(Review 314) - Thief´s Magic (Millenium´s Rule #1)

em 22 de agosto de 2019

Título original: Thief´s Magic
Autor: Trudi Canavan
Editora: Orbit (USA) 
Páginas: 553
Ano de Publicação: 2014 (EUA) 
Gênero: Fantasia / High Fantasy
Saga: Millenium´s Rule
1. Thief´s Magic 
2. Angel of Storms 
3. Sucessor´s Promise
4. Maker´s Curse
Valoração: 

Quando, em um império onde a revolução industrial se alimenta de magia, o estudante Tyen desenterra um livro antigo, se abre uma porta à um reino de mistério e perigo. Entre suas páginas está preso o espírito de Vella, uma feiticeira cuja sabedoria, acumulado ao longo dos séculos, incluí informação vital sobre o cataclisma que se aproxima. Em outro lugar, a jovem Rielle vive em uma terra governada por sacerdotes onde o uso da magia está proibido. No entanto, ela sente que possuí talento para a feitiçaria e sabe que há alguém na cidade disposto a ensiná-la. Será que ela se atreverá a enfrentar a ira dos Anjos para iniciar a aprendizagem da magia? Mas nada é exatamente como Tyen ou Rielle foram criados para acreditar. A magia não é como eles pensam, nem as leis em suas terras, e nem mesmo as pessoas em quem eles costumavam confiar.

Minha opinião:

Sabe aquele livro que a gente lê e não sente nada e por alguma razão misteriosa insiste na leitura? Aconteceu exatamente isso comigo lendo Thief´s Magic.

Deixa eu te contar desde já que Trudi Canavan construiu um mundo (ou melhor, mundos) onde tudo é muito mágico e místico, e a maneira como ela vai narrando e inserindo o leitor em seu universo deixa tudo bem novo e bem original. Fiquei com a sensação de nunca ter lido nada em um ambiente parecido (embora eu acho que já li universos parecidos, mas como disse é o jeito da autora narrar que torna tudo com jeito de novo) e com certeza o ponto mais alto da obra é justamente a construção das socidades que Canavan nos apresenta, dois reinos bem autoritários e extremistas chamados Leracia (onde vive o protagonista masculino) e Fogo (onde conheceremos a protagonista feminina). Ambos os reinos convivem com a presença da magia e de pessoas que possuem a faculdade de dominá-la. Leracia possuí uma Academia, onde magos podem se tornar professores, e exercer prestígio. Já Fogo, condena o uso da magia e através da religião o sacerdócio local busca amedrontar a população, de maneira que ninguém se arrisque a se tornar um impuro.

Das duas histórias contadas, foi a de Rielle que mais me prendeu porque tem mais emoção, mistério e também tem romance e traições. Rielle evoluí como personagem e aceita se questionar e se arriscar em muitas ocasiões e sua história foi bem construída, conduzindo à um desfecho bem escrito. Já Tyen apenas me cansou. O garotinho deslumbrado que entrou na Academia e busca agradar sempre, ansioso por provar seu valor e que de repente se vê obrigado a fugir, por causa de um artefato mágico que descobriu, Tyen passa a história inteira foragido, escapando de seus perseguidores, melancólico e, muitas vezes, ingênuo demais. Achei a história de Tyen mais fraca, e embora tivesse mais ação que a de Rielle, não tinha brilho. 

A autora aos poucos vai tornando a leitura mais tensa, e vai optando por caminhos inesperados na vida dos dois personagens. O leitor fica deduzindo uma solução mas Canavan acaba optando por outra bem ao oposto e esse elemento surpresa da trama foi o que me manteve ali, firme e forte sem desistir do livro, apesar de ter sentido pouca ou pra dizer a verdade quase nenhuma empatia pelos personagens.

A narração se dá na terceira pessoa e a história se divide em partes, ora centrada em Rielle e ora centrada em Tyen. O curioso é que os protagonistas vivem em mundos diferentes, não vão se encontrar e seus caminhos parecem ter nada em comum, mas ainda assim Canavan consegue desenvolver a trama de uma maneira que tudo se torna harmonioso e parece concluir ambos os destinos rumo à um mesmo conflito, que faz eco nos dois mundos diferentes, habitados por Rielle e por Tyen. É tudo muito incerto, e esta primeira parte, por ser bem introdutória, acaba deixando o leitor curioso mas também em dúvidas sobre o que virá e se os caminhos dos dois protagonistas finalmente se encontram em algum momento ou não.

Trudi Canavan escreve de uma maneira bem pausada, ela toma seu tempo pra nos contar uma história e a trama só vai ganhando sentido e ritmo com o passar dos capítulos, por isso mesmo o começo pode ser chatinho e enfadonho, o que me frustrou bastante já que fiquei com a sensação de que alguns muitos detalhes largamente expostos poderiam ter sido mais resumidos ou contados com um pouco mais de agilidade. 
Se trata de uma fantasia mais madura das que estou acostumada em ler. A narrativa da autora é mais complexa, seus personagens são mais centrados (muito diferentes dos adolescentes imprudentes a que estamos acostumados), mas algo ali não funcionou pra mim. A história me pareceu cansativa, eu não consegui ficar com vontade de seguir lendo a trilogia (mesmo com o desfecho interessante) e não consegui vibrar, sofrer ou me envolver por completo como geralmente acontece quando estamos encantados por uma história.

Concluindo...

Indiferença foi o que senti do começo ao final, infelizmente. Thief´s Magic não foi um livro ruim, porém, considero que não era o livro pra mim. 
Os personagens e seus conflitos não me empolgaram e mesmo com as reviravoltas da trama, minha atenção vacilava e eu só pensava em terminar logo e dar a leitura como concluída. Enfim, há certos tipos de livros que não são para todos os leitores e considero que Trudi Canavan, uma autora tão elogiada, talvez não fosse o tipo de escrita que eu necessitasse justamente neste momento. 
Não me arrependo e nem lamento ter lido o livro, mas certamente não será uma trilogia que eu seguirei lendo.


" - Você quer que eu seja seu dono? - Tyen de imediato se sentiu incômodo. Percebeu que já considerava o livro como uma pessoa, e possuir uma pessoa significava escravizá-la, uma prática imoral e desumana, extinta há mais de cem anos".
Escritora australiana, Trudi Canavan cursou Desenho e Decoração no RMIT de Melbourne e atualmente é uma conhecida autora de livros juvenis de fantasia. Seu trabalho como ilustradora e desenhista é muito valorizado na indústria editorial de seu país. 
Depois de publicar seus primeiros contos fantásticos na revista "Aurelis", Canavan começou a escrever a série que seria um grande êxito internacional, "Black Magician Trilogy". Logo depois Canavan alcançou sucesso com a trilogia "Traitor Spy Trilogy".
Ao longo de sua carreira, Caravan ganhou inúmeras vezes o prêmio Aurelis, um dos mais importante prêmios literários da Austrália. 

Web Page Oficial: http://www.trudicanavan.com/

Twitter: Trudi Canavan




Nos lemos, 

Alice

16 comentarios:

  1. Oi, Alice tudo bem? Que pena que a leitura não tenha lhe agradado totalmente, mas eu gostei da premissa da obra, se tiver a chance o lerei com certeza. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Olá!! :)

    Eu confesso que nao conhecia este livro ainda, mas acho uma pena que ele nao te tenha conseguido carivar. Que bom que trouxeste opiniao, ainda assim.

    Enfim, espero que muitos leitores, ao contrario do que aconteceu consigo, tenham apreciado e vivido os problemas das personagens! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderEliminar
  3. Oi Alice,

    Eu li os dois primeiros livros da trilogia do Mago e senti a mesma coisa que você.
    A autora tem potencial e escreve e descreve bem, mas senti a história cansativa e me desanimei tanto que nem li o último livro que está pegando poeira na minha estante.

    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderEliminar
  4. Oi Alice,
    Eu tenho uns livros dela aqui, mas desanimei com a leitura por ler resenhas negativas sobre a narrativa dela, mas ainda quero conhecer.
    Eu adoro premissas envolvendo mágica e um lado mais místico, mas uma pena que essa leitura não foi tão positiva pra vc.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderEliminar
  5. Oi Alice!
    Desapego aos personagens e a um inferno. Quando nao consegue se conectar a experiencia de leitura sempre tende a falhar. Aconteceu recentemente comigo e entendo seus posicionamentos. Mas talvez tambem ficasse irritado com a enrolacao no começo. Gosto de ter o plano de fundo da historia, mas nao gosto de coisa detalhada demais.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Oi, Alice

    Ainda pior do que detestar uma história é sentir indiferença por ela. Como eu não consigo abandonar livros, vira e mexe passo por isso. Leio para saber o que vai acontecer sem estar verdadeiramente interessada. Que pena que foi esse tipo de leitura para você, mas acontece. Mesmo com as ressalvas achei interessante o fato dos personagens pertencerem a diferentes cenários e fiquei curiosa para saber sobre esse possível encontro.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar
  7. Oi, Alice!

    Horrível quando só empurramos a leitura né? quando eu acabo, sinto a necessidade de ler algo que eu goste muito para esquecer a experiência.
    Mas achei interessante que a narrativa da autora quanto ao universo é inovadora. temos algo bom então.

    beijos,
    Blog Diversamente

    ResponderEliminar
  8. Oi! Eu tenho uma trilogia dela aqui, lembro que gostei do livro um, mas acabei deixando os outros parados na estante. Que pena que a leitura não foi boa para você. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  9. Olá, não conheço a obra, mais é bem ruim quando a leitura não atinge nossas expectativas, espero que as próximas sejam mais positivas.

    ResponderEliminar
  10. Eu fico frustrada com a leitura quando tem excesso de detalhes, como você, acabo com esse sentimento de indiferença, não conhecia o livro e se tivesse a oportunidade, lerei porque alguns aspectos que você trouxe na resenha foram peculiares ao menos para mim e despertou curiosidade, mas vou com o pé atrás nessa leitura,

    ResponderEliminar
  11. Oi, Alice!
    Uma pena não ter funcionada a leitura para você. Sei bem como é o sentimento de: esse livro precisa abacar. Quando a gente não se conecta com os personagens é terrível. Bom, não conhecia o livro, mas também não fiquei curiosa.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  12. Eu realmente não conhecia essa ´serie O.O
    É uma pena a história não ter funcionado com vc. E como temos gostos parecidos, acredito que também me incomodaria com os personagens e seus conflitos. Mas mesmo com as ressalvas, quem sabe um dia eu dê uma chance. <3

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  13. Oi Alice.

    Que pena que não foi uma leitura tão proveitosa. Mas pela sua opinião confesso que fiquei bem curiosa para lê -lo. Vou anotar a dica quem sabe eu tenha a chance de lê-lo.

    Bjos.

    ResponderEliminar
  14. Oi, Alice!
    Fantasia já não é o tipo de leitura que costumo ler mais, lendo sua resenha, não consegui ter aquela vontade de iniciar a leitura sabe?
    Beijão!

    ResponderEliminar
  15. Olá, tudo bem? Nossa, indiferença é um dos piores sentimentos para ser descritos numa leitura. Não conhecia a trilogia, até porque vi que não foi traduzida, e com seu comentário ficarei com um pé atrás. Apesar de amar fantasia, tenho outras diversas séries para iniciar uma que talvez não curta. Ótima e sincera resenha!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Oi Alice,
    Não conhecia o livro, mas só pela sua resenha fiquei com a impressão de que seja qual for o destino que a autora preparou para os personagens, se ela tivesse focado apenas na menina teria desenvolvido um enredo muito melhor... Uma pena de verdade porque amo fantasias e essa poderia ser melhor.

    Beijokas

    ResponderEliminar