(Review 356) - Mortos não contam segredos

em 27 de mayo de 2020

Título original: Two can keep a secret
Autor: Karen McMannus
Editora: Galera Record  (Brasil) / Delacorte Press (EUA) / Alfaguara (Espanha)
Páginas: 312
Ano de Publicação: 2019 (EUA) / 2019 (Brasil)
Gênero: Suspense Juvenil
Valoração: 

Um segundo romance ainda mais irresistível da autora de "Um de nós está mentindo".
Quando sua mãe é internada em uma clínica de reabilitação, Ellery e seu irmão gêmeo precisam se mudar para a casa da avó que mal conhecem. Na pequena cidade de Echo Ridge, eles logo descobrirão que, por trás das ruas arborizadas e casinhas de cerca branca, há histórias tenebrosas: sua tia desapareceu aos 17 anos e nunca foi encontrada; anos mais tarde, a rainha do baile de boas-vindas, da mesma idade, foi assassinada... E às vésperas da volta às aulas, pichações ameaçadoras tomam a cidade, pretendendo reencenar os crimes nunca solucionados do passado. Listada entre as possíveis vítimas, Ellery decide usar todo o seu arsenal de leitora de histórias de detetive e reportagens sobre crimes para desvendar o mistério. Mas quando uma colega de turma é sequestrada, a menina percebe que, em Echo Ridge, segredos devem ser levados para o túmulo. 



Eu adorei esse livro. A verdade é que li algumas resenhas um pouco desanimadoras sobre ele logo do seu lançamento e, com isso, as minhas expectativas haviam diminuído drasticamente. E talvez, justamente por conta das expectativas mais contidas que tinha, foi que esse livro acabou me pegando em cheio e me prendendo até o final.

Eu adoro suspenses teen. Esse é um estilo de estória que sempre me empolga porque acho que  personagens adolescentes são ótimos quando se envolvem em segredos sombrios e, desde Pretty Little Liars, estou sempre atenta aos lançamentos neste estilo. Karen McMannus já havia me animado em seu livro de estréia, Um de nós está mentindo, mas, apesar de todo o hype ao redor, eu não achei o livro tão sensacional assim. Achei bacana e envolvente, mas nada além do esperado. Em  Mortos não contam segredos  achei que a autora evoluíu bastante, tanto na escrita, que parece mais coerente e bem mais firme, quanto na evolução da trama que, ao meu ver, desta vez sim caminhou para um final inesperado e de reviravoltas. 
Fiel ao estilo do livro anterior, neste livro a autora também optou por nos trazer capítulos em primeira pessoa intercalados entre narradores. Aqui, temos os pontos de vista de Ellery e Malcom, dois adolescentes que acabam se tornando próximos, unidos por circunstâncias um tanto quanto macabras. Ellery é sobrinha de Sarah, a primeira garota desaparecida em Echo Ridge no que se tornou depois uma sucessão de mais outro crime, e Malcom é o irmão do principal suspeito do assassinato de Lacey, a segunda tragédia que abalou a cidade. 
Ellery cresceu longe de tudo isso, e Sadie, a mãe de Ellery,  sempre fez questão que nem Ellery e nem Ezra, o irmão gêmeo se envolvessem com o passado mórbido de Echo Ridge. Mas quando Sadie vai pra reabilitação, a avó dos gêmeos é o único parente que pode cuidar deles, e isso significa voltar a Echo Ridge e, porque não, tentar desentranhar as peças do quebra cabeças esquisito que envolve o desaparecimento da tia de Ellery, décadas atrás.
Quando mais uma garota popular e candidata a rainha do baile desaparece, Ellery e Malcom começam a reviver, em primeira mão, os pesadelos do passado. Mas, será possível que o assassino tenha decidido voltar a praticar crimes tantas décadas depois? Mas, e se o assassino não for o mesmo e se trata de pessoas diferentes? Pode ser que a pacifica Echo Ridge na verdade seja abrigo de mais de um serial killer e seus calorosos moradores sejam mais suspeitos do que parece.

Minha opinião:

Como já disse logo no começo, nem esperava me apegar tanto à essa estória. Desfrutei demais de cada capítulo e me vi surpreendida com cada nova revelação ou reviravolta que McMannus inseriu na trama, a revelação do grande(s) vilão(ões) acabou sendo a maior surpresa pra mim já que foi quem eu sequer suspeitava e achei super coerente como a autora foi ligando os fatos no final, nos explicando cada motivação.

Achei bacana também o tom mais adulto que a estória vai ganhando. O que começa como um suspense teen cheio de clichês ao final se revela uma trama intrincada e bem idealizada pela autora, que encerra cada pontinha solta com bastante exatidão.

Foi tudo perfeito? Não, não foi. O grande mistério da vez que é o destino da pobre Sarah, tia da Ellery, ficou tão relegado à segundo plano que no final a autora se contenta em trazer apenas uma revelação rápida e sem sal, que não choca o leitor. Acho que o final merecia um capítulo extra, ou mesmo um epílogo nos dando a perspectiva do assassino e o destino final de cada personagem, já que tudo isso ficou um pouco aberto demais. 
No geral, a trama foi boa. O que começa clichê vai ganhando mais fôlego e conseguiu me prender, foi aquele tipo de estória de mistério leve mas viciante, que mantém o ritmo e deixa uma impressão inquietante ao terminar. Um livro bom pra quem, aliás, está começando a ler mais suspense e busca por uma trama sem grandes traumas. 
Os personagens são bons, embora faltasse um pouco de carisma. Ellery é típica demais. A garota sabichona que adora desvendar mistérios, Ellery até que é simpática, mas fora isso, não tem mais nada que a destaca ou a torna uma protagonista única. Malcom também é agradável, mas tampoco chega a ser alguém inesquecível. Eles são bastante ok. Adolescentes bem normaiszinhos vivendo em um lugar cheio de contos macabros. Dá pra gostar de Ellery, Malcom e dos secundários que os acompanham facilmente, mas ao final eles são previsíveis em muitos momentos cruciais. 

Embora McMannus tropece um pouco na construção destes personagens, ela ganha na elaboração da trama. A autora sabe conduzir um bom misterio e vai lançando teorias e dando voltas, confundindo o leitor, até nos pegar desprevenidos com as revelações finais. Isso é essencial e fundamental pra quem busca um bom suspense.

Concluindo...

Leve, bacana, bem escrito e empolgante, Mortos não contam segredos  ao meu ver mostra a evolução na escrita de Karen McMannus, uma autora que consegue criar boas tramas a partir de premissas relativamente simples. Um livro fácil de acompanhar, com personagens bem básicos (mas que conseguem manter o bom nível da trama) e com um desenlace final que, embora não seja perfeito, consegue fisgar o leitor e nos deixar alertas com cada virada de página.

" Todo o sucesso da Fright Farm é baseado no quanto as pessoas gostam de sentir medo em um ambiente controlado. Há algo profundamente gratificante em enfrentar um monstro e escapar ileso. Monstros de verdade não são assim. Eles não deixam você escapar. "



" Bem vindo à vida em uma cidade pequena. Você é tão bom quanto a melhor coisa que a sua família já fez. Ou tão ruim quanto. "


Karen McMannus é bacharel em Língua Inglesa pela College of Holy Cross e Mestre em Jornalismo pela Universidade Northeastern. Quando não está trabalhando ou escrevendo em Cambridge, Massachussets,  McManus adora viajar com seu filho.
"Um de nós está mentindo" foi o seu romance de estréia, e rapidamente estava nos primeiros lugares da lista do The New York Times.

Web Page Oficial: https://www.karenmcmanus.com/

Twitter: Karen McMannus




Até a próxima, 


Ivy

5 comentarios:

  1. Ivy, eu confesso que eu já vi essa capa e já tinha ficado curiosa, mas não sabia do que se tratava a história
    Eu fiquei com vontade de ler mais ainda depois da sua resenha
    Apesar de teen não ser um genero que eu esteja pegando muito, mas acho que seguindo a sua dica de baixar um pouco a expectativa eu super aproveitaria também!
    E pra te falar a verdade, faz tanto tempo que eu não leio um mistério intrincado que nem me lembro quase como é HAHAHAH
    Será que tem no Kindle Unlimited???

    (Ele não tem, mas tem um capitulo extra que tem)

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderEliminar
  2. Oi, Ivy como vai? Me parece um livro excelente, ainda mais por se tratar de suspense que particularmente eu adoro. Que bom que a escrita da autora evoluiu. Ótima resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Oi, Ivy! Tenho tentado ler gêneros literários diferentes do que costumo, e fiquei muito curiosa em relação à essa narrativa! Tenho meus problemas com a Sara Shepard (na verdade, com a quantidade absurda de livros que ela coloca em uma série haha) mas no geral gosto muito do estilo dela! E só de saber que a escrita da Karen é bem parecida com a dela, já fiquei com vontade de ler! :D
    Amei a resenha <3

    Beijos!
    Estante Bibliográfica

    ResponderEliminar
  4. Eu geralmente julgo esse livro pela capa, essa é a primeira resenha que leio dele eu acho. E, não sei, acho que eu ia amar ler essa história, eu gosto de ler suspenses de vez em quando, e me parece uma história envolvente o bastante para me prender. Que bom que começou a ler já com as expectativas meio contidas hahaha
    Jardim de Palavras

    ResponderEliminar
  5. Olá, Ivy.
    Acredito que umas das resenhas que você leu foi minha hehe. Eu vi tantos elogios ao outro livro dela que acho que fui com muita sede ao pote e apesar de ter gostado acabei me decepcionando um pouco com o livro. Mas ainda quero ler o outro livro dela.

    Prefácio

    ResponderEliminar