(Review 299) - Impostores (Impostors #1)

em 16 de julio de 2019

Título original: Impostors
Autor: Scott Westerfeld
Editora: Scholastic Press (USA) / Galera Record (Espanha)
Páginas: 352
Ano de Publicação: 2018 (EUA) / 2019 (Brasil)
Gênero: Distopia Juvenil
Saga: Impostors
1. Impostores (Impostors) 
2. Shattercity
3. Sem Título
4. Sem Título
Valoração: 

Traição. Risco. Redenção. 
Catorze anos após o lançamento de "Feios", o autor best-seller Scott Westerfeld retorna a seu universo mais famoso com uma história completamente nova. 
Nascidas com a diferença de apenas 26 minutos, as filhas do poderoso e autoritário governante de Shreve receberam criações muito distintas. Rafia, a mais velha, cresceu como a filha perfeita, oradora ambiciosa e ícone de estilo. Frey, por sua vez, foi ensinada a matar; seu único propósito na vida é proteger a irmã gêmea e, se necessário, sacrificar-se por ela. Quando é enviada no lugar de Rafi como garantia de um acordo perigoso, torna-se a impostora perfeita. Longe da irmã e pela primeira vez sob os holofotes, será que conseguirá assumir sua própria personalidade - e, de quebra, arriscar tudo em uma rebelião?


Minha opinião:

Impostores é a nova serie distópica de Scott Westerfeld, toda ambientada no mundo de sua série anterior, Feios, e retrata a nova realidade após os eventos narrados em Feios

Eu nunca havia lido nada do autor e foi uma experiência boa conhecer a escrita dele. Scott escreve para jovens leitores, então sua narrativa é bem leve e simples, fácil de acompanhar e seus personagens, apesar de capazes de fazer coisas extraordinárias, são bem novinhos. 

Frey é a grande protagonista dessa primeira parte. Ela foi treinada para ser praticamente uma guardiã, sua existência sempre foi um segredo bem guardado para que pudesse proteger e defender sua irmã gêmea, mais velha por exatos 26 minutos, Rafia.
O pai das garotas é um tremendo ditador, manipulador disposto a controlar o mundo, e usa ambas em suas estratégias loucas de guerra. 

Quando Frey é enviada no lugar de Rafia para tomar parte em uma negociação, todo mundo desconfia. Frey não sabe como se comportar socialmente, é retraída e tem pouca cultura, não é habilidosa o suficiente para conviver com os Palafox, a poderosa família que governa Victoria, um lugar bem menos opressivo do que o lar de Frey.
Quando as lealdades de Frey começam a fraquejar por causa do primogênito dos Palafox, Col, o pai da garota, sempre disposto a tudo para vencer, não se importa em tentar descartá-la e agora Frey e Col devem se unir em busca de vingança e justiça em um ambiente bem hostil, dominado não apenas pelo poderoso pai de Frey mas também constantemente atacado pelos rebeldes, misteriosos insurgentes que buscam mudar as regras da sociedade vigente. 

Tanto Frey como Col foram fáceis de acompanhar. São personagens de teor bem juvenil, então apesar de serem obrigados a lutar pela sobrevivência, o autor também se encarrega de que eles mantenham atitudes corriqueiras, tenham dúvidas e fraquezas, e sejam até um pouco infantis, pois se trata de uma história onde ambos cresceram sem conhecer a realidade cruel de outros lugares, onde vivem dentro "de suas respectivas bolhas".
O que não colou completamente pra mim foi mesmo o romance dos dois, achei que a paixão de Frey por Col ocorreu muito rápido, quando me dei conta a perigosa assassina já estava caidinha pelo herdeiro dos Palafox e isso incomoda um pouco. Porém, se a gente levar em conta que Frey é uma garota que cresceu sozinha, sem amigos, sem consolo e certamente sem se apaixonar e, de repente, ela recebe a oportunidade de desabrochar, as chances de que o garoto ao lado - no caso, Col - se torne seu primeiro amor tendem a ser óbvias. Quando a gente analisa Frey dentro desse contexto, dá pra entender porque o autor optou por esse amor instântaneo já que ele quis mostrar uma garota jovem, inexperiente, deslumbrada com toda uma nova realidade de possibilidades.

Ainda assim, acho que faltou mais química nos momentos românticos de Frey e Col. O autor quis colocar romance sem querer perder muito tempo com cenas e mais cenas de amor, só que acabou se tornando uma relação mecânica onde às vezes eles mais pareciam estar movidos pela dependência de um pelo outro do que por amor de verdade, as atitudes "carinhosas" do casal pareciam pensadas e ensaiadas, e isso foi um fraco do livro.

A trama no geral segue a linha das distopias tradicionais, onde a tecnologia é usada para o mal na maioria das vezes, as pessoas comuns convivem em um regime de extrema opressão e o líder é um tirano que só se apega à ele mesmo. Eu gostei desse vilão de Impostores, mas achei que ele recebeu pouquíssimo espaço pra mostrar do que é capaz. Espero que Scott Westerfeld foque mais nele no próximo volume pois me parece um vilão com potencial.

A narrativa é dinâmica. À todo momento acontecem coisas, e o leitor fica na dúvida com relação à vários outros detalhes já que como tudo se centra muito em Frey e Col, somos privados de qualquer informação sobre o que ocorre em outros lados da batalha. Estar à cegas é bom se tratando de uma série, pois abre infinitas possibilidades para o autor desenvolver mais nos próximos volumes e quem sabe nos surpreender.

Eu deveria dedicar algumas linhas pra falar sobre a outra irmã, a Rafia, já que estamos lidando com gêmeas, mas dela prefiro falar no próximo livro já que até aqui tudo o que temos dela ainda é bem superficial. 

Concluindo...
No geral, Impostores é uma primeira parte interessante. Apresenta um universo bem desigual e injusto, onde dois jovens vão ter que arriscar tudo pra virar o jogo. É um livro carregado de momentos de ação, com um final bem tenso que deixa o leitor com a intriga acesa pra querer saber o que acontecerá com as personagens desta nova aposta de Westerfeld.

"O mundo inteiro parece sem limites agora. Nada de treinamentos de combate pela manhã, nunca mais. Sem cafés com os Palafox enquanto finjo ser Rafi. Sem fingimentos. Só eu e meus aliados - e as coisas no escuro que querem nos matar.  A liberdade pode ser bem assustadora".


"Durante toda a minha vida achei que era a única impostora. Que todas as outras pessoas tinham certeza de que eram reais de uma maneira que jamais compreendi. Mas e se todos também estão fingindo? Talvez ninguém saiba quem é de verdade".

Scott Westerfeld nasceu em Maio de 1963 no Texas, Estados Unidos, embora sua vida adulta se define entre Nova York e Sydney. Embora seja conhecido por seus livros juvenis com tons distópicos, Westerfeld também é compositor. Se formou em Filosofia em Vassar e se dedicou à música, literatura, além de criar um software educativo para crianças. Já tem diversos livros juvenis publicados e dois deles inclusive foram incluídos na lista de Best Books for Young Adults de 2006.
É casado com a também escritora Justine Larbastier. 

Web Page Oficial: https://scottwesterfeld.com/




Até a próxima, 


Ivy

16 comentarios:

  1. oi!
    Eu gostei da dica :D não conhecia o autor, a temática do livro é bem interessante. Fiquei curiosa e ja´quero ler ;)

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ivy.
    Eu li a série Feios e gosto bastante da escrita do autor. E gostei bastante desse também. Eu não sou fã de instaloves, mas minha opinião foi parecida com a sua nessa questão. Acredito que foi mais um deslumbre da parte dela do que amor propriamente dito. Veremos o que o autor nos reserva para os próximos volumes.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia a série, mas achei o enredo e o mundo do livro bem interessante, eu gosto bastante de distopias mas tem umas que é só por Deus kkkkk
    Essa me pareceu legal, vou procurar ela por aqui, vou apostar nessa leitura. Amei o post!

    ResponderEliminar
  4. Oi Ivy, td bem?
    Eu tbm nunca li nada desse autor (e estou curiosa com a trama desse novo livro, qnt mais leio resenhas. Como faz? haha)
    Pena q a parte do romance deixou a desejar...
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog

    ResponderEliminar
  5. distopias.... ah como eu amo!
    esse eu nao li ainda, mas ja li alggumas coisas bem positivas a respeito
    otima resenha, com certeza vou ler ele em breve

    ResponderEliminar
  6. Eu li a série Feios e embora tenha gostado do primeiro livro, acho que o autor se perdeu um pouco no final. Por isso, talvez, não esteja tão empolgada para ler esse novo livro dele. Mas a história parece interessante.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderEliminar
  7. eu amo distopias, junto de fantasia, scifi e suspense são meus favs
    eu nunca li feios e confesso receio em ler impostores justamente por isso mas to bem curiosa, adoro esse estilo de ambientação.

    ResponderEliminar
  8. Tudo bem?
    Primeira resenha que leio desse livro. Estava bem ansiosa por ler alguma opinião e fiquei bem contente com o que li.

    Já separado para leitura.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Oie
    Não li a série Feios, mas na época fiquei bem curiosa. Hoje em dia não me chama muita atenção este tipo de enredo.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Dia lindo amada.
    Olha só, eu não curti Feios, até porque Distopia não é meu forte. :(
    Mas esse novo livro me pareceu interessante, adorei saber mais sobre a Frey, acredito que essa personagens eu vá gostar de verdade. O romance também parece ser bem construído. Será que agora vou curtir um livro do Scott?

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ivy!

    Tinha receio de ler esse livro já que não conferi a série anterior, mas fiquei animada de saber que é possível compreender o universo retratado sem ter a necessidade de ter lido a série anterior antes. Assim que possível vou conferir a história também!!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderEliminar
  12. Por mais que "Feios" ainda esteja na minha lista de leituras desejadas, eu não gosto de distopias. O gênero não me atrai e os livros que são lançados muito menos. Não sei se eu arriscaria ler essa série antes de conhecer o mundo criado em "Feios", mas guardarei a dica para quando estiver disposta a arriscar no gênero.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderEliminar
  13. Olá, Ivy.
    Num geral, eu gosto de livros distópicos, então acho que essa seria uma leitura que eu faria, apesar de ainda não ter lido "Feios".
    É uma pena que as cenas românticas entre Frey e Col não tenham sido muito desenvolvidas, talvez o autor não quisesse sair muito do contexto distópico.

    ResponderEliminar
  14. Olá!
    Eu já tinha ouvido falar de "Feios", mas nunca tinha me atentado muito sobre o que era a trama. Agora, lendo a resenha desse novo mundo, mas no mesmo contexto, fiquei mais curiosa, pois amo distopias. Adorei a resenha e já anotei a dica!
    Abraços

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    Tenho uma relação de amor e ódio com Westerfeld. Li a série Feios há anos e até hoje não sei ao certo se gosto ou não da série, tem vários pontos positivos, mas também tem vários pontos que eu não gostei na obra. Enfim, vim ler a sua resenha com expectativas de me ver atraída por esse livro, mas não consegui. Não vai ser com essa obra que darei uma nova chance ao Westerfeld, ao menos não no momento.

    Abraços,
    Andy StarBooks

    ResponderEliminar
  16. Olá,
    Este livro está na minha listinha e parece ser bem parecido com Feios, ao menos lendo a sinopse e tal. Gosto da proposta da distopia e o livro ser dinâmico me ajuda bastante a ler rápido. Provavelmente irei gostar!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderEliminar