(Review 331) - O Analista

em 7 de noviembre de 2019

Título original: The Analyst
Autor: John Katzenbach
Editora: Novo Século (Brasil) / Corgi (USA) / Ediciones B (Espanha)
Páginas: 464
Ano de Publicação: 2003 (EUA) / 2013 (Brasil)
Gênero: Thriller Psicológico / Suspense
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva / Cultura


"Feliz aniversário de cinquenta e três anos, doutor. Bem vindo ao primeiro dia de sua morte". Assim começa a carta que Frederick Starks, um psicanalista de Nova York, recebe no dia de seu aniversário. A vida tranquila que Starks conhecia até então acaba ali. Ele é lançado em um verdadeiro jogo mortal, por um psicopata que se autodenomina Rumplestiltskin. Em uma eletrizante corrida contra o tempo, Stark deve descobrir a identidade e as motivações do assassino: quem é este homem, cuja vida foi supostamente destruída por Stark no passado? Se falhar, ele testemunhará a destruição de seus familiares e conhecidos, um após o outro... A não ser que tire a própria vida. À mercê de um homem que parece estar sempre um passo à frente, o analista deve usar todos os seus recursos para deter o psicopata e seu desejo de vingança, antes que isso o leve ao suicídio ou à insanidade. Um romance impressionante, na tradição dos suspenses psicológicos, baseado na delicada relação entre analista e paciente.


O Analista é um thriller psicológico bastante extenso que nos apresenta um protagonista bem incomum. Frederick Starks é um monótono viúvo que acaba de completar seus 53 anos. Ele trabalha como psiquiatra para os bem sucedidos de Manhattan, e vive uma vida super previsível. Bem no dia de seu aniversário o Dr. Starks recebe uma carta anônima, contendo uma ameaça velada contra sua vida, e anunciando que o jogo começou e que ele tem 15 dias para descobrir o autor da carta ou será forçado a se suicidar (ou caso recuse a opção de se suicidar, o autor da carta promete destruir um dos 53 parentes mais próximos do Dr. Starks). 
Em princípio o cético Dr Starks pensa que só pode ser um delirio de mau gosto de algum paciente frustrado, mas logo ele começa a levar a sério as palavras da carta quando, com o passar dos dias, sua vida começar a ruir. Seu emprego, sua reputação, suas finanças, sua casa e tudo oque considerava intocável começam a desaparecer, através de golpes inteligentes aplicados pelo misterioso Sr. R ou Rumplestiltskin (uma referência ao personagem dos contos dos Irmãos Grimm). A ameaça do Sr. R é real e ao mesmo tempo assustadora, pois Starks nunca sabe onde será atingido e conforme os dias passam e se aproximam do prazo final, Starks fica com a vida por um fio, tentando descobrir a identidade e as razões de um homem que está sempre um passo à frente.

Minha opinião:

O Analista parte de uma premissa até que simples. Um psiquiatra, acostumado a ouvir todos os problemas de seus pacientes e agir sempre de maneira imparcial de repente se vê confrontado por alguém nitidamente insatisfeito, que o acusa de haver destruído sua vida. À partir daí esse anônimo, tal qual um fantasma, começa a destruir ponto a ponto de cada uma das estruturas que sustentavam a vida do protagonista principal.

O Analista é mais que tudo um livro tenso, que desafia o leitor à prever as jogadas inteligentes do Sr. R e seus comparsas no caminho para vingar-se do Dr. Starks. A grande pergunta do livro, o porquê de tudo isso, é respondida apenas na metade do livro, então até lá o leitor se vê à cegas, da mesma maneira que o personagem. 

Tive alguns problemas com esse livro que me impediram de dar 4 estrelas apesar dos detalhes bem elaborados. 
Primeiramente houveram alguns acontecimentos que me pareceram bem surrealistas. O autor, no afã de tentar construir um jogo de gato e rato onde o inimigo oculto estivesse sempre com um às na manga, acaba se excedendo em alguns pontos e construindo certos momentos bem difíceis de se crer. Que o Sr. R fosse alguém astuto, determinado, implacável e inteligente, eu já havia notado. Porém, custa imaginar alguém capaz de construir certos cenários como o personagem o fez, simulando assassinatos e acidentes sem que ninguém, à exceção de Starks, pudesse se dar conta. 
Em segundo lugar, no próprio protagonista Starks faltou mais realismo. Dificil crer que uma pessoa certinha e cansativa, que mede cada passo, não contratasse sequer um detetive particular quando dispõem dos recursos financeiros para isso? E o mais absurdo de tudo: como assim um psiquiatra não sabe usar a internet e não se sente tentado em fazer sequer uma busca sobre a identidade do seu torturador quando consegue as primeiras pistas sobre o mistério?
O que acontece com Frederick Starks ao longo dos capitulos é bem torturante e como leitora senti que o personagem agia de maneira muito passiva, não se tornava coerente com o desespero esperado para alguém sofrendo uma ameaça injusta, grave e real.

O livro é dividido em duas partes: a primera quando temos esse Dr. Starks ultra passivo levando nocaute atrás de nocaute em momentos um pouco surreais. E uma segunda parte onde ocorre toda uma reviravolta.
Nessa segunda parte há momentos e reações ainda mais contraditórias. E há momentos onde a narrativa se mostra bem maçante, pois se constitui basicamente no personagem se preparando para colocar em prática planos elaborados que poderiam ter sido explicados em metade das páginas utilizadas. Enfim, tinha muita coisa de recheio que cansa o leitor.

O pior de tudo é ler mais de 500 páginas e topar com um final incompleto. Faltaram tantas explicações! O autor quis ser misterioso e deixar as coisas no ar, mas há detalhes cruciais que o leitor, após mergulhar em uma trama como essa, P-R-E-C-I-S-A saber, pois são as respostas que ele buscou durante quase todo o livro! E quando chega a hora dos finalmentes, o autor dá voltas e voltas e prefere continuar mantendo o leitor no suspense, sem revelar quase nada. Ah, para né? 

Os personagens são OK. O Dr Starks, protagonista absoluto da trama não é nenhum poço de carisma, mas tratando-se de um thriller sobre um tio monótono e tipico, acho que ele representa bem seu papel, a caracterização do personagem convence. 
Os vilões, Sr R e seus cúmplices são os mais intrigantes e são eles que sustentam a trama e fazem a história valer a pena. Daí minha revolta em ver o desfecho estar incompleto. 

É uma trama de poucos personagens, mas de algumas reviravoltas. Ainda assim, talvez por serem tão poucos personagens ficou fácil intuir muitos dos mistérios. Os cúmplices do Sr. R por exemplo eu já sabia desde a metade quem poderiam ser, e a própria identidade de R não foi nenhuma surpresa. Enfim, por ser um thriller, houveram poucas surpresas pra mim, talvez apenas alguns momentos inesperados. Ainda assim, a narrativa angustiante de Katzenbach prende o leitor em uma linguagem fácil e envolvente.

Concluindo...

Embora seja um livro com uma trama inteligente e jogadas mirabolantes do protagonista e dos antagonistas, O Analista não é inesquecível. É apenas aquele tipo de thriller com pouco sangue e muito mistério, bom pra fazer o leitor desvendar toda a conspiração ao redor do injustiçado Dr. Starks. Enfim, embora não seja um livro excelente, é um livro que recomendo principalmente para quem prefere um suspense com um grupo reduzido de personagens e uma premissa que, apesar de simples, consegue ser intrigante.



Aceite a loucura. Creia no delírio. Estabeleça a dúvida. Alimente a paranóia.

John Katzenbach é o filho de Nicholas Katzenbach, ex-procurador geral dos Estados Unidos. 
John trabalhou como repórter de tribunal penal para o Miami Herald e para o Miami News. 
É casado com Madeleine Blais e atualmente vive no oeste de Massachusetts, EUA.

Web Page Oficial: http://www.johnkatzenbach.com/







Até a próxima, 


Ivy

22 comentarios:

  1. A história me parece ser interessante, principalmente por se tratar de um Thriller psicológico de arrebentar o coração dos leitores de angustia em desvendar o mistério do psicanalista. Uma pena que a trama seja enorme e que não chegou em nenhuma conclusão palpável ao meu ver deixou a desejar. Talvez futuramente eu resolva dar uma chance, mas por enquanto não me interessei pela leitura.

    ResponderEliminar
  2. Fiquei de cara com esta história! srsr. Que situação mais estranha a que este senhor se envolve! Achei significativos os pontos que você ressaltou sobre o livro. Apenas fiquei pensativa sobre a questão da internet. Afinal, ele já tem 53 anos. Mas tirando isso, achei bem interessante a resenha!

    Até breve!

    ResponderEliminar
  3. Oi, Ivy como vai? Adorei sua resenha. Esse livro me parece ser bastante diferente de um thriller convencional, muito embora suas ressalvas sejam bem pertinentes, gostei desse livro e procurarei para ler. É bem provável que eu faça uma resenha da obra, se a mesma for o que eu espero. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Oi Ivi!
    Gostei principalmente do nome do livro, mas lendo sua resenha deu para perceber que faltou alguma coisa a mais para ser um ótimo livro. Não gosto ao final de um suspense ou mistério e ficar me perguntando, sobre aquele detalhe ou aquele acontecimento que ficou sem um final ou realmente não entendi o que aconteceu, é meio frustante. Sua resenha está maravilhosa, parabéns por sua sinceridade em relação a leitura, adorei alguns detalhes que colocou sobre a história. Bjs!

    ResponderEliminar
  5. Olá! Tudo bem por aí?

    Esse é o tipo de livro que me prende a atenção de um jeito que eu não sei explicar, porém, essas questões muito surreais às vezes me fazem perder o encanto pela obra. O que é interessante nos thrillers psicológicos é justamente a possibilidade daquilo tudo acontecer, então, isso corta um pouco a vibe.

    Adorei a resenha.
    Abraços.
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderEliminar
  6. Olá, Ivy.
    Fiquei muito interessada na história. Mas depois lendo sua opinião desanimei um pouco. Detesto livros de suspense onde não temos tudo explicadinho no final. É ótimo levantar várias questões ao longo do livro para prender o leitor, mas responde elas no final poxa hehe.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  7. Oi Ivy,

    Realmente o livro parece ser bem intrigante!
    Não é muito meu tipo de leitura de suspense, mas acho que interesse esse tipo de enredo.
    É uma dica que anoto para ler mais para frente rs.

    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderEliminar
  8. Oi Ivy!
    Depois de A Mulher na Janela minha cota de Thriller esta encerrada. Talvez um dia eu de outra chance mas nao por hora. Nao consigo me envolver na leitura e menos ainda me apegar a algum personagem.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. Confesso que nunca li um livro assim, mas fiquei curiosa para acompanhar o decorrer da história e ver o que acontece! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderEliminar
  10. Oi Ivy.

    Eu ainda não tinha visto este livro e pela sua resenha eu fiquei curiosa pois adoro Thrillers. Já estou adicionando na lista de desejados. Quero muito saber essa história completa. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderEliminar
  11. Olá, tudo bom?
    É bem chato quando o autor tem uma premissa tão boa nas mãos e peca na execução, né? Eu tinha me sentido super intrigada com a sinopse! No entanto, quando você falou que o livro tem elementos e cenas bem mirabolantes e inverossímeis em alguns momentos e que suas explicações ainda deixam a desejar eu acabei desanimando da leitura.
    Adorei sua resenha! Muito bem escrita e pontual.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  12. Ops, finais incompletos me mata e me deixa muito irritada (hahaha) isso realmente foi lamentável e parece que o autor tinha muito para acertar, apesar de ter algumas coisas irreais demais e um protagonista cansativo ninguém merece.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderEliminar
  13. Hmmm, não conhecia a obra, mas achei bem interessante. Uma pena que alguns pontos deixaram a desejar para você. Tinha tudo para ser uma obra incrível!

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderEliminar
  14. Oi Ivy, eu ia ter um treco em ler mais de 500 páginas e o autor não deixar toda a história fechadinha! Até ler sua resenha eu não conhecia esse livro, achei bem interessante pela resenha mas fico com o pé a trás de ler pelo ator manter mistério até o fim.Eu sou daquelas que quer respostas RSrsr
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  15. Oi, Ivy!

    Realmente, para 500 páginas o mínimo que o leitor espera é ter um final completo e com todas as dúvidas respondidas. Uma pena isso não ter acontecido, mas fico feliz por mesmo assim a leitura ter sido agradável! A premissa é mesmo bem bacana e parece envolver bastante o leitor.

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. nossa parece mesmo um thriller psicológico super tenso, adorei essa indicação e fiquei curiosa pra ler

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderEliminar
  17. Eu AMO thriller!!!
    Como eu ainda não conhecia esse livro?
    Eu gostei das suas considerações, me deixou interessada!!
    E eu gosto de histórias com pouco sangue e muito mistério, haha

    Beijinhos :*
    Thay - Sankas Books

    ResponderEliminar
  18. O que me irrita nesse tipo de livro é que, na maioria das vezes, os autores querem ser inteligentes, surpreendentes e acaba se perdendo. Criam situações irreais. Pelas suas considerações, não é um tipo de livro que chame minha atenção.

    ResponderEliminar
  19. Olá, tudo bem Ivy?

    Nossa, esse livro é bem grandinho, 500 páginas não é pouca coisa. Eu gostei da resenha, adoro thriller, mas infelizmente no momento não estou na vibe de ler livros grandes. Vou anotar a sua dica.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  20. EU QUERO LER PRA ONTEM! Mesmo você achando que não é um thriller pra lá de inesquecível, me chamou muito a atenção. Meu gênero favorito é thriller psicológico e eu já estou em cólicas pra conseguir ler esse.
    ADOREI a dica!!!! Beijão

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderEliminar
  21. Olá tudo bem? Adorei sua resenha, não conhecia o livro mais fiquei bem curiosa, gosto muito do gênero então acredito que iria gostar da leitura, tomara que eu tenha a chance de ler!

    ResponderEliminar
  22. Que premissa mais interessante, eu gosto muito desse gênero e acho que posso gostar da leitura, sua resenha me deixou bem curiosa e parece ser bem do jeitinho que eu gosto mesmo.

    ResponderEliminar