(Review 293) - A Estrela da Meia Noite (Jovens de Elite #3)

em 28 de junio de 2019

Título original: The Midnight Star
Autor: Marie Lu
Editora: Rocco (Brasil) / G.P. Putnam`s Sons (USA) / Alfaguara (Espanha)
Páginas: 374
Ano de Publicação: 2016 (EUA) / 2017 (Brasil)
Gênero: Fantasia Juvenil
Saga: The Young Elites
1. Jovens de Elite (The Young Elites) 
2. A Sociedade da Rosa (The Rose Society) 
3. A Estrela da Meia Noite (The Midnight Star) 
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva 


Adelina Amouteru cansou de sofrer. Desistiu de quem a traiu e a sua vingança é a vitória a qualquer preço. A Loba Branca reina triunfante, e as conquistas alimentam sua crueldade. A menina ingênua e insegura se tornou uma rainha forte e rancorosa. E os poderes da regente estão cobrando o seu preço. Bestseller do "The New York Times" com excelente repercussão entre público e crítica, A Estrela da Meia Noite é o capítulo final da saga Jovens de Elite, da premiada Marie Lu. Adelina assumiu o trono de Kenettra, e agora se prepara para enfrentar a rainha Maeve e conquistar o reino de Beldain. Com seus aliados da Sociedade das Rosas, Sergio e Magiano, a Loba Branca consolida seu poder e busca sua irmã Violeta, desaparecida desde o conflito no porto de Kenettra. Após quase um ano como rainha, Adelina já expandiu seus territórios e firmou sua imagem como uma soberana impiedosa. Mas a jovem esconde um segredo, seu poder, suas ilusões ameaçam tomar sua mente, e a Loba Branca tem cada vez mais dificuldade para distinguir a realidade de suas ilusões. Adelina teme perder o controle e o único apoio que tem é de Magiano. Enquanto isso, corre o boato de que os Jovens de Elite estão em perigo. Todos eles, inclusive Adelina. Os poderes da febre do sangue começaram a consumir seus portadores. E Violeta é uma das mais afetadas. Marie Lu traça o destino de Adelina com maestria e surpreende os fãs. Reviravoltas e muita aventura ditam o tom deste último livro e, à medida que o fim se aproxima, os Jovens de Elite precisam decidir até que ponto irão por seus poderes e Adelina tem que estar preparada para entregar tudo o que conquistou, inclusive sua nova relação com Magiano. A "Estrela da Meia Noite" é o final épico que todos esperavam. 




Minha opinião:

Desde seu primeiro livro, Jovens de Elite, essa trilogia de fantasia medieval escrita brilhantemente por Marie Lu já prometia um desfecho intenso, emocional e muito diferente de tudo. Pudera, a protagonista da historia, Adelina Amouteru, não poderia ser mais atípica. Cruel, impiedosa, vingativa, egoísta e gananciosa, Adelina foi tudo isso e mais um pouco e talvez, por ser tão direta e sincera à respeito de suas próprias deturpações de caráter, era impossível ao leitor não ansiar curioso pelo ponto final da história de Adelina, e também de outros personagens igualmente majestosos e distorcidos, errantes e vibrantes, como Violeta, Teren, Magiano, Sérgio, Enzo e óbvio, Rafaelle

E A Estrela da Meia Noite trouxe todos eles de volta. A história conseguiu se tornar ainda mais sombria, enquanto os caminhos de Adelina se tornavam cada vez mais sem retorno. 
Eu gostei muito de acompanhar Adelina por ela ser justamente essa vilã terrível, e se mantém firme em suas convicções, aconteça o que houver. 

Algo que adoro em Marie Lu é sua versatilidade, Marie Lu consegue mudar os rumos da história de uma maneira que o leitor nem nota, quando nos damos conta tudo se inverteu e até aqueles que considerávamos como personagens cruciais perdem sua importância sendo substituidos por outros, que não pensava que pudessem aos poucos alcançar tanto destaque. Um claro exemplo disso vem através de Enzo e Magiano. Na primeira parte, é Enzo o personagem masculino com ares de herói e mocinho, porém seu magnetismo se reduz após a entrada de Magiano, até o momento em que, na minha opinião, o papel de protagonista masculino passa a ser intercalado entre Rafaelle, Magiano e até mesmo o mega vilão Teren, com o antes importante Enzo sendo reduzido à mais um apenas.
E o mais bacana é que a mudança se faz de maneira sutil, sem que o leitor sinta estranheza ou um impacto maior do que deveria ser. 

Todos os personagens evoluem muito! Se fizermos um comparativo desde o primeiro livro, os personagens de maior destaque mudaram praticamente da água para o vinho e achei a evolução de cada um bastante coerente, baseado em seus sofrimentos, traumas e vivências. Aliás, neste terceiro livro descobriremos um pouco mais do passado de Teren e também de Magiano e isso explica muito o porquê de suas atitudes e reações ao longo da trilogia.

E o final, que final!!!! Eu já imaginava um pouco quais seriam os possíveis destinos de Adelina, mas a maneira como tudo é orquestrado por Marie Lu, é muito viciante e original, me senti presa à história, arrastada junto à Adelina e Magiano rumo à esse desenlace incerto. 
O que adorei também neste final foi justamente a narrativa em primeira pessoa sendo intercalada por vários narradores, não apenas pela Adelina. Teremos um pouco dos pontos de vista de Magiano, Teren, Rafaelle e Violeta e isso fez uma baita diferença porque cada um deles enxerga as situações de uma maneira bem distinta e quando analisamos suas argumentações, ninguém está totalmente certo ou é um herói completamente altruísta. Todos possuem um lado obscuro, e durante a narrativa de cada um isso fica bem nítido.

Concluindo...

Esta é uma trilogia que do princípio ao seu final se revelou única pra mim, seja por meio de sua protagonista vilã, seja por sua trama cheia de toques sombrios e melancólicos. O final veio pra encerrar com chave de ouro uma história carregada de sensibilidade, uma fantasia que aos poucos envolve o leitor e possuí o poder de nos empolgar, surpreender e emocionar nos momentos certos, através da escrita poderosa de uma autora que se revela cada vez mais talentosa e dinâmica em suas histórias.

"Algum dia, quando não for nada além de poeira e vento, que lendas contarão sobre mim?"


"Nossa rainha está ficando louca", devem estar dizendo. Às vezes, não sei se é minha loucura que está conjurando essas imagens, abalando minha confiança. Então tento ignorá-las, como sempre. Que importa se sou louca? Tenho cem navios. Vinte mil soldados. Minhas Rosas ao meu lado. EU sou a rainha".
Marie Lu nasceu na China e mudou-se ainda criança com a família para os Estados Unidos. Formou-se na Universidade do Sul da Califórnia e começou a trabalhar como programadora na indústria de videogames. Hoje é escritora em tempo integral. Nas horas vagas, ou quando não está presa em engarrafamentos, ela gosta de ler, desenhar e jogar Assassin’s Creed. Ela mora em Los Angeles, na Califórnia (por isso os engarrafamentos), com o namorado, um Chihuahua sem pedigree e dois cachorrinhos da raça Welsh Corgi Pembroke.


Twitter: Marie Lu



Nos lemos, 


Alice

3 comentarios:

  1. Que máximo! Quero ler! Parabéns pelo blog e resenha!

    Acessem: https://www.paraisofeminino.com.br/calcados/mocassim

    ResponderEliminar
  2. Oi Alice!
    Não li muito da resenha pois nem comecei essa trilogia. Nunca li nada da Marie Lu, mas tenho muita curiosidade!
    Protagonista vilã? Interessante...
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog -> Tá rolando SORTEIO DE LIVROS p/ 5 ganhadores!

    ResponderEliminar
  3. Oi
    que interessante que a protagonista é a vilã da história, que bom que gostou da leitura desse final,
    já vi falaram bastante do primeiro livro.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderEliminar