(Review 350) - Senhor das Sombras (Os Artifícios das Trevas #2)

em 15 de mayo de 2020

Título original: Lord of Shadows
Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record (Brasil) / Margaret K. McElderry Books (USA) / Destino (Espanha)
Páginas: 602
Ano de Publicação: 2016 (EUA) / 2016 (Brasil)
Gênero: Fantasia Juvenil
Saga: Lady Midnight
1. Dama da Meia Noite (Lady Midnight) 
2. Senhor das Sombras (Lord of Shadows) 
3. Rainha do Ar e da Escuridão (Queen of Air and Darkness)
Valoração: 
Goodreads / Amazon / Skoob / Saraiva / Cultura

A ensolarada Los Angeles pode ser um lugar sombrio na continuação de Dama da Meia Noite, de Cassandra Clare.
Emma Cairstairs finalmente conseguiu vingar a morte dos pais e pensou que com isso estaria em paz. Mas se tem uma coisa que ela não encontrou foi tranquilidade. Dividida entre o amor que sente pelo seu parabatai Julian e a vontade de protegê-lo das graves consequências que um relacionamento entre os dois pode trazer, ela começa a namorar Mark Blackthorn, irmão de Julian. Mark, por sua vez, passou os últimos cinco anos preso no Reino das Fadas e não sabe se um dia voltará a ser o Caçador de Sombras que já foi. Como se não bastasse, as cortes das fadas estão em polvorosa. O Rei Unseelie está farto da Paz Fria e decidido a não ceder mais às exigências dos Nephilim. Presos entre as exigências das fadas e as leis da Clave, Emma, Julian e Mark devem encontrar um modo de proteger tudo aquilo que mais amam - juntos e antes que seja tarde.




Senhor das Sombras  é a segunda parte da trilogia Os Artíficios das Trevas, ambientada em uma Los Angeles da atualidade e tendo como protagonistas Emma Caistairs e Julian Blackthorn, dois caçadores de sombra que se tornaram parabatai ainda crianças, aos doze anos, e hoje vivem uma história de amor proibido, aterrorizados pelo medo de uma maldição que promete destruir parabatais que se apaixonem. 

Tendo como plot principal esse amor impossível entre Jules e Emma, Cassandra Clare vai aos poucos tecendo uma trama cheia de reviravoltas e emoção, apresentando outros personagens secundários cheios de personalidade, com arcos próprios que ajudam a marcar o tom e manter o ritmo da trilogia.

Nessa segunda parte, após o reaparecimento de uma antiga ancestral e da morte do vilão secreto da primeira parte, as coisas ainda não parecem se acalmar para os caçadores de sombras do instituto de Los Angeles. Eles precisam voltar a lidar com as fadas, pois desta vez o rei da corte Unseelie, pai de Kieran, ameaça iniciar um plano de vingança que pode abalar de vez o destino dos Nephilim. 
Kieran, foragido da corte, tem que ficar oculto no instituto sob a proteção de Mark Blackthorn  e dos seus. Mas fadas não deveriam ser bem vindas desde a Paz Fria, e por isso Julian e a família Blackthorn terão que viver uma vida dupla para manter a Clave fora desse conflito. O problema é que a chegada dos Centuriões, liderados pela arrogante Zara Dearborn  se tornou uma ameaça para a paz, especialmente para Cristina, que parecia feliz ao lado de Diego Rosales, mas agora vai ter que encarar mais uma traição. 

E entre fadas, maldições e muita conspiração, os Blackthorn, Emma, Cristina e também a tutora Diana Wrayburn  vão ter escancarar os próprios segredos e encarar de uma vez a guerra implacável que está por vir.

Minha opinião:

Eu gosto demais da escrita da Cassandra Clare. Não canso de elogiar o universo amplo, fantástico e cheio de detalhes que ela conseguiu criar com os seus Caçadores de Sombras. Cassie adora escrever sobre isso e o leitor sente em cada página esse amor e esse cuidado da autora. O grande problema é que todo o universo, por mais bem idealizado que seja, possuí seus limites, e quando a gente força o que não dá mais e repete fórmulas já usadas, o que poderia ter sido excepcional pode se tornar mediano bem rapidinho.

Eu gosto da trama de Senhor das Sombras, mas honestamente quando paro pra pensar em tudo o que li chego a conclusão de que Senhor das Sombras, com todas as suas 602 páginas acabou sendo um livro pra lá de intermediário. Tantas páginas escritas deixou a impressão que a maioria só ficou como recheio mesmo, oferecendo acontecimentos irrelevantes para a trama e forçando nas descrições e detalhes. Senti que nessa segunda parte houveram momentos onde Cassandra tenta extender tanto uma situação que o ritmo acaba despencando, tornando vários capítulos densos e cansativos. O plot é bom, os personagens são ótimos, a ambientação é maravilhosa, mas não precisavam tantas páginas de lenga lenga que faziam o leitor ler, ler e ler sem chegar a nenhum lugar.

Outro detalhe que já começa e me agoniar nas tramas de Clare é seu apego (excessivo) aos personagens de suas séries anteriores, especialmente Jace e Clary. Eu até gosto de Jace, de Clary, de Alec e principalmente do feiticeiro Magnus Bane. São personagens que ao longo dos 6 livros da série Instrumentos Mortais aprendi a amar. Porém, cansou ver tantas referências a eles, será que não dava pra trazer outros personagens novos? Tudo o que acontece na trama parece ser motivo para que Cassandra Clare encontre razão para "ressuscitar" alguns de seus antigos personagens. Fica repetitivo, e por mais que, repito, eu adore cada um deles, não tem nada a ver a presença de Clare e Jace, por exemplo. Hora de desapegar Cassie, por favor!

O romance de Julian e Emma nesta segunda parte está um dramalhão quase mexicano. Eu gosto demais dos dois, mas é tantas idas e vindas, tantos "quero mas não posso" que tem hora que cansava de acompanhar. Muita enrolação na trama veio focando nesse romance, e embora seja gostoso ver um casal que a gente adora vivendo seu grande amor, tinha momentos ali que queria fechar o livro e largar de vez, porque achei que a autora tentou prolongar tudo até o infinito, até o ponto de se tornar uma história morna e parada.

É claro que tem várias coisas positivas nessa segunda parte. Eu adorei conhecer mais de Kieran e principalmente de Kit Rook, dois personagens cheios de personalidade, que garantiram momentos bacanas na trama.
Kieran e Cristina  começam uma aproximação tão peculiar que fiquei curiosa pra seguir lendo até onde isso tudo vai. Também temos Diana Wrayburn, a tutora, que finalmente revela seu grande segredo e esse sim me deixou de boca aberta, porque eu nem imaginava, foi uma reviravolta corajosa de Cassie Clare, e eu gostei bastante porque foi inteligente e único o destino de Diana. Há o princípio de um relacionamento dela com outro personagem bastante carismático e eu vibrei como a coisa toda começa e se desenvolve.
Kit Rook, meu querido que rouba a cena, se mostra cada vez mais cheio de facetas, ele é sagaz e corajoso e conseguiu criar uma conexão legal com Ty e Livy Blackthorn. Esse trio aliás garantiu alguns dos melhores momentos da trama. 

Cassie Clare começa a desenhar também um conflito politico bem complexo para a terceira parte da trilogia. Essa entrada abrupta dos centuriões e o ar de vilãzinha da Zara prometem bastante rebuliço na hierarquia da Clave. Temos vários núcleos sendo formados, e vários possíveis vilões que, embora não tenham ainda a presença marcante de um Sebastian Morgenstein, podem causar certo impacto. 
A autora também já começa a desenhar um panorama maior do que é o Reino das Fadas, especialmente a misteriosa corte Unseelie, que já demonstra ser mais brutal do que a sempre astuta corte Seelie.

São vários arcos formados já para o desfecho final da trilogia, várias perguntas esperando resposta e eu fico curiosa em saber como Cassandra Clare vai finalizar alguns conflitos, especialmente no referente ao casal principal, os parabatai Emma e Julian. Por um lado, dá um certo receio, porque vemos tantos conflitos em aberto que a gente se pergunta se Clare vai realmente conseguir finalizar tudo de maneira satisfatória. Por outro lado, vem um certo alívio em saber que apesar de tanta enrolação, ainda sinto uma pontada grande de curiosidade em conhecer os destinos da família Blackthorn e os novos rumos desenhados para a Clave no geral. 

Concluindo...
Em resumo, apesar de pecar pelo excesso de páginas, Senhor das Sombras  tem seus momentos de brilho, especialmente perto do final, onde a trama muda de rumo completamente, apresentando novos vilões inesperados e perdas impensadas. Com uma ambientação ainda espetacular e magnética, Cassie Clare continua fisgando o leitor e nos fazendo sofrer com suas tramas cheias de sacrifício e sangue. Agora é torcer para que Rainha do Ar e da Escuridão seja um final de trilogia à altura. 

"- Emma, todo mundo tem medo de alguma coisa. - Julian tinha se aproximado um pouco mais; ela sentiu o ombro dele tocar no dela. - Tememos coisas porque as valorizamos. Tememos perder as pessoas porque as amamos. Tememos morrer porque valorizamos viver. Não queira não temer nada. Tudo que isso significaria é que você não sente nada."



"- Você acha que anjos são suaves - disse Julian. - São tudo, menos isso. Eles trazem justiça com sangue e fogo celestial. Se vingam com punhos e ferro. A glória é tanta que queimaria seus olhos se você olhasse para ela. É uma glória fria e brutal. - Ele encontrou o olhar do Rei: seu olho furioso e o vazio. - Olhe para mim se duvida do que eu digo que farei - disse Julian.  - Olhe para os meus olhos. Fadas veem muito, pelo que dizem. Acha que sou alguém que tem alguma a perder?"

Continua em...

Rainha do Ar e da Escuridão

Cassandra Clare nasceu em uma família americana no Teerã, Irã, e passou parte de sua infância viajando pelo mundo com sua família. Pelo fato de que sua família viajava muito, ela encontrou familiaridade no livros, e estava sempre com um debaixo do braço.
Após a faculdade, Cassandra viveu em Los Angeles e Nova York, onde trabalhou em várias revistas de entretenimento e tablóides. Ela começou a trabalhar em seu romance YA, Cidade dos Ossos, em 2004, inspirada na paisagem urbana de Manhattan. Passou a dedicar-se em tempo integral à escrever fantasia. 
Cassandra atualmente reside em uma antiga casa vitoriana em Nova York com sue noivo, seus gatos e lotes e lotes de livros. A série Mortal Instruments é semrpe citada em várias listas de best-sellers. 


Twitter: Cassandra Clare



Até a próxima, 

Ivy

11 comentarios:

  1. Estou amando ler seus posts... vou até salvar em favoritos!


    Meu Blog: Espaço Blog Carol

    ResponderEliminar
  2. Oi, Ivy tudo bem? Que pena que a leitura deste segundo livro não seja tão boa quanto o primeiro. De todo modo me parece uma estória excelente. Pretendo ler esta trilogia, pois eu ainda não o li, apesar de as ressalvas citadas por você presumo ser uma leitura interessante, muito embora parte da surpresa inicial tenha se perido neste segundo livro. Amei sua resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Oi Ivy! Os livros desta série são bem grandes e espero que este volume seja daqueles que as páginas passem voando para mim e que a história se mantenha ótima, como vem sendo. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderEliminar
  4. Oiê, nossa que livro mais legal a muito tempo que não leio. Adorei a indicação beijos

    Segredosdamarii.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Realmente, quando algo começa a ser forçado, não dá! Não conseguimos ler algo que sabemos que já está excedendo. Amei sua resenha e achei bem pontual. Nunca li absolutamente nada da Cassandra, queria começar!

    ResponderEliminar
  6. Oii

    Olha, admiro essa mulher por conseguir criar tanta história para um mesmo assunto.
    Eu tentei ler um livro dela e não me conectei com a obra e a escrita dela, então acabei abandonando a leitura do no meio.

    kzmirobooks.com

    ResponderEliminar
  7. Oi Ivy!!

    Estou bem longe de chegar a esse livro da série, por enquanto eu só li o primeiro livro Cidade de Vidro, mas quero dar continuidade a série no ano que vem, esse ano eu sei que não vai rolar. Eu já tinha visto algumas pessoas falarem sobre esse livro e eles tinham em sua maioria a mesma opinião que a sua. Bom eu ainda pretendo ler a saga toda, e ter eu mesmo o direito de reclamar dela hauahau

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderEliminar
  8. Olá!
    Infelizmente Cassandra Clare é uma autora que não tenho nenhuma vontade em ler. Por mais que eu tenha vontade de me envolver mais com livros de fantasias, as séries enormes e infinitas da autora me dão preguiça de começar, deixando-a assim sempre de lado quando vejo recomendações. Por outro lado fico feliz que ela publique tanto, dando um mundo vasto para os leitores aproveitarem. É uma pena que esse livro tenha tido altos e baixos para você, tornando-se apenas mediano, mas espero que o próximo consiga superar isso.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderEliminar
  9. Olá, tudo bem?

    Eu não sou muito de ler fantasia, mas sempre vejo os comentários sobre essa série da Cassandra Clare e sempre são elogios. Mesmo não sendo o gênero que leio com mais frequência, tenho vontade de me arriscar e conhecer as suas histórias!
    Amei ler a sua resenha e ver que até o momento vc está curtindo!

    ResponderEliminar
  10. AHHHH
    Comecei peças infernais agora hauhauha
    Estou lendo Anjo Mecânico e me perguntando pq demorei tanto para embarcar nesse universo criado pela autora. Estou amando

    Sai da Minha Lente

    ResponderEliminar
  11. olá

    eu li o primeiro livro de Instrumentos Mortais e não fiquei muito curiosa para continuar nos mundos que ela cria. As capas são lindíssimas e já comprei só por isso haha, mas não irei mais investir nas obras dela.

    beijos

    ResponderEliminar