontece quando você para de crer em tudo?

Minha opinião:

Nossos dias infinitos é um suspense carregado de sutilezas, detalhes e enigmas que fazem a obra de certa forma ser bastante original. Infelizmente, o ritmo parado e a falta de reviravoltas na trama deixa a leitura pesada demais e até o final cansativo e previsível houveram muito poucas surpresas, talvez por isso mesmo que Nossos dias infinitos se tornou para mim "Nosso livro infinito", já que eu não conseguia terminar nunca a leitura pois começava a ler e em poucas páginas acabava parando e deixando pra lá ou simplesmente pegava no sono literalmente. 

Eu gostei da ambientação melancólica, solitária e sombria, e até achei a protagonista e seu pai interessantes, pois não se encaixam em nenhum padrão que conhecia, mas... faltou carisma, faltou brilho e mais que tudo, a trama não despertou meu interesse pois não trouxe nada de realmente novo. 

Peggy foi levada por seu pai quando tinha apenas 8 anos de idade e por anos cresceu ouvindo seu pai dizer que o mundo inteiro morreu e eram eles apenas os únicos sobreviventes. Vivendo numa cabana abandonada no meio da mata, Peggy foi privada de qualquer conforto, tendo que caçar para sobreviver, lidar com todo tipo de conflitos e além disso, tendo que suportar os altos e baixos de seu pai, James, um homem que parece alternar entre estar louco de pedra e ser um paranóico de primeira. 

O livro todo é basicamente isso, a vida dos dois personagens na floresta. E mesmo após a entrada de um terceiro personagem, a trama continua naquele tom pausado, que tornava um fardo ler mais do que alguns capítulos por dia. 

A protagonista é uma grande incógnita, eu me questionei muito sobre Peggy e seu caráter até o final pois há um momento em que o leitor não sabe bem se confiar no relato da garota. Houveram momentos em que me surpreendi pois o livro é bem menos infantil do que pareceu e apesar de ter um desfecho bem sem graça, eu fiquei bem chocada com algumas escolhas da autora pois não esperava por isso. Não sei bem se entendi ao certo todo o desfecho de Peggy e sua situação, há um detalhe que a autora deixa muito "no ar", mas se for como entendi, foi bem duro e isso deixa toda a trama mais obscura e madura com certeza. Interessante como um detalhe tem o poder de mudar todo o contexto de uma história né?

Concluindo...

Eu vi muitos elogios sobre Nossos dias infinitos no Skoob, exaltando a originalidade, a ambientação e a trama diferentona. Apesar de concordar em quanto à ambientação, esse não será um livro que recomendo de olhos fechados. Infelizmente, não me conquistou em praticamente nada e terminar suas páginas foi apenas um grande alívio, sem nenhuma outra emoção além disso. Pode ser que eu não estivesse "no clima" para a leitura, mas comparando à outros suspenses que li, considero este um dos mais fracos e maçantes do ano, o que não é pouca coisa.


"O pior tipo de pessoa é aquele que volta atrás de uma promessa, até mesmo uma que fez para si mesmo".
Claire Fuller trabalhava fazendo esculturas, antes de começar a atuar na área de marketing digital, onde trabalhou por muitos anos. Em 2013, ela completou um mestrado em Escrita Criativa e escreveu seu primeiro romance, Nossos dias infinitos. O livro foi publicado no Reino UNido pela poderosa editora Penguim, nos EUA pela Tin House e teve seus direitos comprados para ser traduzido em 15 países. Nossos dias infinitos venceu o prêmio Desmond Elliott em 2015. 
O segundo romance de Claire, Swimming Lessons, foi publicado em 2017. Este foi indicado ao Prêmio Encore, selecionado como livro do mês nos EUA e recomendado em uma seleção de livros para clubes de leitura na You Magazine, do Mail Sunday, do Reino Unido.

Web Page Oficial: https://clairefuller.co.uk/

Twitter: Claire Fuller

  

Até a próxima, 




Ivy

24 comentarios:

  1. OI, Ivy
    A capa desse livro é linda mas quando saiu eu não fiz muita questão de ler porque eu já imaginava que essa obra seria mais arrastada. Eu não tenho paciência pra livro lento, a leitura se torna um suplício né? infelizmente foi o que aconteceu por isso prefiro abrir mão.
    Beijocas

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Oi Ivy!
    Acho linda essa capa! 😍
    Conheço esse livro de vista mas nunca me interessei em ler. Leio pouca fantasia, ainda mais sendo juvenil, e com certeza me desanima o fsto do livro ser paradão até o final...
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Olá! Pra mim, não tem nada pior do que ler um livro e não se sentir apegado à história. Gosto de ler tramas em que eu me envolvo de tal forma, que não sossego e nem durmo enquanto não termino! Gosto também de me envolver com os personagens e sentir tudo que eles sentem e torcer por eles também. Uma pena a autora ter tido uma ideia original, mas a execução não ter sido tão boa e nem instigante :( Como não sou fã de livros de suspense, bem provável que eu não o leia. Mas amei a sua resenha!

    Beijos!
    Estante Bibliográfica > blog novo!

    ResponderEliminar
  4. Oi, Ivy!
    Nossa, que tortura é querer terminar o livro e não conseguir.
    Achei a sinopse e a capa interessantes, mas seus comentários me fizeram nem pensar em ler.
    Tem tanta coisa para eu ler que parece mais legal que nem vou me aventurar.
    Triste quando a gente não se conecta com nada da história, né?

    Beijoooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderEliminar
  5. Oi, Ivy

    Eu ri ali no trocadilho com o nome do livro! Hahaha Uma pena ter sido uma leitura arrastada assim, sei bem como é pegar no sono durante uma leitura.
    E quando nem os personagens conquistam a gente fica difícil, né? Bom, pelo menos a ambientação se salvou, um pontinho positivo.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar
  6. Oi, Ivy! Tudo bom?
    Eita que eu sempre vejo esse livro por aí, mas nunca vi uma resenha sobre ele. Essa já serviu pra eu ficar hmmmmmm porque parece o tipo de história que me entediaria demais e zero vontades de passar por isso de novo.
    Que pena, né :/ tem uma capa e uma edição tão lindas.

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderEliminar
  7. Gostei da resenha Ivy. É triste quando esses livros bem aclamados pela crítica acabam nos decepcionando, não é mesmo?
    Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderEliminar
  8. Oi, Ivy!

    Que pena a história ser arrastada desse jeito! Achei a premissa realmente interessante, a ideia de o pai colocar na cabeça da menina que só havia sobrado os dois, e só ter eles na floresta, até aparecer uma terceira pessoa, tudo isso é legal para uma introdução, a base que dá início à desenvoltura de toda uma história mais complexa e melhor desenvolvida. Uma pena ter sido tão pouco aproveitada. A capa é linda! E adorei a sua resenha e a sinceridade nela.

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. Que triste no final o livro ter sido ruim... quando a gente não consegue entender ou nos conectar com o personagem é bem ruim também...

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderEliminar
  10. Nossa eu vi muitas fotos bonitas desse livro no instagram e todas as resenhas que li foram muito positivas, uma pena mesmo que sua experiencia tenha sido ruim, mas preciso concordar que, só pelo que você falou, acho que eu não me animaria muito de ler o livro não kkkk
    Espero que a proxima experiencia seja boa!! <3

    ResponderEliminar
  11. Olá, tudo bem? Já tinha visto esse livro, inclusive acho a capa linda, mas ainda não tinha ideia de sobre o que a estória tratava. Parece ser uma trama bem diferente do que estou acostumada a ler, é uma pena que não tenha sido uma leitura tão boa para ti. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderEliminar
  12. Olá, Ivy.
    Olhando essa capa nunca que ia imaginar que era esse gênero hehe. Nunca tinha ouvido falar desse livro e pelas suas palavras não vou querer ler. Eu sei bem o que é pegar um livro elogiado e acabar dormindo. Aconteceu comigo em Maze Runner que foi um sacrifício para eu terminar de ler.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  13. Oi, Ivy!
    Tu jura que é um thriller? Pela capa, eu achava que era uma fantasia ou um romance dramalhão..
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  14. O título desse livro é tão lindo! Uma pena a narrativa ser assim tão deficitária. Já não tinha pretensão de ler, e depois de sua resenha aí que não quero mesmo. Tem tanto livros bons que quero ler.

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Puxa Ivy!

    Eu amei a capa, mas que pena que o livro não é tão assim... A autora foi criativa no desenrolar, mas ... Pena que ficou maçante :(


    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderEliminar
  16. Oi Ivy,

    Acho que fiquei chocada em saber do que se tratava o livro :O olhando essa capa nem me passou pela cabeça um suspense.
    Uma pena que a leitura foi arrastada e sem surpresas li um livro recentemente assim e foi difícil de terminar.

    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderEliminar
  17. poxa sua experiência com a obra foi bem decepcionante né? nunca passei por isso da leitura ser indiferente quase torturante, deve ser bem ruim '--'

    ResponderEliminar
  18. Oi Ivy,
    Poxa tinha ficado bem animada quando li que era um suspense cheio de enigmas. Ha!
    Mas uma pena que tenha essas ressalvas. Talvez futuramente eu dê uma chance, por essa ambientação e tals, é um cenário que chamou minha atenção.
    E adorei a capa.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderEliminar
  19. Oi, a premissa desse livro, com pai e filha isolados, é até interessante. Uma pena que a trama seja monótona e não uma leitura cativante, mas confesso que ainda sou curiosa para conferir a história.

    ResponderEliminar
  20. Adorei seu esse seu artigo, realmente é um dos melhores blog que estou visitando. Suas postagens são excelente! Parabéns!

    Já até salvei em meus favoritos ❤️..

    Meu Blog: Loteria e Sorteios

    ResponderEliminar
  21. Olá!
    Eu acho essa capa linda e não imagina ser suspense. RS Amo o gênero, então acredito que esta leitura seria bastante decepcionante para mim.
    É uma pena que o livro não tenha funcionado com você, é bastante chato quando uma leitura não nos prende e se torna maçante.
    Adorei sua opinião sincera, beijos!

    ResponderEliminar
  22. Olá!
    Eu não tinha ouvido falar desse livro ainda, o que é uma surpresa levando em conta os lugares que viu falando tanto dele, mas percebi o quanto foi exaustiva a leitura pela sua resenha, deu pra notar o seu desânimo com ela, o que é uma pena. Tomara que as próximas leituras sejam melhores.
    Abraços

    ResponderEliminar
  23. Oi, tudo bem? Não conhecia o livro mas fiquei bem curiosa. Confesso que pela sinopse não dá para ter ideia da história. Por ela não dá para sentir que é um suspense ou que o pai dela pode ser um "louco". Mas o fato de estarem no meio da floresta me deu um friozinho na barriga haha Floresta é sinônimo de suspense em qualquer história concorda? A menos que seja Alice no país das maravilhas. Uma pena a história se manter linear. Mesmo assim fiquei curiosa para ler. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderEliminar
  24. Eu particularmente gosto muito do catálogo da Morro Branco, acho super variado e caprichado, conta com inúmeras obras inéditas e reflexivas. Eu já li "Nossos dias infinitos" e super gostei. Bela dica!
    Abraço!

    ResponderEliminar