(Review 316) - The Cabin

em 28 de agosto de 2019

Título original: The Cabin
Autor: Natasha Preston
Editora: SourceBooks Fire (USA) / CrossBooks (Espanha)
Páginas: 327
Ano de Publicação: 2016 (EUA) 
Gênero: Thriller Juvenil
Valoração: 
Goodreads / Amazon Skoob 


Um fim de semana de curtição em uma cabana isolada no bosque é justamente o que Mackenzie necessita. Ela só quer se divertir muito com seus amigos, longe dos pais e das responsabilidades de sempre. Mas, depois de uma noite bem louca, dois deles morrem... assassinados. Sem evidências de que a porta tenha sido arrombada, as suspeitas recaem sobre o próprio grupo de amigos. Entre eles há um assassino. Mas o detalhe é que no fundo nenhum deles é completamente inocente. 




Minha opinião:

The Cabin, um thriller juvenil escrito pela autora Natasha Preston, é aquele tipo de livro que parte de uma premissa certeira, que costuma agradar aos leitores ainda que pareça uma fórmula já saturada. Era o tipo de livro que me picava a curiosidade justamente porque costumo desfrutar um monte desse tipo de trama e, confesso que guardava algumas expectativas já que Preston me surpreendeu em seu outro livro, The Cellar. No entanto, The Cabin acabou sendo uma grande decepção, já que aqui não encontrei nada, absolutamente nada, que pudesse salvar nessa história.

A história começa quando 7 adolescentes decidem passar o fim de semana em uma cabana isolada no meio de um bosque. Eles estariam comemorando o final do ano letivo e início das férias de verão, quando suas vidas começariam a mudar já que a partir daquele ponto iriam se separar para estudar em diferentes universidades. Logo na primeira noite, após uma longa bebedeira, Mackenzie e Blake não resistem a atração e acabam juntos em uma das suítes do lugar. Quando Mackenzie desperta na manhã seguinte, com a mente ainda enevoada pela ressaca, ela repara no silêncio que domina a casa e, logo depois encontra os cadáveres de dois de seus amigos, brutalmente esfaqueados no meio da cozinha.
Logo, a polícia conclui que não há como um terceiro ter entrado na cabana, o que deixa como suspeitos aos 5 sobreviventes que restaram. Mackenzie não pode crer que seu crush ou seus 4 melhores amigos sejam capazes de assassinar à sangue frio daquela maneira. E quando outro cadáver aparece e mensagens ameaçadoras começam a aparecer no celular de Mackenzie, ela decide investigar o crime por contra própria, em uma tentativa de provar para si mesma que não está vivendo entre assassinos. 

Eu adoro esse tipo de trama. É clichê, é tema batido já, há por aí 100000 filmes parecidos à isso e outros 50000 livros com a mesma premissa mas... continuo amando. É aquele clichê certeiro, que por mais óbvio que vá soando consegue ainda assim instigar toneladas de leitores. 
O problema aqui é que Natasha Preston falhou, e nem sei direito por onde começar a explicar tudo que ODIEI no livro.
O começo é bem fraco, o assassinato possui uns toques muito surreais (sério mesmo que duas pessoas são esfaqueadas e ninguém escuta?? Sério mesmo que o assassino conseguiu matar os dois e ainda deu tempo de sumir com a roupa, a arma do crime e tudo o mais, sem deixar qualquer tipo de vestígio?? Sério mesmo que a policia seria idiota de sair compartilhando teorias com adolescentes suspeitos do crime e, pior, apoiar acusações tendo como base fofoquinhas do ensino médio?).
Com esse começo péssimo, eu até esperava que a trama fosse melhorando, mas não.

O desenvolvimento do enredo é cheio de falhas, de pontas soltas e de tentativas de reviravolta que ao final foram risíveis de tão absurdas. 
E o final, que poderia ao menos trazer algo de dignidade à trama, foi ainda mais patético. A impressão que deu é que a autora foi escrevendo, escrevendo e de repente chegou em um ponto onde nem ela mesma sabia como terminar aquilo. Foi um final muito ruim, sinceramente um dos piores finais que já li na vida (aliás nem me lembro de um final tão péssimo quanto este). Aí, quando tudo parecia estar resolvido e o leitor já ia dando graças à Deus por ter tido as forças de terminar de ler aquilo, a autora tenta forçar uma reviravolta que acaba estragando ainda mais (se é que era possível) a história. 

Sabe aquele livro que dá vontade de queimar? Pra mim esse foi um deles. 
Eu não consigo entender até agora nem como o livro ainda consegue alcançar respeitáveis 3.62 de valoração no Goodreads. Sério mesmo. 
Já li livros com valoração mais baixas que esse e sinceramente me pareceram melhores em suas tramas. 
Eu tentei buscar na memória algo que pudesse salvar The Cabin nessa resenha, mas não houve quase nada.

Os personagens são tãooooooooo estereotipados que dá vontade de rir. Os motivos que incriminam cada um deles ao longo da leitura são motivações fracas, infantis demais pra crer que alguém assassinaria outras duas pessoas baseando-se em razões tão fúteis. Ok, minha ressalva talvez vá para a protagonista Mackenzie, achei o tal "segredo" dela bem plausível.
Aliás, falando no segredo de Mackenzie e junto já englobando os outros também, senti que a autora quis abordar todos os assuntos possíveis através de seus personagens, ela pegou tudo oque anda em discussão atualmente e quis jogar na trama. O problema é que ficou superficial, nenhum assunto foi tratado com a devida importância que merecia, o que deixa tudo ainda mais triste, pois a história toda tinha potencial e simplesmente se perdeu.

Como ponto positivo apenas deixo a narrativa de Natasha Preston, ela consegue manter algo de suspense mesmo diante de uma trama medíocre. Eu li rápido o livro, porque apesar dos mil e um erros nele, a maneira como está escrito faz o leitor devorar as páginas. Porém, se for apenas pela narrativa boa de Preston, melhor então ler seu outro livro, The Cellar, que está infinitamente superior à este. 

A impressão final que tive foi que a autora tentou criar uma história ao estilo E não sobrou nenhum , misturado à Um de nós está mentindo e Pretty Little Liars. Dá pra notar as referências e influência destas três histórias na trama de Preston, o problema é que ela apenas se inspirou nas idéias contidas em cada um desses livros, mas não soube desenvolver a trama toda para torná-la única e cativante. Ficou parecendo um rascunho, algo sem revisão, que foi terminado às pressas porque talvez até a própria autora se sentiu desanimada demais pra dar um final digno àquela bagunça toda.

Concluindo...
The Cabin é simplesmente um livro ruim, daqueles que melhor esquecer após terminar essa resenha, pois foi uma total perda de tempo e paciência. Desejo boa sorte à todos os valentes que ainda assim decidirem se aventurar na história. De coração desejo que o livro agrade aos outros leitores, quem sabe ao ir com as expectativas mais baixas, a leitura acabe até resultando mais interessante... Pra mim foi uma verdadeira lástima, que me deixou bem desapontada e que, no mínimo, figura como um dos piores que li nos últimos meses (se não for o pior de todos mesmo).


"Nós vamos ficar bem... Essa é certamente uma das mais frases mais usadas, mas também uma das mais verdadeiras. Não importa o que tenha acontecido, ou quão profundamente você tenha sido ferido, o mundo vai continuar a girar e você vai continuar a respirar. As coisas podem ser terríveis por um tempo - às vezes por um longo tempo - mas, eventualmente, você será capaz de seguir adiante em algum momento. Eu só não sabia se teria paciência ou energia para esperar por esse momento".

Natasha Preston nasceu na Inglaterra e viveu em pequenas cidades e aldeias no campo desde então. Já trabalhou como recepcionista, e na área administrativa. Em 2010 começou a escrever e ficou famosa com seu suspense The Cellar. Atualmente mora com seu marido Joseph, e é mãe de um menino.


Twitter: Natasha Preston



Nos lemos, 

Alice

10 comentarios:

  1. Oi, Alice tudo bem? Que chato hein! Você acabou com o livro, sério você o levou a fogueira e não restará vestígios da obra da Natasha Preston! Eu não li esse livro, então obviamente não posso dar a minha impressão da obra, mas eu particularmente amo thrillers, apesar da sua crítica negativa eu o leria, pois gostei da premissa dele, mesmo sabendo do clichê e dos pontos fracos da obra em que você mencionou. Psrabéns pela sinceridade em sua análise, é bastante difícil encontrar uma resenha como a que você elaborou citando todos( ou quase todos) pontos negativos do livro. Abraços!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Oi, Alice! Esse tipo de narrativa nunca me interessou e chamou a atenção. Mas fiquei chocada com a resenha! É tão triste quando um livro é ruim, né? Isso prova que a pressa é inimiga da perfeição. Talvez se a autora tivesse dedicado mais tempo e desenvolvido melhor a história, isso não teria acontecido, né?
    Adorei a postagem e a sinceridade ♥

    Estante Bibliográfica

    ResponderEliminar
  3. Oi, Alice!

    Não conhecia esse livro, a premissa até chama um pouco atenção. Uma pena que tenha tantas falhas a ponto de decepcionar desse jeito.
    Vou passar longe!

    Beijos
    Construindo Estante || Promoção de aniversário do blog

    ResponderEliminar
  4. que pena que o livro é fraco e tão cheio de falhas, bom saber pra eu passar longe dele

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  5. Oiiiee!!!!!
    Não conhecia o livro, nem o autor, mas falou em thriller já fico interessada...
    Esse é o gênero que eu mais tenho lido de uns 2 anos pra cá, mas que pena que você não gostou, isso me deixa com pé atrás também rs Não me atreveria a ler depois dessa resenha rs
    Detesto livros que deixam essa impressão que você ficou... é uma pena, né?!
    Boa sorte com os próximos!

    Beijinhos ;*
    Sankas Books

    ResponderEliminar
  6. Miga você teve coragem, porque eu mesma já teria jogado o livro fora antes de terminar. Eu acho essa fórmula ótima, porque nem curtindo o gênero eu super leria, bem uma vibe Quem de nós está mentindo, mas se a autora não consegue desenvolver isso bem não há nada que salva. Uma pena hein...
    Beijo
    Capítulo Treze
    INSCREVA-SE NO CANAL
    Sorteio de aniversário dos blogs O que tem na nossa estante e Balaio de Babados
    Sorteio do livro Meu Romeu - Leisa Rayven

    ResponderEliminar
  7. Amei sua resenha, sua sinceridade é o que torna suas resenhas incríveis. Lendo a sinopse jurava que o livro era bom. Uma pena ter sido tão ruim assim!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderEliminar
  8. Oi, Alice!

    Esse livro me lembrou aqueles suspenses que estavam em alta no final dos anos 90, começo dos anos 00, com adolescentes em bosques, florestas ou cabanas, sempre fazendo merda hahahahah uma pena a leitura ter sido tão decepcionante... :/ Boa sorte com os próximos!

    Beijos

    renatavarelaescreve.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Pelo que tu disse na resenha, ficou parecendo que esse livro é um "Combo Cilada" porque não tem nada que deixe a gente com vontade de ler. Ao menos não a mim. Porque apesar da história ser aquele clichê bacana de ler, se não for bem desenvolvido acaba sendo uma decepção e perda de tempo, o que é uma pena.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderEliminar