(Review 348) - Cidade do fogo celestial (Os Instrumentos Mortais #6)

em 1 de mayo de 2020

Título original: City of heavenly fire
Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record (Brasil) / Margaret K. McElderry (EUA) / Destino (Espanha)
Páginas: 532
Ano de Publicação: 2012 (EUA) / 2013 (Brasil)
Série: Os Instrumentos Mortais (Mortal Instruments)
           1. Cidade dos ossos (City of Bones) 
           2. Cidade das cinzas (City of Ashes) 
           3. Cidade de vidro (City of Glass) 
           4. Cidade dos anjos caídos (City of fallen angels) 
           5. Cidade das almas perdidas (City of lost souls) 
           6. Cidade do fogo celestial (City of heavenly fire) 
Gênero: Fantasia Juvenil
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva / Cultura


"Erchomai", Sebastian disse. "Estou chegando". Escuridão retorna ao mundo dos Caçadores de Sombras. Enquanto seu povo se estilhaça, Clary, Jace, Simon e seus amigos devem se unir para lutar com o pior Nephilim que eles já encararam: o próprio irmão de Clary. Ninguém no mudo pode detê-lo - deve a jornada deles para outro mundo ser a resposta? 
Vidas serão perdidas, amor será sacrificado, e o mundo mudará no sexto e último capítulo da saga Os Instrumentos Mortais.



Cidade do Fogo CelestialTerminar (finalmente) a série Instrumentos Mortais me trouxe um misto de sentimentos: emoção, saudade, nostalgia e um sentimento gostoso de poder dizer adeus aos personagens que aprendi a amar ao longo de 6 longos livros.

Cidade do fogo celestial, última parte da jornada de Clary Fray e Jace Herondale  finaliza com chave de ouro a saga que iniciou cheia de ação, teve seus altos e baixos e apresentou um mundo novo aos leitores, um universo vasto, carregado de mitos, magia e seres sobrenaturais de todos os tipos.
Sebastian Morgenstein  está cada vez mais poderoso e determinado a se vingar de todos os Caçadores de Sombras que o exilaram a uma vida solitária. Com sangue de demônio correndo nas veias, Sebastian só conhece o ódio e a dor, e agora que está de posse da Taça Infernal, ele ataca os Institutos de Caçadores ao redor do mundo e transforma destemidos guerreiros em marionetes sem vontade, prontos para servi-lo. Amatis, a irmã de Luke  foi transformada, assim como muito outros. E agora este exército de Crepusculares está marchando rumo ao confronto final com os Nephilim restantes. 
Nesta guerra sem limites, os subterrâneos também serão obrigados a escolher um lado. Simon, o vampiro diurno não poderá mais estar sozinho. É que os outros vampiros, incluído Raphael, terão que lutar e se unir. Magnus Bane, o bruxo mais famoso da América, também vai escolher um lado, ainda que isso signifique ter que trazer seu próprio passado, tão bem guardado, à tona. Os lobisomens, encabeçados por Luke e por Maia, continuarão leais, e as fadas, sempre astutas e traiçoeiras, demonstrarão que neste jogo de cartas marcadas, nada é definitivo.

Minha opinião:

Como não se apaixonar por esse universo tão incrível criado por Cassandra Clare com seus caçadores de sombras? Acho que o ponto forte dessa saga é justamente toda essa magia que traz, as infinitas reviravoltas que cada trama apresenta, e o quão íntimos seus personagens se tornam do leitor. A ambientação fascinante de uma Nova York diferente, onde seres sobrenaturais e mágicos se reunem e vivem alheios aos mundanos é intensa, vívida e embriaga o leitor. É um universo que vai conquistando, envolvendo e empolgando aos poucos, mas que ao terminar o último dos livros, nos vemos rendidos ao talento e habilidade de Clare em conduzir tantas estórias neste mesmo universo. 

the mortal instruments lockscreen | TumblrSe for comparar a escrita de Clare desde o primeiro livro até essa sexta parte é notável o quanto evoluíu, o quanto a gente sente como leitor o quanto a autora foi se tornando mais segura e mais cômoda neste mundo que criou e o quanto em cada livro as possibilidades foram se multiplicando, permitindo que Clare ainda possa trazer novos personagens e conflitos sem deixar os fãs carentes deste mundo viciante. 
Da trama principal, tudo fica concluído aqui neste volume e o final consegue ser cheio de intensidade e emoção, uma despedida à altura de uma saga que foi se tornando inesquecível pra mim com cada volume. 

Achei a trama toda super bem desenvolvida. Apesar de ser um livro de muitas páginas, Clare consegue manter a narrativa sempre eletrizante, fatos novos vão acontecendo à cada instante, ação e revelações por todos os lados que não permitem que o leitor se canse. 
Além disso, os personagens secundários também possuem seus dramas e conflitos, e nem tudo fica tão focado nos protagonistas aqui, achei isso um acerto por parte da autora já que Clary e Jace chegam a ser chatinhos em alguns momentos, com suas idas e vindas. 
O Jace melhorou bastante neste livro, está mais solto e menos melancólico, conseguiu me divertir em alguns momentos mas também ainda me irritava em certas partes. A Clary fica longe de ser minha protagonista favorita, acho ela sem sal, também me cansa como sempre tudo depende dela, o quanto Clary é sempre fundamental para qualquer mínimo detalhe da trama. Já cheguei numa fase onde me sinto saturada em ver esse tipo de protagonista irresistível que todos amam e todos querem, até o vilão. 

the mortal instruments lockscreen | TumblrPor outro lado, os personagens secundários maravilhosos fazem muito valer a pena e me ganharam completamente. Como sofri por Isabelle Lightwood!!! Izzy e Simon foram com certeza o melhor casal da saga e os diálogos entre eles são tão divertidos e cheios de química e paixão que me peguei vibrando e torcendo por cada momento fofo do casal. Quantas reviravoltas Izzy e Simon tiveram que enfrentar até o final, e que incrível o quanto ambos iam roubando a cena, adquirindo mais e mais protagonismo conforme os eventos aconteciam. 
Alec e Magnus também foram incríveis e me roubaram sorrisos ao longo da leitura, porém, foi a reaparição de Tessa Gray e Zachariah  que me fez ver estrelas. Sentia falta destes personagens e foi tão nostálgico poder rever a ambos. Fica um arco bacana com relação a eles para a próxima saga: Os Artifícios das Trevas e estou muito curiosa com tudo o que poderá ocorrer com os Cairstairs na nova trilogia já que aqui tive um vislumbre da personagem de Emma Cairstairs, a protagonista de Os Artifícios das Trevas e gostei muito da personalidade impetuosa da garota.

Sebastian Morgenstein foi um grande vilão, certamente um vilão de dar medo, à altura da grande saga que li. Tive algumas dúvidas à respeito de certas atitudes do personagem e às vezes era bem difícil de entender suas motivações mas acho que ai consiste um grande vilão, Sebastian é um psicopata, movido a muita raiva e angústia, sua realidade é distorcida e isso o torna difícil em ser decifrado. Eu gosto de vilões assim, complexos, e o desfecho de Sebastian foi dramático e intenso de uma maneira que só Cassandra Clare poderia fazer. 

Desnecessário dizer que quero ler sem falta Dama da Meia noite né? E também os Contos da Academia de Sombras já que o desfecho do personagem de Simon acabou me deixando super curiosa pra conhecer algo dos próximos passos deste personagem (e a Cassandra Clare entrega tudo nos Contos). 

Concluindo...

Cidade do fogo celestial  é um livro que traz uma trama cheia de sacrifícios, de reviravoltas, que faz a gente perder o fôlego e também apertar o coração em vários momentos dramáticos. Com um rol de personagens que pouco a pouco ganharam meu coração, Cassandra Clare apresentou um desfecho incrível para uma saga que livro após livro se aprimora ao ponto de alcançar a perfeição em seu desenlace final.

"Os heróis não são os que sempre ganham. Às vezes, são os que perdem. Mas seguem lutando, e seguem aguentando. Não se rendem. Isso é o que os coverte em heróis."


"Somos o que somos porque a nossa vontade é livre. Somos livres para escolher. Escolhemos ficar para lutar. Escolhemos derrotar as forças de Sebastian. Eles tem a escuridão; nós temos a força do Anjo. O fogo derrete o ouro. E neste fogo seremos provados e reluziremos. Vocês já conhecem o protocolo. Já sabem o que devem fazer. Adiante, filhos do Anjo. Adiante, acendam as luzes da guerra."

Cassandra Clare nasceu em uma família americana no Teerã, Irã, e passou parte de sua infância viajando pelo mundo com sua família. Pelo fato de que sua família viajava muito, ela encontrou familiaridade no livros, e estava sempre com um debaixo do braço.
Após a faculdade, Cassandra viveu em Los Angeles e Nova York, onde trabalhou em várias revistas de entretenimento e tablóides. Ela começou a trabalhar em seu romance YA, Cidade dos Ossos, em 2004, inspirada na paisagem urbana de Manhattan. Passou a dedicar-se em tempo integral à escrever fantasia. 
Cassandra atualmente reside em uma antiga casa vitoriana em Nova York com sue noivo, seus gatos e lotes e lotes de livros. A série Mortal Instruments é semrpe citada em várias listas de best-sellers. 


Twitter: Cassandra Clare



Até a próxima, 

Ivy

13 comentarios:

  1. beautiful post...
    Wishing you a great day!!!

    ResponderEliminar
  2. Oi, Ivy como vai? Cassandra Clare dispensa comentários. Esse último livro desta série eu não li, mas sua resenha elogiosa certamente fará com que eu finalize esta série e me delicie com toda esta serie maravilhosa. Ótima resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Oi, bom dia! Ainda não li nenhum mais amei o primeiro.

    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Olá, Ivy.
    Eu só li até o quarto livro dessa série e depois perdi a vontade. Foram surgindo outras histórias e fui passando na frente hehe. E se um dia voltar a ler vou ter que reler os outros porque já não lembro muito bem da história hehe.

    Prefácio

    ResponderEliminar
  5. Oi, Ivy!
    Nunca li nenhum livro dessa saga, mas sei que os fãs são apaixonados. Eu acho incrível quando os autores conseguem criar um universo capaz de transportar totalmente os leitores até ele! Existem muitas histórias de fantasia, mas nem todas conseguem fazer isso. Que bom que a conclusão da saga foi boa!

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderEliminar
  6. Oi Ivy, tudo bem?
    Assisti à série Shadowhunters e fui ler mais sobre os livros, fiquei morrendo de raiva quando descobri que o Simon traiu a Izzy rs. Eu li Cidade dos Ossos em 2013 ou 2014 e, apesar de ter curtido, não me motivou o suficiente pra continuar. :( É uma pena, porque o universo da Clare realmente é rico e criativo!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
  7. Eu parei nessa série em Cidade de Vidro, que na época era o final da trilogia. Não quis ler os outros, mas hoje em dia acompanho a nova série vitoriana dela e li Peças Infernais
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
  8. ! Great post ! Thanks for sharing! Stay safe! 🙏🙏🙏

    ResponderEliminar
  9. Eu nunca li nenhum dos livros desse universo mas fico curiosa de tanta gente que elogia.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderEliminar
  10. Oi Ivy! Essa foi a única série da autora que li completa e achei maravilhosa. Eu tinha receio de a história desandar depois de Cidade de Vidro, mas ainda bem que seguiu muito bem. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ivy!

    É, nem preciso dizer que terminar esse livro não é bem uma despedida né? Eles aparecem com uma frequência grande até em Os Artifícios das Trevas, e acho que a própria Cassandra nunca terá coragem de se despedir de seus personagens hahaha bom pra gente, porque adoro demais essa saga, e entendo bem como é chegar ao sexto volume sentindo esse misto de emoções. O universo criado pela Cassandra é simplesmente incrível!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  12. Oi Ivy,
    Fico feliz que a essa parte da série tenha encerrado de forma positiva e com grande despertar de emoções. Eu ainda tenho muita vontade de conhecer esse universo da Cassie, sei que as adaptações não fazem jus, nas por elas achei personagens bem interessantes.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderEliminar
  13. Oi, Ivy

    Que bom que o saldo da série foi positivo. Numa série tão longa e tão complexa é normal que haja altos e baixos, mas se há mais prós do que contras está de bom tamanho. Uma das coisas que mais gosto em acompanhar séries grandes assim é poder ver a evolução da escrita dos autores, que legal que você também pôde fazer isso com Os Instrumentos Mortais.
    Apesar dos elogios, é um universo que não desperta meu interesse. Não gosto do gênero e não gosto de autor que não desapega... e a Cassandra toda hora tira um livro da cartola. Hahahahahahah

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderEliminar