(Review 339) - A mulher na cabine 10 - De repente, no último livro

28 de marzo de 2020

(Review 339) - A mulher na cabine 10

Título original: The woman in cabin 10
Autor: Ruth Ware
Editora: Rocco  (Brasil) / Simon & Schuster (EUA) / Salamandra (Espanha)
Páginas: 320
Ano de Publicação: 2016 (EUA) / 2017 (Brasil)
Gênero: Thriller Psicológico
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva / Cultura

Aclamado pela crítica e há mais de 30 semanas na lista dos mais vendidos do The New York Times, A mulher na cabine 10 estabelece de vez Ruth Ware como um dos grandes nomes do suspense contemporâneo, na melhor tradição de Agatha Christie. No livro, uma jornalista de turismo tenta se recuperar de um trauma quando é convidada para cobrir a viagem inaugural de um luxuoso navio. Mas, o que parecia a oportunidade perfeita para se esquecer dos recentes acontecimentos acaba se tornando um pesadelo quando, numa noite durante o cruzeiro, ela vê um corpo sendo jogado ao mar da cabine vizinha à sua. E o pior: os registros do navio mostram que ninguém se hospedara ao seu lado e que a lista de passageiros está completa. Abalada emocionalmente e desacreditada por todos, Lo Blacklock precisa encarar a possibilidade de que talvez tenha cometido um terrível engano. Ou encontrar qualquer prova de que foi testemunha de um crime e de que há um assassino entre as cabines e os luxuosos salões e os passageiros indiferentes do Aurora Boreal. 


Já li dois livros da jovem autora britânica Ruth Ware. Muita gente me recomendou A mulher na cabine 10  justamente por eu ter gostado de seu mais recente suspense, O Jogo da Mentira. As resenhas que li confirmavam que A mulher na cabine 10 era mais surpreendente e mais envolvente que O Jogo da Mentira. Mas, como pra toda regra há uma excessão, me apresento agora mesmo como a excessão, porque eu gostei muito mais O Jogo da Mentira.

A mulher na cabine 10 é legal, se lê rápido, e é diferente ao estar ambientado em um navio de luxo. Mas creio que as altas expectativas que tinha para esse livro acabaram me frustrando. 
A história nos apresenta Lo Blacklock, uma jornalista que escreve para uma revista de viagens e turismo, a Velocity. Lo sempre teve grandes sonhos, e escrever sobre viagens e turismo não estava em seus primeiros planos. Ainda assim, ela se dedica e espera pela grande chance de receber uma promoção e se destacar em seu trabalho. Quando Rowan , a chefe da Lo, a seleciona para fazer a viagem inaugural de um pequeno navio de luxo, Lo promete a si mesma agarrar a oportunidade com unhas e dentes. Mas após um violento assalto à sua casa, Lo se sente frágil e aflita, e quando embarca no tal cruzeiro, suas paranóias ganham ainda mais força. Logo na primeira noite, Lo testemunha um evento estranho na cabine ao lado da sua. Uma mulher misteriosa, sons estranhos e finalmente um baque forte no mar, como o som de um corpo sendo arremessado. A varanda exibe manchas de sangue, e Lo pode apostar que acabou de testemunhar um crime brutal. Quando ela resolve denunciar o ocorrido aos responsáveis pelo navio, descobre que a tal mulher na cabine 10 nunca existiu e que a cabine estava inclusive vaga. Mas Lo tem certeza do que viu, e agora vai partir numa investigação profunda para descobrir os segredos que esconde o navio e sua tripulação, e saber se a mulher na cabine 10 é a vitima de um esquema sombrio e cruel, ou se é apenas fruto de sua imaginação e frustração.

Minha opinião:

É impressionante que um suspense com ares de Agatha Christie não conseguisse me prender de jeito nenhum, mas faltou algo em A Mulher na cabine 10 que transformasse a trama em algo fascinante pra mim. Em parte culpo a protagonista Lo. Achei que faltou empatia, difícil se sentir familiarizada com a garota que está sempre oscilando entre paranóica, neurótica ou completamente depressiva. Não é um personagem forte e nem cativante, e grande parte das vezes Lo parece se deixar levar, ora por outros ao seu redor, ora por seus delírios mesmos.

Review: The Woman in Cabin 10 by Ruth Ware - Dead GoodTemos outros personagens secundários, alguns que adquirem até algum destaque, mas outra vez achei que faltou maior desenvolvimento em muitos deles. Alguns possuem uma estória bacana e suspeita, mas as atitudes me pareceram superficiais. Outros, que poderiam ter agregado algo, ficaram relegados à segundo plano, servindo apenas como suporte à trama que se desenvolve toda em torno de Lo.
Apesar destas falhas na protagonista e nos personagens todos no geral, A Mulher na cabine 10 também teve seus bons pontos positivos.

A ambientação é boa, dá pra sentir aquela atmosfera do navio e o clima sombrio permanece nítido durante toda a estória. 
As reviravoltas foram inteligentes, eu não conseguia prever o próximo passo que a autora tomaria, e a trama muda de rumo vários vezes fazendo o leitor até mesmo duvidar da veracidade do narrador e dos fatos que vai contando. Bem ao estilo Agatha Christie, a autora Ruth Ware consegue nos fazer duvidar de cada personagem, tornando tudo meio surreal, meio mórbido. 
O final foi bom. Achei que a trama se encerrou de maneira satisfatória embora alguns eventos que poderiam ter sido mais emocionantes no grande desfecho acabaram se resolvendo de maneira bem simplória.

Concluindo...

Em resumo, apesar de A mulher na cabine 10  ter sido uma leitura rápida, diferente e em muitos pontos intrigante, foi um livro de altos e baixos para mim. 
Embora não seja um livro perfeito, e possua suas falhas (em especial a falta de carisma da protagonista que acaba cansando o leitor), também apresenta detalhes únicos, desde sua ambientação peculiar e luxuosa, até uma trama onde cada personagem apresenta um caráter duvidoso, e aos poucos tudo parece possível. Com um desfecho inusitado, acaba sendo uma boa pedida pra quem busca por um suspense curtinho, mas com um toque que o faz diferente do que geralmente encontramos no gênero.



" Minha amiga Erin diz que todos nós temos demônios dentro de nós, vozes que sussurram que não somos bons, que se não conseguirmos aquela ascensão ou não passarmos naquele exame, revelaremos ao mundo exatamente o tipo de saco inútil de peles e tendões que realmente somos. Talvez isso seja verdade. Talvez eu só tenha vozes mais altas. "




Booktrailer:





Ruth Ware cresceu em Sussex, na costa sul da Inglaterra. Ela trabalhou como garçonete, livreira, professora de inglês como língua estrangeira e assessora de imprensa. Ela agora mora no norte de Londres com sua família.

Seu thriller de estréia, In a Dark, Dark Wood, foi um best-seller do New York Times, e foi escolhido para o filme pela New Line Cinema.
Web Page Oficial: https://ruthware.com/

Twitter: Ruth Ware



Até a próxima,


Ivy

15 comentarios:

  1. Oi, Ivy tudo bem? Eu também não consegui me conectar completamente com a protagonista deste livro, muito embora seje um bom livro, faltou muitos detalhes para que a leitura cumprisse totalmente e suprisse as altas expectativas colocadas nesse livro. De todo modo o livro vale a leitura. Parabéns pela resenha, pois sua visão sobre o livro foram parecidíssimas com as que eu tive quando o li. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ivy.
    Eu li esse livro essa semana. Corri ler ele quando vi que estava no KU. Gostei bastante mas é o primeiro que li da autora então não tenho com o que comparar. Não lembrei em nenhum momento dos livros da Agatha, lembrei mais foi dos A Mulher isso e a Garota aquilo que tem vários publicados por conta da protagonista. E achei o final bem previsível. Mas ainda assim achei um bom livro de suspense.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  3. Oi, Ivy!
    Eu quase não ando lendo thrillers. Já gostei bastante do gênero, mas os últimos que li foram de uma total decepção que até desisti kkkkkkkk
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderEliminar
  4. Oi Ivy, tudo bem?
    Eu adorei esse livro, mas concordo total sobre os personagens secundários. Eles tiveram pouco espaço pra brilhar e nos deixar ainda mais confusos.
    Mas o que realmente me instigou são aqueles capítulos entre os narrados pela Lo, em que notícias ou diálogos no futuro eram mostrados, dando a entender que ela morreu no barco. Aquilo me deixou muito curiosa!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
  5. Gostei bastante do artigo de hoje, sempre estou aqui acompanhando seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais aqui.

    Beijos 😘.

    Meu Blog: Blog Dicas Online de Saúde

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho visto muita gente falando sobre esse livro e eu confesso que tô bem curiosa pra ler ele, principalmente quando tem a comparação entre ela e a Agatha Christie que é minha autora favorita. Gostei muito da sua resenha, muito verdadeira e eu vou ir ler esse livro com um pouco mais de cuidado agora kkkk
    Adorei!

    ResponderEliminar
  7. Olá, gostei de sua sinceridade, pensa que o livro não funcionou tanto para você, vejo pessoas elogiando bastante a obra, mas confesso que nunca chamou minha atenção, quando o personagem central da obra me cansa, eu desisto.

    ResponderEliminar
  8. Olá, tudo bem? É uma pena que o livro não tenha sido "tudo aquilo" para ti, mas de qualquer forma parece ser uma leitura bem bacana, tenho curiosidade de ler. Adorei a resenha sincerona!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderEliminar
  9. Tenho um problema com relação a esses livros... A mulher na cabine, A garota no trem, A garota no Lago... Sempre tenho desejo em ler e viajar em um thriller psicológico, mas sempre há algo negativo na resenha que me deixa pensativo. Muita gente me indica dizendo que é incrível, mas vai saber. Foi uma resenha sincera e me faz pensar que devo deixar esfriar um pouco essa onda para não ir com grandes expectativas. (@yelloobow/@LunetaLiteraria)

    ResponderEliminar
  10. Olá

    Por isso que deixo livros recém lançados para ler depois, porque a grande de marketing deixa as expectativas nas alturas e isso gera algo completamente inatingível, já que muitas vezes conhecemos o trabalho anterior de um autor e começamos a comparar.

    Lerei esse aqui só no final de ano.

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Essa de expectativa estraga mesmo ne, mas fico triste quando compro um livro e sinto que nele faltou algo a mais, ou quando enrola.
    Adoro suspenses tb.
    Bjos

    ResponderEliminar
  12. Eu adoro esse tipo de livro, amo um bom mistério e suspense!
    Nem sempre um livro nos agrada por completo, mas é bacana também quando sabemos separar os pontos positivos e negativos! E com todos os pontos que você levantou, estou curiosa pela história!

    ResponderEliminar
  13. Oi Ivi!
    Adoro livros de suspense e investigação, apesar de você achar algumas falhas eu leria só pelo prazer de desvendar, descobrir pistas e ficar surpresa com o descobrimento de caráter duvidosos de alguns personagens. Vou anotar a dica, pois já estou curiosa em saber mais de Lo, parabéns pela resenha e pela sua sinceridade, bjs!

    ResponderEliminar
  14. Gostei da sua resenha. Eu gosto de livros de suspense e com investigação, mas é muito complicado quando falta algo na personagem que a gente não consegue gostar. Mas, de certa forma, a leitura foi boa para ti em alguns aspectos e gostei de saber que é uma leitura rápida. Espero conhecer essa obra.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderEliminar
  15. Eu leio pouquíssimos Thrillers, e pretendo mudar isso ainda esse ano! Amei a indicação, mesmo com alguns aspectos que você citou!

    ResponderEliminar



Subir